Pesquisa mostra que coronavírus pode ficar ativo por até 28 dias na tela do celular

É preciso manter higiene. Foto: Pixabay

Uma pesquisa feita pela agência científica australiana CSIRO mostrou que o coronavírus pode permanecer ativo por 28 dias na tela de aparelhos celulares e em cédulas de dinheiro. O estudo foi feito com amostras que foram testadas no escuro e a 20 graus e, de acordo com o experimento, o período em que o coronavírus “sobreviveu” representa 11 dias a mais do que o vírus da gripe.

Mesmo assim, não é preciso pânico. Afinal, situações do cotidiano podem criar condições que eliminem o coronavírus. Por exemplo, acredita-se que a luz ultravioleta tenha a capacidade de matá-lo. Além disso, em temperaturas acima de 30 graus, o período de atividade dele é bem menor, chegando a apenas sete dias.

Ainda assim, como os estudos são iniciais, é recomendável todo o cuidado em relação à superfícies. Principalmente, quando temos contato manual com os objetos. Em entrevista à BBC, o professor Ron Eccles, ex-diretor do Common Cold Center da Universidade Cardiff, disse que a nova pesquisa pode parecer alarmista, mas que não existe motivo para pânico. O importante é sempre manter as mãos e superfícies higienizadas.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança

COMPARTILHAR