Os últimos 24 mil anos revelam: aquecimento atual é ‘sem precedentes’

Magnitude e taxa de aquecimento nos últimos 150 anos ultrapassam em muito o que se observou no clima da Terra desde o fim da última era glacial

Estudo concluiu: temperaturas dos últimos 150 anos não têm paralelo no que se observou desde o fim da última era do gelo. Crédito: CC0 Public Domain

Um esforço liderado pela Universidade do Arizona (EUA) para reconstruir o clima da Terra desde a última era glacial, cerca de 24 mil anos atrás, destaca os principais motores da mudança climática e até que ponto a atividade humana extrapolou o sistema climático.

Publicado na revista Nature, o trabalho apresentou três descobertas principais:

A influência humana

1) Ele verificou que os principais motores das mudanças climáticas desde a última era do gelo são o aumento das concentrações de gases de efeito estufa e o recuo das camadas de gelo.

2) Ele sugere uma tendência geral de aquecimento nos últimos 10 mil anos, estabelecendo um debate de uma década sobre se esse período tendeu a ser mais quente ou mais frio na comunidade de paleoclimatologia.

3) A magnitude e a taxa de aquecimento nos últimos 150 anos ultrapassam em muito a magnitude e a taxa de mudanças nos últimos 24 mil anos.

“Esta reconstrução sugere que as temperaturas atuais são sem precedentes em 24 mil anos e também sugere que a velocidade do aquecimento global causado pelo homem é mais rápida do que qualquer coisa que vimos naquele mesmo tempo”, disse Jessica Tierney, professora associada de geociências da Universidade do Arizona e coautora do estudo.

Tierney, que chefia o laboratório no qual a pesquisa foi conduzida, também é conhecida por suas contribuições para os relatórios do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e briefings climáticos para o Congresso dos Estados Unidos.

Motivo de alarme

“O fato de estarmos hoje tão longe dos limites do que podemos considerar normais é motivo de alarme e deve ser surpreendente para todos”, disse o principal autor do estudo, Matthew Osman, pesquisador de pós-doutorado em geociências na Universidade do Arizona.

Uma pesquisa online de “mudança da temperatura global desde a última era do gelo” produziria um gráfico da mudança da temperatura global ao longo do tempo, criado há oito anos.

“A reconstrução de nossa equipe melhora essa curva, adicionando uma dimensão espacial”, disse Tierney.

A equipe criou mapas de mudanças de temperatura global para cada intervalo de 200 anos, remontando a 24 mil anos.

“Esses mapas são realmente poderosos”, disse Osman. “Com eles, é possível para qualquer pessoa explorar como as temperaturas mudaram na Terra, em um nível muito pessoal. Para mim, poder visualizar a evolução de 24 mil anos das temperaturas no local exato em que estou hoje, ou onde cresci, realmente ajudou a enraizar a noção de quão severa a mudança climática é hoje.”

Métodos combinados

Existem diferentes métodos para reconstruir as temperaturas anteriores. A equipe combinou dois conjuntos de dados independentes – dados de temperatura de sedimentos marinhos e simulações de computador do clima – para criar uma imagem mais completa do passado.

Os pesquisadores analisaram as assinaturas químicas dos sedimentos marinhos para obter informações sobre as temperaturas anteriores. Como as mudanças de temperatura ao longo do tempo podem afetar a química da concha de um animal morto há muito tempo, os paleoclimatologistas podem usar essas medições para estimar a temperatura em uma área. Não é um termômetro perfeito, mas é um ponto de partida.

Os modelos climáticos simulados por computador, por outro lado, fornecem informações sobre a temperatura com base no melhor entendimento dos cientistas sobre a física do sistema climático, que também não é perfeito.

A equipe decidiu combinar os métodos para aproveitar os pontos fortes de cada um. Isso é chamado de assimilação de dados e também é comumente usado na previsão do tempo.

Foco em climas mais antigos

“Para prever o tempo, os meteorologistas começam com um modelo que reflete o tempo atual e, em seguida, adicionam observações como temperatura, pressão, umidade, direção do vento e assim por diante para criar uma previsão atualizada”, afirmou Tierney.

A equipe aplicou a mesma ideia ao clima do passado.

“Com esse método, conseguimos alavancar os méritos relativos de cada um desses conjuntos de dados exclusivos para gerar reconstruções com restrições de observação, dinamicamente consistentes e espacialmente completas das mudanças climáticas anteriores”, disse Osman.

Agora, a equipe está trabalhando para usar seu método na investigação de mudanças climáticas ainda mais antigas.

“Estamos entusiasmados em aplicar essa abordagem a climas antigos que eram mais quentes do que hoje”, disse Tierney, “porque esses tempos são essencialmente janelas para o nosso futuro, à medida que as emissões de gases de efeito estufa aumentam”.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago