Pescadores encontram lagosta azul em Maragogi, Alagoas

Lagosta azul é raríssima, mas pescador diz já ter encontrado "três ou quatro"

Lagosta azul encontrada em Maragogi, Alagoas / Foto: José Ricardo - acervo pessoal
Lagosta azul encontrada em Maragogi, Alagoas / Foto: José Ricardo - acervo pessoal

“Isso existe mesmo?”. Foi a reação do pescador Henrique quando viu uma lagosta azul presa nas malhas de uma rede de pesca.

Henrique e os pescadores José Ricardo e Edgar pescaram a lagosta no dia 14 de abril, com uma rede em alto-mar. Mas a curiosidade só começou a se tornar pública pro causa de uma aposta entre amigos, que achavam que o crustáceo azul era história de pescador. A foto foi parar no site “Maragogi News” e começou a viralizar na internet.

O pescador José Ricardo, 44 anos, disse ao site que não foi a primeira vez que pescou uma lagosta azul. “Já é a terceira ou quarta.”, afirmou. Foi seu filho, Gustavo Felipe, de 12 anos, quem fotografou o bicho. O menino afirmou que duvidaram da veracidade da cor do crustáceo e até ofereceram dinheiro pelo animal, mas que ele jogou a lagosta de volta para o mar.

Segundo José Ricardo, o espécime era um macho, adulto, de cerca de 200g.

A lagosta azul (palinurus echinatus) é um crustáceo raro. Segundo especialistas consultados pelo Uol, não há registros científicos da espécie no Brasil. De acordo com Cláudio Sampaio, professor da Universidade Federal de Alagoas, as lagostas azuis das quais os pesquisadores têm conhecimento são de espécies, que não existem no Brasil, são lagostas do Atlântico Norte.