Pesquisadores investigam danos no cérebro de pacientes com covid-19

Estudo revelou que lesões não são causadas por um ataque direto do vírus ao cérebro, e abre caminho para aprimorar o tratamento nesses casos

Imagem de ressonância magnética de alta resolução do tronco cerebral de um dos pacientes analisados. As setas apontam para pontos claros e escuros que são indicativos de danos nos vasos sanguíneos observados no estudo. Crédito: NIH/Ninds

Em um estudo aprofundado de como a covid-19 afeta o cérebro de um paciente, os pesquisadores do National Institutes of Health (NIH, dos Estados Unidos) identificaram consistentemente as marcas de danos causados ​​pelo estreitamento e vazamento dos vasos sanguíneos cerebrais em amostras de tecido de pacientes que morreram logo após contrair a doença. Além disso, eles não viram sinais do vírus SARS-CoV-2 nas amostras de tecido, sugerindo que o dano não foi causado por um ataque viral direto no cérebro. Os resultados foram publicados como correspondência na revista “New England Journal of Medicine”.

“Descobrimos que os cérebros de pacientes que contraem infecção por SARS-CoV-2 podem ser suscetíveis a danos microvasculares nos vasos sanguíneos. Nossos resultados sugerem que isso pode ser causado pela resposta inflamatória do corpo ao vírus”, disse Avindra Nath, diretor clínico do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame (Ninds) do NIH e autor sênior do estudo. “Esperamos que esses resultados ajudem os médicos a compreender todo o espectro de problemas que os pacientes podem sofrer para que possamos chegar a tratamentos melhores.”

Embora a covid-19 seja principalmente uma doença respiratória, os pacientes geralmente apresentam problemas neurológicos, incluindo dores de cabeça, delírio, disfunção cognitiva, tontura, fadiga e perda do olfato. A doença também pode causar acidentes vasculares cerebrais e outras neuropatologias. Vários estudos mostraram que a doença pode causar inflamação e danos aos vasos sanguíneos. Em um desses estudos, os pesquisadores encontraram evidências de pequenas quantidades de SARS-CoV-2 no cérebro de alguns pacientes. No entanto, os cientistas ainda estão tentando entender como a doença afeta o cérebro.

Pontos brilhantes e escuros

Neste estudo, os pesquisadores realizaram um exame aprofundado de amostras de tecido cerebral de 19 pacientes mortos após contraírem covid-19 entre março e julho de 2020. As amostras de 16 dos pacientes foram fornecidas por um órgão municipal da cidade de Nova York, enquanto os outros 3 casos foram fornecidos pelo departamento de patologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Iowa, em Iowa City.

Os pacientes morreram em uma ampla faixa de idades, de 5 a 73 anos. Eles morreram dentro de algumas horas a dois meses após relatarem os sintomas. Muitos pacientes tinham um ou mais fatores de risco, incluindo diabetes, obesidade e doenças cardiovasculares. Oito dos pacientes foram encontrados mortos em casa ou em ambientes públicos. Outros três pacientes desmaiaram e morreram repentinamente.

Inicialmente, os pesquisadores usaram um scanner especial de ressonância magnética (MRI) de alta potência que é 4 a 10 vezes mais sensível do que a maioria dos aparelhos de ressonância magnética, para examinar amostras dos bulbos olfatórios e do tronco cerebral de cada paciente. Acredita-se que essas regiões sejam altamente suscetíveis à covid-19. Os bulbos olfatórios controlam nosso olfato, enquanto o tronco cerebral controla nossa respiração e frequência cardíaca. As varreduras revelaram que ambas as regiões tinham abundância de pontos brilhantes, chamados de hiperintensidades, que geralmente indicam inflamação. Também havia muitos pontos escuros, chamados de hipointensidades, que representam sangramento.

Reação imunológica

Os pesquisadores então usaram as varreduras como um guia para examinar os pontos mais de perto ao microscópio. Descobriram que os pontos brilhantes continham vasos sanguíneos que eram mais finos do que o normal e às vezes vazavam proteínas do sangue, como o fibrinogênio, para o cérebro. Isso parecia desencadear uma reação imunológica. As manchas eram rodeadas por células T do sangue e pelas células imunológicas do próprio cérebro, chamadas microglias. Em contraste, as manchas escuras continham vasos sanguíneos coagulados e com vazamento, mas nenhuma resposta imunológica.

“Ficamos completamente surpresos. Originariamente, esperávamos ver danos causados ​​pela falta de oxigênio. Em vez disso, vimos áreas multifocais de danos que geralmente estão associadas a derrames e doenças neuroinflamatórias”, disse o dr. Nath.

Por fim, os pesquisadores não viram sinais de infecção nas amostras de tecido cerebral, embora usassem vários métodos para detectar material genético ou proteínas do SARS-CoV-2.

“Até agora, nossos resultados sugerem que o dano que vimos pode não ter sido causado pelo vírus SARS-CoV-2 que infecta diretamente o cérebro”, disse o dr. Nath. “No futuro, planejamos estudar como a covid-19 prejudica os vasos sanguíneos do cérebro e se isso produz alguns dos sintomas de curto e longo prazo que observamos nos pacientes.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago