Pesquisadores criam ‘cabelos’ artificiais com truque de física

Novidade poderá ser aplicada na produção de plásticos, vidros, metais e materiais inteligentes

Pesquisadores descobriram que podiam girar polímeros elásticos líquidos em um disco para produzir tipos de formas complexas de cabelo, necessários para criar superfícies biomiméticas. Crédito: P.-T. Brun

Pesquisadores da Universidade de Princeton (EUA) descobriram que podiam revestir um líquido elástico na parte externa de um disco e girá-lo para formar padrões complexos e úteis. Quando os discos são girados da maneira certa, pequenas hastes finas se erguem do material à medida que ele seca. As hastes crescem conforme o disco acelera, formando um sólido macio que lembra cabelos.

Inspirado em projetos biológicos e racionalizado com precisão matemática, o novo método poderia ser utilizado em escala industrial para a produção de plásticos, vidros, metais e materiais inteligentes.

As descobertas foram publicadas na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)”.

Grande mudança

A técnica usada se baseia em física bastante simples, mas transforma um antigo conjunto de problemas de engenharia em uma nova solução de manufatura. A simplicidade do método, mais barato e sofisticado do que os moldes convencionais, surge como parte de uma grande mudança em direção à manufatura aditiva.

Ele também promete desempenhar um papel fundamental no desenvolvimento de capacidades de detecção robótica e em superfícies que imitam padrões biológicos – os pelos de uma pata de aranha ou de uma folha de lótus –, estruturas aparentemente simples que fornecem funções vitais essenciais.

“Esses padrões são onipresentes na natureza”, disse Pierre-Thomas Brun, professor assistente de engenharia química e biológica em Princeton e investigador principal do estudo. “Nossa abordagem alavanca a forma como essas estruturas se formam naturalmente.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança

COMPARTILHAR