Pela primeira vez astrônomos detectam oxigênio molecular fora da Via Láctea

Uma ótima notícia para quem crê que a vida como conhecemos não é uma exclusividade terrestre. Pela primeira vez, os astrônomos descobriram oxigênio molecular – sim, esse mesmo que precisamos para respirar – em uma galáxia fora da Via Láctea.

O oxigênio é o terceiro elemento mais comum no Cosmos. Só perde para hidrogênio e hélio. Os astrônomos pensaram que o oxigênio molecular (O2) seria comum no espaço entre as estrelas. Mas, apesar de várias pesquisas realizadas, ninguém havia visto oxigênio molecular além da nossa galáxia. Até agora.

Junzhi Wang, astrônomo do Observatório Astronômico de Xangai, na China, e seus colegas descobriram a molécula em uma galáxia chamada Markarian 231. A 560 milhões de anos-luz de distância na constelação da Ursa Maior, Markarian 231 é a galáxia mais próxima da Terra que contém um quasar, onde o gás gira em torno de um buraco negro supermassivo e fica tão quente que brilha de maneira intensa.

Usando radiotelescópios na Espanha e na França, os astrônomos viram radiação no comprimento de onda de 2,52 milímetros, uma assinatura da presença de oxigênio molecular, informou a equipe no Astrophysical Journal de 1º de fevereiro. “Esta é a primeira detecção de O2 em um objeto extragalático”, diz Wang.

É também o oxigênio mais molecular já visto fora do Sistema Solar. Anteriormente, os astrônomos haviam visto a molécula em apenas duas nuvens formadoras de estrelas dentro da Via Láctea, a nebulosa de Orion e a nuvem Rho Ophiuchi (SN: 1/28/20).

Os astrônomos pensam que a escassez de O2 interestelar se deve a átomos de oxigênio e moléculas de água congelando nos grãos de poeira, bloqueando o oxigênio. Nesses viveiros estelares, porém, choques de estrelas recém-nascidas brilhantes podem arrancar o gelo da poeira, liberando átomos de oxigênio para se encontrarem e formar moléculas.

Mas, mesmo na nebulosa de Orion, o oxigênio molecular é raro, com as moléculas de hidrogênio superando as de oxigênio em um milhão para um. O hidrogênio também domina em Markarian 231. Mas o oxigênio molecular abrange os arredores do disco galáctico em abundância mais de 100 vezes maior do que na nebulosa de Orion.
Isso é “muito alto”, diz Gary Melnick, astrofísico do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian em Cambridge, Massachusetts, que não participou do trabalho. “Não há explicação conhecida para uma abundância de oxigênio molecular tão alto.”

Para confirmar que a radiação realmente surge do O2, Melnick diz que os observadores devem procurar um segundo comprimento de onda da molécula. Isso não será fácil, diz Wang, porque outras moléculas também emitem radiação nesses comprimentos de onda.

Para apoiar o caso do O2, os cientistas examinaram as muitas moléculas que emitem comprimentos de onda semelhantes ao detectado e descobriram que ninguém jamais viu nenhuma dessas moléculas no espaço – exceto o O2. “É culpa pela eliminação, se você preferir”, diz o membro da equipe Paul Goldsmith, astrônomo do Jet Propulsion Laboratory em Pasadena, Califórnia.

Uma explicação possível para todo o O2 é que o Markarian 231 é uma prolífica fábrica estelar, gerando novas estrelas 100 vezes mais rápido que a Via Láctea e expelindo 700 massas solares de gás por ano.

O gás de alta velocidade do centro da galáxia pode se transformar em gás no disco, sacudindo o gelo da água dos grãos de poeira para que o oxigênio molecular possa se formar.

Por sua vez, esse oxigênio pode manter a galáxia hiperativa: a radiação emitida pela molécula ajuda a resfriar o gás, de modo que parte dele pode entrar em colapso e criar ainda mais novas estrelas na galáxia.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança