Pinguins-monstros da Nova Zelândia tinham dublês no hemisfério norte

O grupo dos plotopterídeos, encontrados no Japão e na América do Norte, apresentava enormes semelhanças com esses pássaros neozelandeses

Plotopterídeos como esses Copepteryx (endêmico do Japão) atingiam tamanhos enormes. Crédito: Mark Witton

Os pinguins-monstros da Nova Zelândia que viveram 62 milhões de anos atrás tinham dublês no Japão, nos EUA e no Canadá. O estudo a esse respeito foi publicado na revista “Journal of Zoological Systematics and Evolutionary Research”.

Cientistas identificaram semelhanças notáveis ​​entre os ossos fossilizados dos pinguins e os de um grupo de aves mais jovens do hemisfério norte, os plotopterídeos. Essas semelhanças podem ajudar os cientistas a entender como os pássaros começaram a usar as asas para nadar em vez de voar.

Cerca de 62 milhões de anos atrás, os primeiros pinguins conhecidos nadavam em mares tropicais que quase submergiram a terra que hoje é a Nova Zelândia. Os paleontólogos descobriram os ossos fossilizados desses antigos gingadores em Waipara, no centro-leste da Ilha Sul. Eles identificaram nove espécies diferentes que variavam em tamanho, desde pequenos pinguins, do tamanho do atual pinguim-de-olho-amarelo, até monstros com 1,6 metro de altura.

LEIA TAMBÉM: Fóssil de pinguim gigante é descoberto na Nova Zelândia

Os plotopterídeos se desenvolveram no hemisfério norte muito mais tarde que os pinguins. As primeiras espécies apareceram entre 37 e 34 milhões de anos atrás. Seus fósseis foram encontrados em vários locais na América do Norte e no Japão. Como os pinguins, eles usavam suas asas para nadar no mar. Ao contrário dos pinguins, que chegaram à era moderna, as últimas espécies de plotopterídeos foram extintas há cerca de 25 milhões de anos.

Ótimos nadadores

Os cientistas, liderados pelo dr. Gerald Mayr, do Instituto de Pesquisa Senckenberg e do Museu de História Natural de Frankfurt (Alemanha), compararam os ossos fossilizados de plotopterídeos com espécimes fósseis das espécies de pinguins gigantes waimanu, muriwaimanu e sequiwaimanu da coleção do Museu de Canterbury, em Christchurch (Nova Zelândia).

Eles descobriram que os plotopterídeos e os pinguins antigos tinham bicos longos semelhantes, com narinas semelhantes a fendas, ossos no peito e nos ombros e asas parecidas. Essas semelhanças sugerem que os dois grupos de pássaros eram ótimos nadadores que usavam as asas para impulsioná-los nas profundezas da água em busca de comida.

Algumas espécies de ambos os grupos podem ter atingido tamanhos enormes. Os maiores plotopterídeos conhecidos tinham mais de 2 metros de comprimento, enquanto alguns dos pinguins gigantes tinham até 1,6 metro de altura.

Apesar de compartilharem uma série de características físicas com os pinguins (tanto os antigos quanto os modernos), os plotopterídeos estão mais intimamente relacionados a atobás, mergulhões e biguás do que a pinguins.

Desenvolvimento independente

“O que é notável sobre tudo isso é que os plotopterídeos e os pinguins antigos desenvolveram esses recursos compartilhados independentemente”, diz Vanesa De Pietri, do Museu de Canterbury, coautora do estudo. “Esse é um exemplo do que chamamos de evolução convergente, quando organismos relacionados a distância desenvolvem características morfológicas semelhantes sob condições ambientais semelhantes.”

Segundo outro coautor, Paul Scofield, também do Museu de Canterbury, algumas espécies grandes de plotopterídeos teriam se parecido muito com os pinguins antigos. “Esses pássaros evoluíram em diferentes hemisférios, com milhões de anos de diferença, mas a distância você teria dificuldade em diferenciá-los”, diz ele. “Os plotopterídeos pareciam pinguins, nadavam como pinguins, provavelmente comiam como pinguins – mas não eram pinguins.”

Mayr diz que os paralelos na evolução dos grupos de pássaros sugerem uma explicação do motivo pelo qual os pássaros desenvolveram a capacidade de nadar com as asas. “O mergulho com asas é bastante raro entre os pássaros; a maioria dos pássaros nadadores usa os pés”, observa ele. “Acreditamos que tanto os pinguins quanto os plotodopterídeos tinham ancestrais voadores que mergulhavam na água vindos do ar em busca de alimento. Com o tempo, essas espécies ancestrais melhoraram a natação e pioraram seu voo.”

Fósseis dos pinguins gigantes da Nova Zelândia, incluindo o waimanu e o sequiwaimanu, estão atualmente em exibição ao lado de modelos em tamanho natural dos pássaros na exposição “Ancient New Zealand: Squawkzilla and the Giants”, do Museu de Canterbury, que vai até 16 de agosto de 2020.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança