Ossos de embaixador maia mostram vida de privilégios e adversidades

Ajpach’ Waal foi o artífice de uma aliança entre duas dinastias, mas morreu na obscuridade

Vaso encontrado na tumba de Ajpach’ Waal em El Palmar, que retrata um pássaro parecido com um corvo-marinho. O homem enterrado teve momentos de glória e esquecimento na sua vida. Crédito: Kenichiro Tsukamoto

Um importante homem maia enterrado há quase 1.300 anos levou uma vida privilegiada, mas difícil. O homem, um diplomata chamado Ajpach’ Waal, sofreu de desnutrição ou doença quando criança, mas quando adulto ajudou a negociar uma aliança entre duas dinastias poderosas que acabou fracassando. A instabilidade política que se seguiu o deixou em circunstâncias econômicas difíceis, e ele provavelmente morreu em relativa obscuridade.

Durante as escavações em El Palmar, sítio no México perto das fronteiras com Belize e Guatemala, arqueólogos liderados por Kenichiro Tsukamoto, professor assistente de antropologia da Universidade da Califórnia em Riverside (EUA), descobriram uma escada adornada com hieróglifos que conduz a uma plataforma cerimonial. Quando decifrados, os hieróglifos revelaram que, em junho de 726 d.C., Ajpach’ Waal viajou e encontrou o rei de Copán, a mais de 560 quilômetros de distância, em Honduras, para forjar uma aliança com o rei de Calakmul, perto de El Palmar.

As descobertas, publicadas na revista “Latin American Antiquity”, lançam luz sobre o papel que as comunidades periféricas aos principais centros desempenharam em consolidar as conexões entre as famílias reais durante o período Clássico Tardio (600-800 d.C.), e as maneiras como elas podem sofrer quando algo destrói essas alianças.

Porta-estandarte

As inscrições identificaram Ajpach’ Waal como um lakam, ou porta-estandarte, um embaixador que carregava uma bandeira enquanto caminhava em missões diplomáticas entre as cidades. Ele herdou essa posição elevada através da linhagem de seu pai, e sua mãe também veio de uma família de elite. Ajpach’ Waal deve ter considerado essa sua realização culminante porque os hieróglifos indicam que ele não recebeu a plataforma do governante de El Palmar, mas a construiu para si mesmo alguns meses após a missão, em setembro de 726 d.C. A plataforma servia como uma espécie de palco teatral onde rituais espetaculares eram realizados para uma plateia. Apenas pessoas influentes podiam construir suas próprias plataformas.

Sob o chão de um templo próximo à plataforma, Tsukamoto descobriu o sepultamento de um esqueleto masculino em uma pequena câmara. Embora enterrado em um local que sugeria a propriedade da plataforma e do templo, ao contrário de outros cemitérios maias de elite, apenas dois potes de barro com decoração colorida – sem joias ou outros bens mortais – acompanharam esse indivíduo ao submundo.

No novo artigo, Tsukamoto e Jessica I. Cerezo-Román, professora assistente de antropologia da Universidade de Oklahoma (EUA), estudam os ossos da pessoa enterrada nessa tumba intrigante para contar sua história.

“A vida dele não foi como esperávamos com base nos hieróglifos”, disse Tsukamoto. “Muitas pessoas dizem que a elite gostava de suas vidas, mas a história geralmente é mais complexa.”

Dentes com incrustações encontrados na tumba maia: indicativos de alto status social. Crédito: Kenichiro Tsukamoto
Dentes perfurados

O homem tinha entre 35 e 50 anos quando morreu. Vários métodos de datação, incluindo radiocarbono, estratigrafia e tipologia de cerâmica, sugerem que o sepultamento ocorreu por volta de 726, quando a escada foi construída. O alto status do indivíduo combinado com a proximidade com a escada levou os autores a acreditar que esse era provavelmente o próprio Ajpach’ Waal, ou possivelmente seu pai.

Todos os seus dentes frontais superiores, do canino direito ao esquerdo, haviam sido perfurados para segurar implantes decorativos de pirita e jade. Tais adornos eram valiosos e altamente regulados. Os maias que viviam em áreas geográficas associadas às elites governantes passavam por esse doloroso procedimento durante a puberdade como um rito de passagem para marcar sua inclusão em um alto cargo ou grupo social. Ajpach’ Waal pode ter recebido tais implantes quando herdou o título de seu pai.

O crânio tinha sido ligeiramente achatado nas costas devido ao contato prolongado com algo plano durante a infância, o que os maias acreditavam tornar uma pessoa mais atraente. Como a frente do crânio não foi preservada, os arqueólogos não sabiam se a testa havia sido achatada de maneira semelhante, uma prática de embelezamento limitada à realeza.

Jogo de bola

Outros aspectos dos ossos desmentiram o privilégio demonstrado pelas modificações dentais e cranianas. Alguns de seus ossos do braço foram curados de periostite. Essa doença é causada por infecções bacterianas, trauma, escorbuto ou raquitismo, o que faria seu braço doer até que a condição melhorasse. Ambos os lados do crânio tinham áreas esponjosas ligeiramente porosas conhecidas como hiperostose porótica, causada por deficiências nutricionais ou doenças infantis. A condição é relativamente comum em sepultamentos em todo o mundo maia. Ela sugere que o alto status de Ajpach’ Waal não poderia protegê-lo da desnutrição e doenças.

Uma fratura curada em sua tíbia direita se assemelha a fraturas vistas em atletas modernos que praticam esportes de contato, como futebol, rúgbi ou futebol. Isso pode indicar que ele jogou alguns dos jogos de bola retratados na escada, reforçando a ideia de que se tratava de Ajpach’ Waal.

Muito antes de morrer, o indivíduo havia perdido muitos dentes do lado esquerdo da mandíbula devido a doença gengival. Ele pode ter tido um abscesso doloroso no pré-molar inferior direito. Isso teria restringido sua dieta a alimentos moles. Um dente incrustado havia engrossado perto da raiz em resposta ao ferimento da perfuração e pode ter doído.

Ele também desenvolveu artrite nas mãos, no cotovelo direito, no joelho esquerdo, no tornozelo esquerdo e nos pés à medida que envelhecia. Isso poderia causar rigidez e dor, especialmente pela manhã. Tsukamoto e Cerezo-Román sugerem que sua artrite pode ter sido causada por carregar uma faixa em um mastro por longas distâncias em terreno acidentado, caminhar e subir e descer escadas. Ele também teria de se ajoelhar nas plataformas dos governantes maias.

Instabilidade política

Como se essas doenças não bastassem, o destino conspirou para mudar a sorte de Ajpach’ Waal.

“O governante de uma dinastia subordinada decapitou o rei de Copán dez anos depois de sua aliança com Calakmul, que também foi derrotada por uma dinastia rival na mesma época”, disse Tsukamoto. “Vemos a instabilidade política e econômica que se seguiu a esses dois eventos no sepultamento esparso e em um dos dentes incrustados.”

Os arqueólogos determinaram que a incrustação no dente canino direito de Ajpach’ Waal havia caído e não foi substituída antes de sua morte porque a placa dentária havia endurecido em um cálculo na cavidade aberta. O buraco, facilmente visível quando o homem sorria ou falava, teria sido uma admissão pública e embaraçosa de sofrimento ou da importância reduzida de El Palmar. Isso também o teria tornado um emissário menos útil se ainda ocupasse o papel.

Embora El Palmar ainda fosse habitada por algum tempo após a morte de Ajpach’ Waal, ela acabou sendo abandonada e reconquistada pela selva.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança