‘Osteoporose’ de corais é observada em recifes famosos

Na Grande Barreira de Coral e em recifes do Mar da China Meridional, a acidificação do oceano afeta a densidade do esqueleto dos corais, diminuindo silenciosamente sua força

A cientista do WHOI Anne Cohen (à esquerda) e o estudante do Programa Conjunto do MIT-WHOI Nathan Mollica extraem amostras do núcleo de um coral Porites gigante na Baía de Risong, em Palau. Crédito: Richard Brooks, Lightning Strike Media Productions, Palau

Os cientistas há muito suspeitam que a acidificação dos oceanos está afetando a capacidade dos corais de construir seus esqueletos, mas tem sido um desafio isolar seu efeito do aquecimento simultâneo das temperaturas do oceano, que também influencia o crescimento dos corais. Uma nova pesquisa da Woods Hole Oceanographic Institution (WHOI, dos Estados Unidos) revela o impacto distinto que a acidificação dos oceanos está tendo no crescimento de corais em alguns dos recifes mais marcantes do mundo.

Em artigo publicado na revista “Geophysical Research Letters”, os pesquisadores mostram uma redução significativa na densidade do esqueleto do coral ao longo de grande parte da Grande Barreira de Coral (o maior sistema de recifes de coral do mundo) e também em dois recifes no Mar da China Meridional. Eles atribuem grande parte dessa ocorrência ao aumento da acidez das águas que cercam esses recifes desde 1950.

“Esta é a primeira detecção inequívoca e atribuição do impacto da acidificação do oceano no crescimento de corais”, disse Weifu Guo, cientista do WHOI e principal autor do artigo. “Nosso estudo apresenta fortes evidências de que a acidificação dos oceanos do século 20, exacerbada por processos biogeoquímicos de recife, teve efeitos mensuráveis ​​no crescimento de uma espécie de coral construtora de recifes na Grande Barreira de Coral e no Mar do Sul da China. Esses efeitos provavelmente se acelerarão conforme a acidificação dos oceanos progride nas próximas décadas.”

LEIA TAMBÉM: Corais impressos em 3D podem ajudar na conservação de recifes

Diagnóstico pelos esqueletos

Aproximadamente um terço das emissões globais de dióxido de carbono é absorvida pelo oceano, causando um declínio médio de 0,1 unidade no pH da água do mar desde a era pré-industrial. Esse fenômeno, conhecido como acidificação dos oceanos, levou a uma redução de 20% na concentração de íons de carbonato na água do mar. Animais que dependem de carbonato de cálcio para criar seus esqueletos, como os corais, correm risco à medida que o pH do oceano continua a diminuir. A acidificação do oceano afeta a densidade do esqueleto, diminuindo silenciosamente a força do coral, assim como a osteoporose enfraquece os ossos em humanos.

“Os corais não conseguem nos dizer o que estão sentindo, mas podemos ver em seus esqueletos”, disse Anne Cohen, cientista da WHOI e coautora do estudo. “O problema é que os corais realmente precisam da força que obtêm de sua densidade, porque é isso que impede os recifes de se fragmentarem. Os efeitos combinados da temperatura, estressores locais e agora a acidificação do oceano serão devastadores para muitos recifes.”

Em sua investigação, Guo e seus coautores examinaram dados publicados coletados de esqueletos de corais Porites (uma espécie de coral de vida longa em forma de cúpula encontrada em todo o Indo-Pacífico) combinados com novas imagens tridimensionais de tomografia computadorizada de recifes de Porites no Oceano Pacífico central. Usando esses arquivos esqueléticos, que datam de 1871, 1901 e 1978, respectivamente, os pesquisadores estabeleceram o crescimento anual e a densidade dos corais. Eles inseriram essas informações, bem como dados históricos de temperatura e química da água do mar de cada recife, em um modelo para prever a resposta dos corais às constantes e variáveis ​​condições ambientais.

Efeitos combinados

Os autores descobriram que a acidificação do oceano causou um declínio significativo na densidade do esqueleto de Porites na Grande Barreira de Coral (13%) e no Mar do Sul da China (7%), começando por volta de 1950. Por outro lado, eles não encontraram nenhum impacto da acidificação do oceano nos mesmos tipos de corais nas ilhas Phoenix e no Pacífico central, onde os recifes protegidos não são tão afetados pela poluição, pela pesca excessiva e pelo escoamento oriundo da terra.

Enquanto as emissões de dióxido de carbono são o maior impulsionador da acidificação dos oceanos em escala global, os autores apontam que o esgoto e o escoamento proveniente da terra podem exacerbar o efeito, causando ainda mais reduções do pH da água do mar nos recifes próximos. Os autores atribuem o declínio da densidade do esqueleto dos corais na Grande Barreira de Coral e no Mar da China Meridional aos efeitos combinados da acidificação e do escoamento do oceano. Por outro lado, os recifes em áreas marinhas protegidas do Pacífico central foram até agora resguardados desses impactos.

“Esse método realmente abre uma nova maneira de determinar o impacto da acidificação dos oceanos nos recifes de todo o mundo”, disse Guo. “Então, podemos nos concentrar nos sistemas de recifes onde temos o potencial de mitigar os impactos locais e proteger o recife.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança