• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência06/07/2022

Pântano era armadilha mortal para sapos que estavam acasalando

Vista da região de Geiseltal, hoje uma área de recreação: há 45 milhões de anos, um pântano se estendia por lá e foi o local de morte de mais de 50 mil animais. Crédito: Marian Szengel/Wikimedia Commons

06/07/22 - 10h39min

Paleontólogos da University College Cork (UCC, na Irlanda) descobriram por que centenas de sapos morreram em um antigo pântano há 45 milhões de anos: a morte aconteceu durante o acasalamento. A pesquisa que aborda o assunto foi publicada na revista Papers in Paleontology.

A armadilha da morte aquática na área de Geiseltal, no centro da Alemanha, matou mais de 50 mil animais antigos, incluindo pássaros, cavalos, morcegos, peixes e centenas de sapos. Por causa de suas características geológicas únicas e milhares de fósseis, o antigo campo de carvão de Geiseltal, na região de Saxônia-Anhalt, é considerado um tesouro científico, fornecendo uma janela única de como as plantas e os animais da Terra evoluíram ao longo de milhões de anos.

Quase 50 milhões de anos atrás, no Eoceno médio, a Terra era muito mais quente, e a área de Geiseltal era uma floresta subtropical pantanosa cujos habitantes incluíam ancestrais do cavalo, grandes crocodilos, cobras gigantes, lagartos, pássaros terrestres e muitos anuros (rãs e sapos).

Processo de eliminação

Estudos anteriores sugeriram que os sapos de Geiseltal morreram durante a dessecação de lagos e/ou esgotamento de oxigênio na água. Mas exatamente o que matou essas criaturas vinha sendo um mistério – até agora.

Ao estudar os fósseis de ossos dos sapos, a equipe da UCC conseguiu diminuir as opções. “Até onde podemos dizer, os sapos fósseis estavam saudáveis ​​quando morreram, e os ossos não mostram sinais de predadores ou carniceiros – também não há evidências de que eles foram levados durante as inundações ou morreram porque o pântano secou”, disse o pesquisador da UCC e líder do estudo Daniel Falk. Além disso, em sua maioria os sapos fósseis de Geiseltal são espécies que passam a vida em terra, retornando à água apenas para se reproduzir. “Por um processo de eliminação, a única explicação que faz sentido é que eles morreram durante o acasalamento.”

Este fenômeno é comum em sapos hoje. “As rãs fêmeas correm maior risco de se afogar, pois muitas vezes são submersas por um ou mais machos – isso geralmente acontece em espécies que se envolvem em congregações de acasalamento durante a curta e explosiva temporada de reprodução”, disse a autora sênior Maria McNamara. “O que é realmente interessante é que os fósseis de sapos de outros locais também mostram essas características. Isso sugere que os comportamentos de acasalamento dos sapos modernos são realmente bastante antigos e existem há pelo menos 45 milhões de anos”.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


acasalamento