Pensamento conspiratório: um bode expiatório é sempre útil

A existência de um grupo antagônico visto com desconfiança e desprezo profundos muitas vezes fornece um bode expiatório conveniente durante convulsões sociais como uma pandemia, um ataque terrorista ou uma eleição perdida

Manifestantes pró-Trump preparam-se para invadir o Capitólio em 6 de janeiro: crença de que as eleições presidenciais haviam sido fraudadas. Crédito: TapTheForwardAssist/Wikimedia Commons

Quando uma multidão de apoiadores indignados de Donald Trump – que era então presidente dos Estados Unidos – invadiu o prédio do Capitólio em Washington em 6 de janeiro de 2021, eles foram motivados pela crença conspiratória de que as eleições presidenciais do país haviam sido roubadas deles.

Na Holanda, medidas restritivas – particularmente a implementação de um toque de recolher – para combater a pandemia de covid-19 geraram protestos violentos em janeiro de 2021, que incluíram motins e destruição de propriedades em todo o país. Muitos desses manifestantes endossam crenças conspiratórias presumindo que o governo tem motivos nefastos, como exagerar os perigos do coronavírus para reprimir as pessoas ou impor vacinações forçadas com substâncias misteriosas que facilitam o controle da mente.

Sentimentos de angústia

Qual o papel que as teorias da conspiração desempenham na polarização e radicalização? Uma descoberta de pesquisa frequentemente citada é que as situações de crise social desencadeiam um aumento do pensamento conspiratório entre cidadãos que de outra forma atuam bem, que não mostram nenhum sinal de patologia.

Quando as pessoas experimentam sentimentos de angústia – como incerteza sobre o futuro, falta de controle ou ansiedade –, sua resposta natural é aumentar seus esforços mentais para dar sentido e, portanto, compreender seu ambiente físico e social. Essa resposta teve valor de sobrevivência em nossa história evolutiva, pois uma motivação para compreender a natureza e as origens dos estímulos ameaçadores aumenta a capacidade das pessoas de antecipar efetivamente tais ameaças.

Mas, embora esse processo seja parte do quebra-cabeça, também não basta para explicar completamente o pensamento da conspiração. Situações de crise social não levam indiscriminadamente ao pensamento de conspiração. Quando os ataques terroristas de 11 de Setembro aconteceram em Nova York em setembro de 2001, certamente muitos cidadãos acreditavam em teorias da conspiração de que o evento era um trabalho interno do governo dos Estados Unidos. Muitos outros cidadãos apoiaram firmemente o presidente Bush – que, na época, teve os maiores índices de aprovação já registrados para um presidente dos Estados Unidos.

Um grupo hostil identificável

E embora o número surpreendentemente grande de cidadãos que acreditam nas teorias da conspiração da covid-19 seja motivo de preocupação – por exemplo, em maio de 2020, 26% dos cidadãos canadenses e 39% dos cidadãos australianos acreditava que o coronavírus era uma arma biológica projetada em um laboratório –, um número ainda maior de cidadãos não acredita nessas teorias da conspiração.

Pelo menos um fator adicional que é necessário para o aumento do pensamento conspiratório se estabelecer é a existência de um grupo externo antagônico – um grupo social no qual aquele que percebe desconfia e despreza profundamente. Esse grupo fornece um bode expiatório conveniente que permite uma maneira fácil e direta de entender uma situação de crise social, como uma pandemia, um ataque terrorista ou uma eleição perdida. Toda a situação foi deliberadamente causada por “eles”; uma conspiração malévola e criminosa desse grupo maligno. De certa forma, a existência de tal bode expiatório pode até ser reconfortante. É difícil se preparar e se defender contra a má sorte (ou um inimigo invisível como um vírus), mas pode-se preparar e se defender contra um grupo hostil claramente identificável.

Pode-se objetar que os cidadãos frequentemente endossam teorias de conspiração sobre seu próprio governo – os líderes de sua própria nação e, portanto, parte de seu próprio grupo. A maneira como as pessoas categorizam outras em grupos sociais é subjetiva, entretanto, e possível em vários níveis de análise. Em seu próprio país, os cidadãos tendem a perceber diferentes subgrupos – com base na etnia, filiação a um time de futebol, cidade de residência e assim por diante – e não se identificam com todos eles. O próprio governo é indiscutivelmente um desses subgrupos, e os cidadãos não se sentem necessariamente representados por ele.

Mais fácil de apontar o dedo

A combinação de situações de crise social e grupos externos antagônicos ajuda a explicar as teorias da conspiração e sua relação com a polarização ao longo da história. Durante a pandemia de gripe espanhola de 1918, uma teoria conspiratória comum no Reino Unido e nos Estados Unidos era que o vírus da gripe era uma arma biológica, deliberadamente projetada para matar pessoas. Os cidadãos acreditavam especificamente que essa “arma biológica” foi projetada pelos alemães – seu grupo inimigo na Primeira Guerra Mundial.

Além disso, o antissemitismo se espalhou ao longo dos séculos e, consequentemente, também o foram as teorias da conspiração judaica. Uma teoria da conspiração comum na Alemanha nazista era que o povo judeu havia causado a derrota alemã na Primeira Guerra Mundial. Além disso, Hitler acreditava em uma conspiração judaica para dominar o mundo e culpava o povo judeu tanto pelo capitalismo quanto pelo comunismo.

As teorias da conspiração são particularmente prováveis ​​quando as situações de crise e grupos externos antagônicos co-ocorrem. Explicar uma situação de crise complexa se torna mais fácil quando há alguém para culpar. As pessoas começam a apontar o dedo para diferentes grupos – às vezes suspeitando dos próprios grupos que são extremamente necessários para resolver uma crise. Por exemplo, muitas teorias da conspiração da covid-19 acusam as empresas farmacêuticas de não serem transparentes sobre os verdadeiros ingredientes ou efeitos colaterais das vacinas contra o coronavírus.

Uma ameaça à democracia

Mas, curiosamente, também sem situações de crise, as pessoas às vezes acusam outros grupos de conspiração. Os pousos da Apollo na Lua, por exemplo, não foram uma situação de crise. Eles foram um testemunho das realizações humanas, coragem e progresso científico. No entanto, esse foi um evento social marcante e impactante que muitas pessoas procuraram entender. Os pousos na Lua, portanto, estimularam muitas teorias da conspiração entre pessoas que tinham uma desconfiança arraigada no governo dos EUA ou na Nasa. Mesmo até hoje, um número considerável de pessoas acredita que eles foram encenados em um estúdio de TV. Em uma pesquisa de 2019, 11% dos cidadãos norte-americanos acreditavam que os pousos na Lua eram falsos.

Esses exemplos variados iluminam as relações entre teorias da conspiração, polarização e radicalização. Quando as pessoas se polarizam, não apenas suas próprias crenças sobre questões sociais urgentes – como a pandemia de covid-19, imigração, mudança climática e assim por diante – ficam mais fortemente arraigadas, mas também elas veem distinções mais nítidas em grupos de pessoas que possuem crenças diferentes sobre essas questões.

Ação legitimada

As teorias da conspiração fornecem uma narrativa que demoniza esses outros grupos ao atribuir intenções malignas, ação criminosa e destruição a eles. Consequentemente, elas transformam outros grupos em “inimigos”, fazendo com que a ação radical contra eles pareça legítima.

Por exemplo, muitos dos manifestantes anti-lockdown holandeses provavelmente acreditavam que estavam se levantando contra um governo mal-intencionado que tentou restringir a liberdade dos cidadãos. Em suas mentes, os fins justificavam os meios, e a violência era a única opção restante para resistir a seu poderoso inimigo.

De fato, no curto prazo, suas teorias de conspiração podem ter feito os desordeiros se sentirem especiais e importantes. Como um seleto grupo de cidadãos que acreditavam realmente compreender a perigosa enganação de seu governo, eles estavam dispostos a lutar contra ela.

Esses eventos enfatizam os perigos do pensamento conspiratório, tanto para a sociedade quanto para os próprios observadores. Alimentando a polarização, as teorias da conspiração podem estimular ações radicais e minar as instituições democráticas que foram projetadas para ajudar e proteger esses cidadãos.

LEIA TAMBÉM:

The health crisis: Fertile ground for disinformation, The UNESCO Courier, julho-setembro 2020.

Stop the catastrophist discourse!, The UNESCO Courier, abril-junho 2018.

* Jan-Willem van Prooijen é professor associado do departamento de Psicologia Experimental e Aplicada da Universidade Livre de Amsterdã (Holanda) e pesquisador sênior do Instituto Holandês para o Estudo do Crime e da Aplicação da Lei (NSCR).

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago