Ostentação danosa: o custo ambiental de propriedades dos podres de ricos

Aviões privados, mansões e superiates estão entre os bens que dão a bilionários como Elon Musk, Jeff Bezos e Roman Abramovich uma pegada de carbono espantosamente grande

O Boeing 767 de Roman Abramovich pousa no aeroporto Ben Gurion, em Israel: mesa de jantar com 30 assentos. Crédito: Golf Bravo/Wikimedia Commons

Elon Musk, da Tesla, e Jeff Bezos, da Amazon, têm competido pela classificação de pessoa mais rica do mundo o ano todo, depois que a riqueza do primeiro disparou espantosos US$ 160 bilhões em 2020, colocando-o brevemente no primeiro lugar.

Musk não é o único a ver um aumento significativo na riqueza durante um ano de pandemia, recessão e morte. Ao todo, os bilionários do mundo viram sua riqueza aumentar mais de US$ 1,9 trilhão em 2020, de acordo com a “Forbes”.

Esses são números astronômicos e é difícil entendê-los sem algum contexto. Como antropólogos que estudam a energia e a cultura do consumo, queríamos examinar como toda essa riqueza se traduzia em consumo e a pegada de carbono resultante.

Na pele de um bilionário

Descobrimos que bilionários têm pegadas de carbono que podem ser milhares de vezes mais altas do que a média dos americanos.

Os ricos possuem iates, aviões e várias mansões, todos os quais contribuem com gases de efeito estufa para a atmosfera. Por exemplo, um superiate com uma tripulação permanente, heliporto, submarinos e piscinas emite cerca de 7.020 toneladas de CO2 por ano, de acordo com nossos cálculos, tornando-o de longe o pior ativo de se possuir do ponto de vista ambiental. Transporte e imóveis representam a maior parte da pegada de carbono da maioria das pessoas. Então, nós nos concentramos em calcular essas categorias para cada bilionário.

Eclipse, o iate de Abramovich, em foto de 2012 em Barbados, quando lançava ao mar um de seus barcos de desembarque. Pelo estudo, os superiates são o pior ativo do ponto de vista ambiental. Crédito: Pontificalibus/Wikimedia Commons

Para escolher uma amostra de bilionários, começamos com a Lista Forbes 2020 de 2.095 bilionários. Uma amostra aleatória ou representativa das pegadas de carbono dos bilionários é impossível porque a maioria das pessoas ricas evita publicidade. Então, tivemos que nos concentrar naqueles cujo consumo é de conhecimento público. Isso excluiu a maioria dos super-ricos da Ásia e do Oriente Médio.

Estimativas conservadoras

Analisamos 82 bancos de dados de registros públicos para documentar casas, veículos, aeronaves e iates de bilionários. Depois de uma busca exaustiva, começamos com 20 bilionários conhecidos, cujos bens pudemos apurar, ao mesmo tempo que tentamos incluir alguma diversidade de gênero e geografia. Enviamos nosso artigo para revisão por pares, mas planejamos continuar adicionando itens à nossa lista.

Em seguida, usamos uma ampla gama de fontes, como a Administração de Informações de Energia dos EUA e a Pegada de Carbono, para estimar as emissões anuais de CO2 de cada casa, aeronave, veículo e iate. Em alguns casos, tivemos de estimar o tamanho das casas a partir de imagens ou fotos de satélite e do uso de aeronaves e iates particulares, pesquisando na imprensa popular e recorrendo a outros estudos. Nossos resultados são baseados na análise do uso típico de cada ativo, considerando seu tamanho e tudo o mais que pudemos aprender.

Não tentamos calcular as emissões de “carbono incorporado” de cada ativo – isto é, quanto CO2 é queimado ao longo da cadeia de abastecimento na fabricação do produto – ou as emissões produzidas por suas famílias, empregados domésticos ou entorno. Também não incluímos as emissões de empresas das quais eles possuem parte ou a totalidade, porque isso teria adicionado outro grau significativo de complexidade. Por exemplo, não calculamos as emissões de Tesla ou Amazon ao calcular as pegadas de Musk ou Bezos.

Em outras palavras, essas são provavelmente estimativas conservadoras de quanto eles emitem.

Sua pegada de carbono

Para ter uma noção de perspectiva, vamos começar com a pegada de carbono da pessoa média.

Residentes dos Estados Unidos, incluindo bilionários, emitiram cerca de 15 toneladas de CO2 por pessoa em 2018. A pegada média global é menor, apenas cerca de 5 toneladas por pessoa.

Em contraste, as 20 pessoas em nossa amostra contribuíram com uma média de cerca de 8.190 toneladas de CO2 em 2018. Mas algumas produziram muito mais gases do efeito estufa do que outras.

Abramovich no estádio, em jogo de seu time, o Chelsea, em 2014. Crédito: Brian Minkoff-London Pixels/Wikimedia Commons
O bilionário do jet set

Roman Abramovich, que fez a maior parte de sua fortuna de US$ 19 bilhões negociando petróleo e gás, foi o maior poluidor de nossa lista. Fora da Rússia, ele provavelmente é mais conhecido como o dono das manchetes do Chelsea Football Club de Londres.

Abramovich cruza o Mediterrâneo em seu superiate, chamado Eclipse, que, com 162,5 metros de proa a popa, é o segundo maior do mundo, rivalizando com alguns navios de cruzeiro. E ele viaja pelo mundo em um Boeing 767 de design personalizado, que possui uma sala de jantar para 30 lugares. Ele faz viagens mais curtas em seu jato Gulfstream G650, um de seus dois helicópteros ou o submarino em seu iate.

Ele mantém casas em muitos países, incluindo uma mansão em Kensington Park Gardens, em Londres, um castelo em Cap D’Antibes, na França e uma propriedade de 28 hectares em St. Barts, no Caribe, que pertenceu a David Rockefeller. Em 2018, ele deixou o Reino Unido e se estabeleceu em Israel, onde se tornou uma pessoa com dupla cidadania e comprou uma casa em 2020 por US$ 64,5 milhões.

Estimamos que ele foi responsável por pelo menos 33.859 toneladas métricas de emissões de CO2 em 2018 – mais de dois terços de seu iate, que está sempre pronto para ser usado a qualquer momento durante o ano todo.

Bill e Melinda Gates, em foto de 2009: sua casa principal tem mais de 6 mil metros quadrados. Crédito: Kjetil Ree/Wikimedia Commons
Grandes mansões e jatos particulares

Bill Gates, atualmente a quarta pessoa mais rica do mundo, com US$ 124 bilhões, é um poluidor “modesto” – pelos padrões dos bilionários – e é típico daqueles que podem não possuir um iate gigante, mas compensá-lo com jatos particulares.

Cofundador da Microsoft, ele se aposentou em 2020 para gerenciar a Fundação Bill e Melinda Gates, a maior instituição de caridade do mundo, com uma dotação de US$ 50 bilhões.

Na década de 1990, Gates construiu Xanadu – batizado em homenagem à vasta propriedade fictícia de Cidadão Kane, de Orson Welles – a um custo de US$ 127 milhões em Medina, no estado de Washington. A casa gigante cobre 6.131 metros quadrados, com garagem para 23 carros, cinema para 20 pessoas e 24 banheiros. Ele também possui pelo menos cinco outras residências no sul da Califórnia, nas Ilhas San Juan (estado de Washington), North Salem, Nova York e na cidade de Nova York, bem como uma fazenda de cavalos , quatro jatos particulares, um hidroavião e “uma coleção” de helicópteros.

Estimamos sua pegada anual em 7.493 toneladas métricas de carbono, principalmente devido a muitos voos.

Elon Musk com um carro fabricado pela sua Tesla, em foto de 2011: o bilionário vendeu todas as suas casas em 2020. Crédito: Maurizio Pesce/Wikimedia Commons
O CEO de tecnologia que se preocupa com o meio ambiente

Elon Musk, nascido na África do Sul, CEO da Tesla Motors e da SpaceX, tem uma pegada de carbono surpreendentemente baixa, apesar de ser a segunda pessoa mais rica do mundo, com US$ 177 bilhões – e ele parece ter a intenção de dar um exemplo para outros bilionários.

Ele não tem superiate e diz que nem tira férias.

Calculamos uma pegada de carbono relativamente modesta para ele em 2018, graças às suas oito casas e a um jato particular. Este ano, sua pegada de carbono seria ainda menor porque em 2020 ele vendeu todas as suas casas e prometeu se desfazer do resto de seus bens materiais.

Embora sua pegada de carbono pessoal ainda seja centenas de vezes maior do que a de uma pessoa média, ele demonstra que os super-ricos ainda têm escolhas a fazer e podem, de fato, reduzir seu impacto ambiental se assim escolherem.

Sua pegada estimada dos ativos que examinamos era de 2.084 toneladas em 2018.

O valor de nomear e envergonhar

O objetivo de nossa pesquisa contínua é fazer as pessoas pensarem sobre o peso ambiental da riqueza.

Embora muitas pesquisas  tenham mostrado que países ricos e pessoas ricas produzem muito mais do que sua parcela de emissões de gases de efeito estufa, esses estudos podem parecer abstratos e acadêmicos, tornando mais difícil mudar esse comportamento.

Acreditamos que “envergonhar” – por falta de palavra melhor – pessoas super-ricas por seus hábitos de consumo intensivo de energia pode ter um impacto importante, revelando-as como modelos de consumo excessivo que as pessoas não deveriam imitar.

Jornais, cidades e residentes locais tiveram um impacto durante as secas da Califórnia de 2014 e 2015 por “envergonhar pela seca” celebridades e outras pessoas que estavam desperdiçando água, visto em seus gramados continuamente verdes. E os suecos criaram um novo termo – flygskam, ou vergonha por voar – para aumentar a conscientização sobre o impacto climático das viagens aéreas.

Especialistas em clima dizem que, para ter qualquer esperança de limitar o aquecimento global a 1,5 grau Celsius acima dos níveis pré-industriais, os países devem cortar suas emissões pela metade até 2030 e eliminá-las até 2050.

Pedir aos americanos comuns que adotem estilos de vida menos intensivos em carbono para atingir esse objetivo pode ser irritante e ineficaz, já que levaria cerca de 550 de suas vidas para igualar a pegada de carbono do bilionário médio em nossa lista.

 

* Richard Wilk é professor de antropologia e diretor do Open Anthropology Institute, na Universidade de Indiana (EUA); Beatriz Barros é doutoranda em antropologia na Universidade de Indiana.

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago