Perturbador ritual viking pode mesmo ter acontecido, dizem pesquisadores

Relatos da “águia de sangue” foram postos em dúvida há muito tempo, e descrições da técnica passaram agora por avaliações feitas por meio de softwares de anatomia de última geração

Cena da pedra Stora Hammars I (Suécia) que mostra um homem deitado de bruços com outro homem usando uma arma nas costas, no ritual da águia de sangue. O símbolo triangular de Valknut, acima, teoricamente representa um estado de êxtase. Crédito: Wikimedia Commons

Por décadas, historiadores têm debatido se um infame e violento ritual de tortura viking realmente aconteceu, ou se foi uma história mal compreendida ou enfeitada através da poesia ao longo dos séculos.

O ritual da águia de sangue tem sido destacado ao longo da história como um exemplo de brutalidade e crueldade viking, nos poemas épicos e sagas passados ​​desde a Idade Média e, mais recentemente, na cultura popular com foco nas histórias do Norte medieval, em que ele aparece no programa de TV Vikings e no recente videogame Assassin’s Creed: Valhalla.

Diz-se que o ritual envolvia separar as costelas da vítima de sua coluna para simbolizar as asas de uma águia e pendurar seus pulmões nas feridas enquanto ainda estavam vivas. Mas os estudiosos debateram a autenticidade dessa história selvagem por décadas, e se ela realmente teria acontecido.

Programa de última geração

Agora, uma equipe de pesquisadores da Islândia e do Reino Unido publicou um estudo na revista Speculum que investigou se era mesmo possível que o ritual fosse realizado conforme descrito, o que poderia apoiar qualquer discussão sobre se é provável que ele tenha acontecido ou não.

Trabalhando com o historiador dos vikings dr. Luke John Murphy, da Universidade da Islândia, o coautor dr. Monte Gates, a drª Heidi Fuller e o professor Peter Willan, da Universidade de Keele (Reino Unido), conduziram simulações usando software de anatomia de última geração combinado com reavaliação de histórias e relatos históricos de como o ritual era realizado e uma nova análise de como a sociedade nórdica medieval usava o comportamento violento.

Segundo a análise deles, a águia de sangue poderia muito bem ter sido realizada conforme descrito nas primeiras histórias medievais. Embora a equipe não possa dizer definitivamente se o ritual provavelmente foi realizado, sua análise revela que é anatomicamente possível, embora provavelmente resultasse na morte da vítima no início do processo. Sua reanálise do contexto cultural em que o ritual teria ocorrido demonstrou que, embora extrema, a águia de sangue não parece violar os costumes sociais em torno da violência ritual.

Garantia de status social

Suas descobertas fornecem uma contribuição importante para o estudo da sociedade medieval inicial, pois eles também argumentam que qualquer ritual teria desempenhado um papel importante na cultura viking, particularmente para garantir o status social do responsável pelo ritual após uma “morte ruim” de um parente do sexo masculino pelas mãos da vítima do ritual.

O coautor principal dr. Luke John Murphy disse: “Trabalhar com os anatomistas neste projeto foi fascinante. Eles forneceram uma perspectiva totalmente nova sobre algumas questões muito antigas e nos levou a abordar a águia de sangue de uma nova maneira, que produziu todos os tipos de resultados empolgantes”.

Outro coautor principal, dr. Monte Gates, acrescentou: “O etos interdisciplinar do trabalho nos permitiu não apenas olhar para a águia de sangue pela perspectiva de um anatomista de ‘como?’, mas também pela perspectiva sociocultural de ‘por quê?’”

Veja também
+ Jovem grava momento em que mulher morre sem saber que se tratava de sua mãe
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago