Pesquisadores mostram espuma produzida no espaço

Experimento confirma que é possível criar espumas superestáveis em gravidade zero

Espuma espacial: na gravidade zero, ela fica superestável. Crédito: ESA

Esta foto mostra uma das primeiras imagens da espuma formada dentro do Fluid Science Laboratory no laboratório espacial europeu Columbus.

O experimento Foam-Coarsening, desenvolvido pela Airbus para a Agência Espacial Europeia (ESA), deve ser ativado ainda em março, mas esta imagem mostra que os líquidos contidos nas células já estão borbulhando conforme planejado.

A foto foi tirada para permitir que os operadores do experimento no Centro Belga de Operações do Usuário, em Bruxelas, acompanhem o experimento e o montem.

LEIA TAMBÉM: Serviços de bordo já estão sendo criados para turismo espacial

As espumas vêm em células independentes e retêm líquidos que são sacudidos por pistões e analisados ​​com ótica a laser e câmeras de alta resolução para os cientistas da Terra. Os pesquisadores desejam observar como as espumas se comportam na microgravidade.

Na Terra, a mistura de gás e líquido que forma uma espuma rapidamente começa a mudar. A gravidade puxa o líquido entre as bolhas para baixo e pequenas bolhas diminuem enquanto as maiores tendem a crescer à custa de outras. À medida que o líquido é puxado para baixo devido à gravidade, as bolhas perdem força e se rompem, voltando ao estado líquido.

Maior estabilidade

Isso é irritante para os pesquisadores, pois limita o tempo durante o qual podem estudar espumas e interfere em seus experimentos. Mas no espaço as espumas são mais estáveis, pois o líquido não escorre para o fundo sem gravidade.

O astronauta da ESA Frank De Winne realizou o experimento Foam-Stability em 2009 agitando soluções líquidas e registrando o que aconteceu a seguir. As amostras variaram de água pura a fluidos à base de proteínas, como os usados ​​para espumas de chocolate e agentes antiespuma.

Depois de apenas dez segundos, os fluidos se estabilizaram mais rapidamente e produziram mais espuma do que na Terra. Os cientistas descobriram que era possível criar espumas superestáveis ​​em gravidade zero.

Com base nessa extensa pesquisa em espuma, o Foam-Coarsening investigará o comportamento da espuma em diferentes estágios líquidos, principalmente quando ele passar de um estado sólido para um líquido.

Os resultados desta pesquisa não se aplicarão apenas à espuma do seu cappuccino matinal. As espumas são usadas em uma ampla gama de áreas, desde produção de alimentos a itens de limpeza e vedação, cosméticos e produtos de higiene pessoal e até mesmo construção.

A astronauta da Nasa Jessica Meir instalou o experimento no Fluid Science Laboratory em 6 de março, depois de remover o experimento de ebulição em várias escalas conhecido como Rubi. O experimento é controlado e os dados são coletados pelo Centro Belga de Operações do Usuário, que processou esta imagem em 9 de março.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança