Pandemias: o que a literatura do mundo nos ensina sobre elas

De Homero a Stephen King, diversos autores se debruçaram sobre o tema da pandemia e suas consequências sobre nós, como indivíduos e coletividade

Cena do "Decameron", de Bocaccio, segundo John William Waterhouse (1916), em tela do acervo dos Museus Nacionalis de Liverpool. O clássico italiano é uma das obras que refletem sobre pandemias ao longo da história. Crédito: Wikimedia

Da Ilíada, de Homero, e do Decameron, de Boccaccio, a A Dança da Morte (“The Stand”), de Stephen King, e Severance, de Ling Ma, as histórias sobre pandemias têm – ao longo da história da literatura ocidental como ela nos chega –, em termos de catarse, maneiras de processar emoções fortes e comentários políticos sobre como os seres humanos respondem às crises de saúde pública.

A literatura tem um papel vital a desempenhar ao enquadrar nossas respostas à pandemia da Covid-19. Vale a pena recorrer a alguns desses textos para entender melhor nossas reações e como podemos mitigar o racismo, a xenofobia e o ableísmo (discriminação contra qualquer pessoa com deficiência) nas narrativas que cercam a disseminação desse coronavírus.

Variando dos clássicos aos romances contemporâneos, esta lista de literatura sobre pandemia oferece algo como um conforto incerto e um guia para o que acontece a seguir.

LEIA TAMBÉM: Isolamento por coronavírus está reduzindo o ruído sísmico da Terra

A Ilíada, de Homero, como nos lembrou a classicista de Cambridge Mary Beard, começa com a passagem de uma praga no acampamento grego de Troia para punir os gregos pela escravização de Criseis por Agamenon. O acadêmico norte-americano Daniel R. Blickman argumentou que o drama da discussão de Agamenon e Aquiles “não deveria nos cegar para o papel da praga no estabelecimento do tom do que se segue, nem, mais importante, no fornecimento de um padrão ético que se encontra próximo ao coração da história”. Em outras palavras, a Ilíada apresenta um dispositivo narrativo de desastre que resulta de um comportamento mal ponderado por parte de todos os personagens envolvidos.

O pai de Criseis tenta resgatar sua filha de Agamenon, na “Ilíada”: comportamento mal ponderado de todos os envolvidos leva ao desastre. Crédito: Geslin Collection, 1888/Wikimedia
Oportunidade de reflexão

A Covid-19 certamente agitará os sistemas econômicos e os processos institucionais arraigados, como estamos vendo com a mudança em direção à aprendizagem remota nas universidades de todo o mundo, para dar apenas um exemplo. Esses textos nos dão a oportunidade de refletir sobre como crises semelhantes foram gerenciadas anteriormente, bem como ideias sobre a forma como podemos estruturar nossas sociedades de maneira mais equitativa em suas consequências.

O Decameron (1353), de Giovanni Boccaccio, ambientado durante a peste negra, revela o papel vital da narrativa em tempos de desastre. Dez pessoas se isolaram em uma vila nos arredores de Florença por duas semanas durante a peste. No curso de seu isolamento, os personagens se revezam para contar histórias de moralidade, amor, política sexual, comércio e poder.

Nessa coleção de novelas, a narrativa funciona como um método de discutir estruturas sociais e interação durante os primeiros dias do Renascimento. As histórias oferecem aos ouvintes (e leitores de Boccaccio) maneiras pelas quais reestruturar sua vida cotidiana “normal”, que foi suspensa devido à epidemia.

Falha da autoridade em responder

A normalidade da vida cotidiana também é o foco de The Last Man (“O Último Homem”, 1826), romance apocalíptico de Mary Shelley. Situado na Grã-Bretanha futurista entre os anos 2070 e 2100, a obra – transformada em filme em 2008 – detalha a vida de Lionel Verney, que se torna o “último homem” após uma praga global devastadora.

O romance de Shelley se concentra no valor da amizade e conclui com Verney acompanhado de suas andanças por um cão pastor (um lembrete de que animais de estimação podem ser uma fonte de conforto e estabilidade em tempos de crise). O romance é particularmente contundente sobre o tema das respostas institucionais à praga. Ele satiriza o utopismo revolucionário e os combates que eclodem entre os grupos sobreviventes, antes que eles também sucumbam.

O conto de Edgar Allan Poe The Masque of the Red Death (“A Máscara da Morte Rubra”, 1842) também descreve as falhas das figuras de autoridade em responder adequada e humanamente a esse desastre. A Morte Vermelha causa sangramento fatal dos poros. Em resposta, o príncipe Próspero reúne mil cortesãos em uma abadia isolada, mas luxuosa, fecha os portões e oferece um baile de máscaras:

“O mundo externo que cuidasse de si mesmo. Nesse meio-tempo era tolice atormentar-se ou pensar nisso. O príncipe havia providenciado toda a espécie de divertimentos.”

Poe detalha as suntuosas festividades, concluindo com a chegada incorpórea da Morte Rubra como um convidado humano no baile. A praga personificada tira a vida do príncipe e depois a de seus cortesãos:

“E um a um foram caindo os foliões pelas salas orvalhadas de sangue, e cada um morreu na mesma posição de desespero em que tombou ao chão.”

Ilustração de Arthur Rackham para o conto “A Máscara da Morte Rubra”, de Edgar Allan Poe. Crédito: A. Rackham/Wikimedia
Literatura moderna e contemporânea

No século 20, A Peste (1942), de Albert Camus, e A Dança da Morte (1978), de Stephen King, trouxeram a atenção dos leitores para as implicações sociais das pandemias semelhantes à peste – particularmente o isolamento e as falhas do Estado em conter a doença ou moderar a pânico resultante dela. O autoisolamento no romance de Camus cria uma consciência ansiosa do valor do contato e das relações humanas nos cidadãos da cidade argelina de Orã, atingida pela praga:

“Essa privação drástica e clara e nossa completa ignorância do que o futuro reservava nos levaram de surpresa; não conseguimos reagir contra o apelo mudo das presenças, ainda tão próximas e já tão distantes, que nos assombraram o dia inteiro.”

Em A Dança da Morte, um supervírus de influenza criado por engenharia biológica, chamado “Project Blue”, vaza de uma base militar americana. O pandemônio vem em seguida. Stephen King declarou recentemente no Twitter que a Covid-19 certamente não é tão séria quanto sua pandemia de ficção, instando o público a tomar precauções razoáveis.

Da mesma forma, em seu romance Fever, de 2016, o autor sul-africano Deon Meyer detalha as consequências apocalípticas de um vírus criado com engenharia biológica que resulta em enclaves de sobreviventes sitiando uns aos outros por recursos.

Em Severance (2018), Ling Ma fornece uma visão contemporânea do romance de zumbis, pois a fictícia “Shen Fever” torna as pessoas autômatos repetitivos até elas morrerem. Em uma metáfora mal disfarçada para a peça na engrenagem capitalista, a protagonista Candace se desloca diariamente para seu local de trabalho em uma Nova York do futuro que está lentamente desmoronando. Ela finalmente se junta a um grupo de sobreviventes, assimilando cultural e moralmente suas atitudes violentas em relação aos zumbis, “incorporando a atomização de humanos capitalistas tardios em uma sociedade desossada”, como sugere a resenhista Jiayang Fang na revista “The New Yorker”.

Para alguns, o fim já chegou

Considere também que “futurismos indígenas” – um termo cunhado pela teórica de estudos culturais e raciais da First Nations do Canadá, Grace L. Dillon, para se referir a ficções especulativas de povos indígenas e autores como as séries Broken Earth, de N.K. Jemisin, Terra Nullius, de Claire G. Coleman, e o conto Inventário, de Carmen Maria Machado – há muito que tratam o colonialismo e as doenças disseminadas pelos colonizadores como a fonte do que atualmente é vivenciado como um apocalipse em andamento. Para muitas pessoas em lugares anteriormente colonizados, o apocalipse já chegou – as pandemias (literais e metafóricas) já destruíram suas populações.

A catarse que alguns dos textos acima mencionados podem oferecer é perturbada pelas realidades das condições de pandemia e apocalipse descritas em muita ficção pelos povos indígenas. Se usarmos nossos próprios períodos futuros de autoisolamento para teorizar estruturas sociais alternativas, para contar um ao outro histórias sobre como vivemos, que histórias poderíamos contar?

 

* Chelsea Haith é aluna de doutorado em Literatura Inglesa Contemporânea na Universidade de Oxford Reino Unido

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.