Pólen de cereais, azeitona e videira revela economia de mercado na Grécia Antiga

Estudo indica integração do mercado agrícola séculos antes da conquista da Grécia por Roma, sugerindo que mecanismos que levaram ao Antropoceno começaram bem antes do que se supunha

Vaso grego de cerca de 550-520 a.C. usado para guardar vinho, ilustrado com Dioniso em conversa com Hermes no meio de videiras: economia de mercado na Grécia Antiga já em meados do primeiro milêno antes de Cristo. Crédito: MatthiasKabel/Wikimedia Commons

No campo da economia, o conceito de economia de mercado é amplamente considerado um fenômeno moderno. Economistas influentes como Karl Marx e Max Weber, por exemplo, argumentaram que, embora os mercados existissem na antiguidade, as economias nas quais as estruturas de produção e distribuição respondiam às leis de oferta e demanda desenvolveram-se apenas no século 19.

Um estudo recente realizado por uma equipe internacional de pesquisadores usou a palinologia – o estudo de resíduos de pólen extraídos de sedimentos tubulares – para desafiar essa crença e fornecer evidências para uma economia de mercado integrada existente na Grécia antiga. Um artigo a esse respeito foi publicado na revista “The Economic Journal“.

Usando dados disponíveis publicamente no Banco de Dados Europeu de Pólen, bem como informações de outros investigadores, os pesquisadores analisaram as assembleias de pólen de 115 amostras retiradas de seis locais no sul da Grécia para medir a mudança da paisagem. Baseados em datação por radiocarbono para relacionar suas medições ao tempo histórico, os pesquisadores seguiram a mudança nos valores percentuais para táxons de plantas individuais entre 1000 a.C. e 600 d.C. e observaram uma diminuição no pólen dos cereais, um alimento básico da dieta grega antiga, durante um período de aparente crescimento populacional. Tal diminuição foi concomitante ao aumento da proporção de pólen da oliveira e da videira.

LEIA TAMBÉM:

Economia de exportação

Essas tendências levantam uma questão importante: por que os produtores locais escolheriam plantar azeitonas e vinhas em vez de grãos de cereais, quando a demanda por esse alimento básico deve ter sido alta e crescente?

No estudo atual, os pesquisadores argumentam que os dados de pólen do sul da Grécia revelam uma economia de exportação baseada na colheita de dinheiro já no período arcaico, principalmente através do cultivo da azeitona. Embora as evidências arqueológicas desses períodos documentem o movimento de mercadorias, os dados quantificáveis ​​sobre a integração do mercado e as mudanças estruturais na produção agrícola têm sido muito limitados. “Neste artigo”, diz o autor principal, Adam Izdebski, do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana (Alemanha), “apresentamos os registros de pólen como uma nova fonte de dados quantitativos na história econômica antiga.”

Antes de chegarem às suas conclusões, os pesquisadores compararam as tendências que observaram nos dados do pólen com três outras fontes de dados em um exemplo de pesquisa científica pioneira. Primeiramente, eles observaram uma diminuição no pólen de paisagens não cultivadas correspondendo a cada aumento no número de assentamentos. Essa correlação entre o número de assentamentos e a exploração da terra sustenta a metodologia do estudo e indica o potencial da palinologia para estudos futuros em uma variedade de disciplinas científicas.

Esporo de pólen de trigo ampliado: o pólen se firma como ferramenta arqueológica. Crédito: Alessia Masi
Grande produção de azeite e vinho

Os pesquisadores então procuraram evidências de aumento da atividade comercial em naufrágios no Mediterrâneo, usados rotineiramente para estimar o comércio marítimo e a atividade econômica geral. Depois de restringirem sua pesquisa a naufrágios do período e região apropriados, os cientistas observaram tendências em naufrágios consistentes com as tendências encontradas em cereais, azeitona e pólen de videira. Ambas as fontes de dados sugerem um boom econômico nos século 1 e 2 d.C., um declínio nos século 4 e 5 e um crescimento menor no século 6.

Por fim, os pesquisadores examinaram as tendências da presença de prensas para a produção de azeite e vinho em grande escala no Mediterrâneo. A presença dessas máquinas, embora não localizadas na Grécia, indica um padrão de amplas tendências econômicas na região e incentivos variáveis ​​para a produção de grandes quantidades de azeite e vinho. Mais uma vez, os pesquisadores descobriram que as tendências nas descobertas arqueológicas de prensas para azeite de oliva e vinho eram consistentes com as tendências de pólen de cereais, azeitonas e videiras.

Como se acredita que o surgimento de mercados integrados e economias capitalistas do início da era moderna esteve na origem do Antropoceno, a época atual em que a humanidade se tornou uma grande força geológica, o presente estudo mostra que os desenvolvimentos estruturais ocorridos em uma grande escala através da colonização europeia do século 15 em diante foram possíveis vários milhares de anos antes.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança