Pinguins têm habilidade rara para identificar rostos e vozes de seus pares

Pinguins têm habilidade rara para identificar rostos e vozes de seus pares
Pinguins têm habilidade rara para identificar rostos e vozes de seus pares (Foto: Fungai Tichawangana/Unsplash)

De acordo com uma nova pesquisa, os pinguins conseguem identificar as vozes de seus pares com sua aparência física, um talento até então desconhecido no reino das aves (exceto para os corvos).

“Os humanos têm a capacidade de visualizar pessoas familiares simplesmente ouvindo sua voz”, explica o estudo, publicado na quarta-feira (13) na Proceedings of the Royal Society B.

“Este processo aparentemente fácil, denominado reconhecimento individual intermodal, requer que nosso cérebro integre simultaneamente informações de diferentes modalidades sensoriais e identifique um indivíduo com base em seu conjunto único de características multimodais.”

Essa habilidade é um sinal de função cognitiva de ordem superior, então descobrir quais espécies podem fazer isso é importante. Além dos corvos, essa capacidade também foi identificada em leões, cabras, cavalos e macacos rhesus.

Agora, os pinguins africanos também entram nessa lista. Nativos das costas da Namíbia, África do Sul e das Ilhas Penguin, morar na praia os concedeu o título de “pinguim de burro”. A proximidade às rochas, vento e oceano do litoral fez com que eles evoluíssem para animais extremamente barulhentos e, pelo menos para pinguins, bastante vistosos, com cada um ostentando seu próprio padrão único de manchas pontilhadas.

No entanto, é essa combinação de hábito e habitat que tornou os pinguins tão talentosos, de acordo com o autor principal do estudo, Luigi Baciadonna.

“Imagine uma grande colônia [de pinguins] neste ambiente realmente desafiador, com muito ruído do vento, ruído de fundo”, explicou ele à New Scientist. “E, potencialmente, eles estão contando com a comunicação vocal, ligando uns para os outros quando estão voltando de uma viagem de caça, por exemplo. Mas também, seu padrão único de manchas pretas [pode se tornar difícil de decifrar] entre as ondas e rochas. Portanto, a capacidade de integrar identificadores visuais e auditivos pode ser necessária quando uma das pistas não estiver disponível.”

Então, como alguém descodifica as funções cognitivas de ordem superior de um pinguim? Para animais não humanos, o estudo explica: “A evidência de reconhecimento individual intermodal […] baseou-se em variações de paradigmas de violação de expectativa”. Ou seja, você tenta confundir a criatura.

Os cientistas pegaram dez pinguins de uma colônia de 17 habitantes do Parque Marinho Zoomarine em Torvaianica, Itália, e os dividiram em pares. Às vezes, os pares seriam amigos e, às vezes, parceiros. Depois de terem passado um minuto juntos, um tratador entrou e conduziu um pinguim para longe, deixando o outro por conta própria, cerca de 20 segundos depois, um grito seria ouvido atrás da porta que seu namorado havia deixado.

Presumivelmente sem o conhecimento dos penguins, aquele grito foi uma fraude, uma gravação da voz de outros membros da colônia. Assim, embora os pinguins às vezes ouçam a voz de seu parceiro atrás da porta, às vezes ouvem o grito de um amigo pinguim totalmente diferente.

Quando isso aconteceu, eles reagiram de forma diferente, descobriram os pesquisadores. Os pinguins de teste responderam a cada grito registrado olhando para a porta, mas o fizeram mais de cinco vezes mais rápido quando a chamada de trás da porta não correspondeu ao pinguim que acabou de sair por ela.

“Essencialmente, se você ouvir a ligação do mesmo cara que saiu há alguns segundos, é mais provável que a ligação pertença a esse cara, não a algum [cara] aleatório”, explicou  Luigi à New Scientist. “Então, quando há uma incompatibilidade entre a entrada visual e acústica, chamamos isso de ‘violação da expectativa’, e eles reagem mais rapidamente.”

Apesar de ser uma descoberta importante sobre a evolução da comunicação e cognição dos pinguins africanos, não é totalmente inesperada, disseram os pesquisadores. Dado o território natural e o comportamento dos pinguins africanos, eles escrevem, “a capacidade de identificar os vizinhos amigáveis ​​tanto visualmente quanto vocalmente pode ter evoluído para ajudar a reduzir conflitos desnecessários”.

“Os pinguins… separaram-se de outras aves e perderam a capacidade de voar há cerca de 65 [milhões de anos]. Eles são filogeneticamente distantes e distintos da maioria das outras aves”, conclui o artigo. “Nossos resultados atuais sugerem que os pinguins africanos formam representações internas de seus companheiros de colônia, sugerindo que essa habilidade é muito mais difundida entre o táxon aviário do que se pensava anteriormente.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago