• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia04/08/2022

Pesquisadores confirmam: cabeça encolhida de museu é autêntica

Tsantsa que passou por microtomografia computadorizada. Crédito: Andrew Nelson

04/08/22 - 12h43min

Pesquisadores da Western Ontario University (Canadá) verificaram a autenticidade de uma tsantsa sul-americana (cabeça encolhida) como restos humanos, um passo importante no esforço global para a descolonização e preservação e compreensão da história indígena.

Suas descobertas foram apresentadas em artigo publicado na revista PLOS ONE.

+ Cabeça de múmia egípcia é encontrada em sótão de casa inglesa
+ Enigma: as múmias de papagaios e araras do deserto do Atacama
+ Descoberta múmia de pelo menos 800 anos no Peru

Usando tomografia computadorizada clínica (TC) e microtomografias de alta resolução, os pesquisadores conseguiram determinar que a tsantsa atualmente mantida na coleção do Museu Chatham-Kent em Chatham, na província canadense de Ontário, é de fato composta de restos humanos reais e não uma falsificação feita de partes do corpo de animais ou outras alternativas frequentemente usadas em reproduções comerciais.

Esse é o passo inicial na determinação da autenticidade deste assunto.

A tomografia computadorizada produz imagens bidimensionais de uma “fatia” de um corpo ou parte do corpo, que são então coletadas e colocadas em camadas para construir imagens tridimensionais.

“Essa técnica realmente redefine a arqueologia porque, tradicionalmente, a arqueologia pode ser agressivamente destrutiva”, disse Lauren September Poeta, pesquisadora associada do projeto no Escritório de Iniciativas Indígenas da Western Ontario University.

“A arqueologia digital, incluindo a tomografia computadorizada, fornece uma dimensão totalmente nova de validade e atualiza o campo, tornando-o muito menos invasivo.”

Autenticação de tsantsas

Essa nova abordagem de digitalização é um primeiro passo significativo na autenticação de tsantsas à medida que a comunidade global muda sua mentalidade para a repatriação liderada por indígenas de restos humanos, arte e artefatos arqueológicos atualmente mantidos em coleções públicas e privadas em todo o mundo.

A tsantsa examinada para o estudo foi doada ao museu na década de 1940 pela família Sulman, depois de ter sido comprada em um passeio pela bacia amazônica. O registro original de adesão lista as tsantsas como provenientes de “índios peruanos” na América do Sul e nada mais, o que não é incomum.


+ Globo confirma retorno de Tiago Leifert; confira cargo e salário
+ “Superterra” é encontrada a apenas 37 anos-luz do nosso planeta
+ Hyundai inicia as vendas do novo HB20 com promoção; veja os preços

As tsantsas já foram reconhecidas como uma rica representação de informações sobre história, cultura, rituais e identidade.

Agora que esta tsantsa foi verificada, pesquisadores da Universidad San Francisco de Quito (Equador), parceiros acadêmicos no estudo, podem trabalhar em conjunto com representantes dos povos shuar e achuar, do Equador e do norte do Peru, para os próximos passos.

“Para este estudo, a autenticação foi realmente o foco. Precisamos entender melhor todo o processo de construção da tsantsa porque as fontes etno-históricas variam bastante”, afirmou Andrew Nelson, presidente do departamento de antropologia da Western Ontario University.

Alma aprisionada

Muitas fontes etno-históricas sugerem que as tsantsas foram criadas para prender a alma dentro dos restos mortais enquanto os olhos e a boca eram costurados.

Ao encolher a cabeça de um inimigo caído, acreditava-se que o vitorioso aproveitava seu espírito para a servidão e impedia que a alma vingasse a morte do inimigo.

“As tsantsas são uma representação muito boa da história indígena na América do Sul, mas também o legado comercial de cabeças encolhidas destaca as redes coloniais em todo o mundo”, disse Poeta. “Poder fazer parceria com pesquisadores locais no Equador para este estudo e conectar-se com os povos shuar e achuar nos ajuda a trabalhar para a descolonização.”

Embora Poeta, Nelson e seus colaboradores tenham obtido evidências conclusivas de que a tsantsa é constituída de restos humanos, eles não conseguiram determinar se o objetivo do encolhimento da cabeça era cerimonial ou comercial.

Novos exames

Poeta observou que a equipe sabia que estava de fato estudando restos humanos ao examinar os olhos e ouvidos usando microtomografias de alta resolução. Para Nelson, era o cabelo. “Você pode ver as camadas individuais da pele na tomografia clínica, mas na microtomografia pode realmente ver os folículos individuais, e fica muito claro o que está acontecendo”, disse Nelson.

Os pontos usados ​​para fechar as incisões, assim como os olhos e os lábios, também só podem ser examinados criticamente usando uma microtomografia computadorizada. “Se materiais de videira fossem usados ​​para selar os olhos e os lábios, provavelmente se identificaria a tsantsa como cerimonial, mas se um fio mais moderno e mais barato fosse usado, seria mais indicativo de interesses comerciais quando estava sendo feito”, disse Poeta.

Os pesquisadores não saberão com certeza os detalhes e o propósito final da construção de cada cabeça encolhida até que mais tsantsas – aquelas que são garantidas como cerimoniais e aquelas esperadas como falsas – sejam examinadas. “Sempre trabalhamos de forma respeitosa e intencional com os sujeitos de nossa pesquisa e esperamos trabalhar com nossos colegas equatorianos, incluindo os shuar e achuar, para orientar qualquer trabalho futuro”, disse Poeta.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


América do Sul