Pesquisadores analisam o (complexo) interior de lua de Saturno

Características químicas do oceano de Encélado são favoráveis à existência de vida microbiana

Encélado: possibilidade de vida microscópica no interior oceânico da lua. Crédito: Nasa/JPL-Caltech

Uma equipe do Southwest Research Institute (SwRI), de San Antonio, no Texas, desenvolveu um novo modelo geoquímico que revela que o dióxido de carbono (CO2) do interior de Encélado, um satélite oceânico de Saturno, pode ser controlado por reações químicas no fundo do mar. Estudar a pluma de gases e a pulverização congelada do mar liberada através de rachaduras na superfície gelada da lua sugere um interior mais complexo do que se pensava anteriormente.

O novo estudo foi publicado na revista “Geophysical Research Letters”.

“Ao entender a composição da pluma, podemos aprender sobre como é o oceano, como ele ficou assim e se ele fornece ambientes onde a vida como a que conhecemos poderia sobreviver”, disse Christopher Glein, principal autor do artigo publicado. “Criamos uma nova técnica para analisar a composição da pluma a fim de estimar a concentração de CO2 dissolvido no oceano. Isso permitiu que a modelagem sondasse processos internos mais profundos.”

LEIA TAMBÉM: Encélado, uma das luas de Saturno, tem oceanos adequados para a vida

A análise dos dados de espectrometria de massa da sonda Cassini, da Nasa, indica que a abundância de CO2 é melhor explicada por reações geoquímicas entre o núcleo rochoso da lua e a água líquida do oceano subterrâneo. Integrar essa informação com as descobertas anteriores de sílica e de hidrogênio molecular (H2) aponta para um núcleo mais complexo, geoquimicamente diversificado.

Fontes hidrotermais

“Com base em nossas descobertas, Encélado parece demonstrar um enorme experimento de sequestro de carbono”, disse Glein. “Na Terra, os cientistas climáticos estão explorando se um processo semelhante pode ser utilizado para mitigar as emissões industriais de CO2. Usando dois conjuntos de dados diferentes, derivamos faixas de concentração de CO2 que são intrigantemente semelhantes ao que seria esperado da dissolução e formação de certas misturas de minerais contendo silício e carbono no fundo do mar.”

Outro fenômeno que contribui para essa complexidade é a provável presença de fontes hidrotermais no interior de Encélado. No fundo do oceano na Terra, as fontes hidrotermais emitem fluidos quentes, ricos em energia e carregados de minerais que permitem que ecossistemas únicos cheios de criaturas incomuns prosperem.

“A interface dinâmica de um núcleo complexo e da água do mar pode potencialmente criar fontes de energia capazes de sustentar a vida”, disse Hunter Waite, do SwRI, pesquisador principal do Espectrômetro de Massa Neutro de Íons da Cassini (INMS). “Embora não tenhamos encontrado evidências da presença de vida microbiana no oceano de Encélado, a crescente evidência de desequilíbrio químico oferece uma dica tentadora de que condições habitáveis ​​poderiam existir sob a crosta gelada da lua.”