Pessoas comuns estão por trás de teorias da conspiração, conclui estudo

Pesquisa australiana acompanhou oito anos de postagens no site Reddit e concluiu que, no fundo, o que ocorre é uma busca por indivíduos com ideias semelhantes – mesmo que elas não tenham base real

Teorias conspiratórias sobre UFOs estiveram na análise dos pesquisadores australianos. Crédito: Max Pixel

Pesquisadores da Universidade Nacional Australiana (ANU, na sigla em inglês) investigaram o mundo das teorias da conspiração online e concluíram que a maioria das pessoas por trás delas é realmente bastante comum. Os resultados foram publicados na revista “PLoS ONE”.

Os autores do estudo debruçaram-se sobre oito anos de conteúdo, analisando mais de dois bilhões de comentários publicados no site de mídia social Reddit, incluindo tudo publicado na comunidade r/conspiracy. Essa comunidade cobre desde temas como UFOs e 11 de Setembro até teorias políticas de conspiração como o “pizzagate” (notícia falsa segundo a qual a senadora e candidata democrata à presidência dos EUA Hillary Clinton seria a líder de uma rede de prostituição e tráfico infantil), que decolou durante a campanha eleitoral de 2016 nos EUA.

Mas, apesar do assunto, o principal autor do estudo, Colin Klein, afirma que os teóricos da conspiração nem sempre são um bando de “malucos usando chapéus de papel alumínio”.

LEIA TAMBÉM: Fake news sobre vacinas convencem 67% dos brasileiros

“No passado, antes do surgimento de fóruns online como o Reddit, tendíamos a ouvir apenas as opiniões mais extremas, e essas pessoas costumavam ter cautela ao falar com outras pessoas sobre suas crenças”, disse Klein. “Esses enormes fóruns on-line mostram uma imagem muito diferente. O enorme conjunto de comentários que examinamos mostra que muitos usuários do r/conspiracy realmente têm interesses mais ‘sensíveis’.”

Ocorrências passadas

“Por exemplo, teorias da conspiração sobre abuso de poder pela polícia são comuns”, ele acrescenta. “Isso não é tão louco. Essas pessoas podem acreditar em coisas falsas, mas com boas razões – porque coisas semelhantes aconteceram no passado.”

Klein e sua equipe também descobriram que, embora existam diferenças sutis no idioma usado por aqueles que acabam postando no r/conspiracy, não é necessariamente o bastante separá-los de outros usuários do Reddit.

“Você pode achar que eles falam mais sobre poder ou estruturas de poder, mas a linguagem deles não é tão diferente do que normalmente acontece em um fórum como o r/politics”, avaliou Klein. “Você não pode distingui-los dessa maneira.”

“É muito fácil olhar para as teorias da conspiração e pensar que elas são supermalucas, e as pessoas que acreditam nelas são loucas, mas na verdade é muito mais conectado com muitas coisas que fazemos todos os dias.”

Baixo nível

“A teorização de baixo nível continua muito na vida cotidiana. Estou inclinado a pensar que as coisas que você vê online são apenas um forte resultado disso”, afirmou o pesquisador.

Segundo Klein, fóruns como o r/conspiracy também podem ser conduzidos por eventos atuais. “Por exemplo, o Reddit atraiu um novo conjunto de usuários após a eleição do presidente dos EUA, Donald Trump. Ele também gera bastante briga entre os usuários. É isso que faz com que seja uma ótima maneira de estudar a dinâmica social.”

Os dados também revelam como as pessoas começam a postar no fórum r/conspiracy. A ascensão das câmaras de eco na internet é um fator, mas há muito mais em jogo. “Seguimos pessoas que começaram a usar o Reddit e postaram por cerca de seis meses antes de parar com o r/conspiracy”, disse Klein. “Você encontra duas pessoas que, por exemplo, começaram no popular ‘pergunte-me qualquer coisa’ do Reddit, e uma acaba falando sobre conspirações e outra não.”

“As pessoas que postam no r/conspiracy também tendem a estar super-representadas nos fóruns políticos, mas não é como se estivessem hiperfocadas”, observou o pesquisador. “Isso sugere um processo mais ativo em que as pessoas buscam comunidades solidárias. Esse processo de encontrar pessoas com ideias semelhantes é algo que vemos muito na internet.”