Órgãos impressos em 3D facilitam treinamento de cirurgias

Acredita-se que num futuro próximo, os modelos 3D - tanto os impressos quanto os virtuais -, podem se tornar ferramentas de rotina para treinar cirurgiões ou mapear procedimentos com antecedência

Um rim artificial com um tumor impresso em 3D (Crédito: Adam Fenster, Universidade de Rochester)

Ensaiar uma cirurgia em uma réplica impressa em 3D do órgão de um paciente específico vem se tornando um diferencial na medicina, tornando os procedimentos mais baratos e seguros. Quanto mais acessível a tecnologia de impressão em 3D, todos saem ganhando: permite que os cirurgiões planejem e pratiquem procedimentos complexos e treinem novos cirurgiões com simuladores que respondem como um paciente faria.

Os órgãos impressos reproduzem exatamente as especificidades do paciente, representam ductos, artérias e veias, camada por camada. Acredita-se que num futuro próximo, os modelos 3D – tanto os impressos quanto os virtuais -, podem se tornar ferramentas de rotina para treinar cirurgiões ou mapear procedimentos com antecedência.

A eficácia desse método já está sendo comprovada na prática e por pesquisas. Em um estudo de 2017, liderado pela especialista em imagens biomédicas Nicole Wake, três cirurgiões experientes foram convidados a revisarem dez cirurgias renais complexas diferentes. Primeiro, eles revisaram as imagens em 2D dos pacientes e descreveram seu plano cirúrgico. Uma semana ou mais depois, eles repetiram o exercício com um modelo 3D. Em todos os casos, pelo menos um dos cirurgiões alterou sua estratégia – mudando a forma de acessar ou prender o órgão, por exemplo – e relatou maior confiança em seu plano.

Embora a tecnologia atual pareça estar progredindo rapidamente, a indústria de seguros e os formuladores de políticas não estão acompanhando o ritmo. Por enquanto, apenas um pacote de software para órgãos de impressão 3D foi aprovado pelo FDA e as seguradoras não cobrem modelos específicos de pacientes, nos Estados Unidos. No Brasil, os passos vão ainda mais lentos.

blog comments powered by Disqus