Pesquisadores brasileiros desenvolvem plástico antivírus

Plástico adesivo é capaz de inativar 99,8% das partículas do novo coronavírus em dois minutos

Plástico adesivo da Nanox: utilização no revestimento de maçanetas, corrimãos, botões de elevadores e telas sensíveis ao toque. Crédito: Nanox/Divulgação

Pesquisadores da empresa paulista Nanox desenvolveram um plástico adesivo capaz de inativar 99,8% das partículas do novo coronavírus em dois minutos. O material possui micropartículas de prata e sílica incorporadas à sua estrutura.

A ideia é que o plástico adesivo seja usado para revestir maçanetas, corrimãos, botões de elevadores e telas sensíveis ao toque.

LEIA TAMBÉM: Empresa paulista desenvolve tecido que elimina coronavírus por contato

Esse é o segundo material plástico com ação antiviral da Nanox que chega ao mercado. A empresa paulista já havia desenvolvido uma máscara reutilizável, feita com um plástico flexível à base de sílica e prata.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança