• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured04/03/2022

Política polêmica que concilia mineração e conservação da biodiversidade obtém sucesso

Indri-indri, a maior espécie viva de lêmures, é encontrada ao redor da mina. Essa espécie é classificada como Criticamente Ameaçada na lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza. Crédito: Sébastien Desbureaux

04/03/22 - 10h57min

Cada vez mais projetos de infraestrutura são necessários para entregar No Net Loss (algo como “Nenhuma Perda Líquida”) em biodiversidade, muitas vezes usando uma abordagem controversa conhecida como compensação de biodiversidade. Apesar da proliferação de tais esquemas, há muito poucas avaliações independentes. Uma nova pesquisa liderada pela Universidade de Bangor (Reino Unido) e publicada na revista Nature Sustainability é uma das primeiras avaliações de impacto totalmente independentes e mais robustas de uma compensação de biodiversidade realizadas até o momento. O estudo, focado em uma mina de níquel de alto perfil em Madagascar, a mina Ambatovy, sugere que as compensações estão no caminho certo para conquistar No Net Loss em relação ao habitat florestal único destruído pela mina.

“Ambatovy visa conservar a floresta, diminuindo o desmatamento impulsionado pela agricultura de pequena escala em outros lugares, para compensar a floresta que desmatou no local da mina”, afirmou Katie Devenish, doutoranda na Universidade de Bangor e principal autora do estudo. “Nossa análise sugere que eles já salvaram quase tanta floresta quanto foi perdida no local da mina. Estimamos que nenhuma perda líquida de floresta foi alcançada até o final de 2021.”

Encorajador, com ressalvas

A professora Julia Jones, da Universidade de Bangor, acrescentou: “Países de baixa renda como Madagascar precisam desesperadamente do desenvolvimento econômico que a mineração comercial pode trazer. Há muitas ressalvas importantes em nossas descobertas, mas certamente é encorajador que as contribuições econômicas de Ambatovy para Madagascar (dezenas de milhões de dólares por ano) pareçam ter sido feitas enquanto minimizavam as trocas com o precioso habitat florestal remanescente da ilha.”

A pesquisa usa abordagens de última geração para avaliar o impacto da estratégia da mina para alcançar No Net Loss de florestas, como explicou Sébastien Desbureaux, do Centro de Economia Ambiental – Montpellier: “Avaliações robustas de compensações de biodiversidade são muito raros. Existem mais de 12 mil compensações de biodiversidade em todo o mundo e menos de 0,05% foram avaliadas. As avaliações são difíceis de fazer, pois envolvem a comparação dos resultados observados com o que teria acontecido sem a intervenção. Este cenário contrafactual é obviamente difícil de estimar. Exploramos mais de 100 formas alternativas de executar nossa análise e os resultados são claros”.

O professor Simon Willcock, da Rothamsted Research da Universidade de Bangor, explicou por que a análise tem limitações: “Embora possamos mostrar com confiança que o desmatamento associado à mina provavelmente foi compensado, não podemos capturar impactos sobre as espécies. Também é importante notar que pode ter havido um custo para a população local da proteção melhorada da floresta. Também devemos considerar o que acontece quando a empresa sai da área (algo esperado entre 2040 e 2050), pois sem proteção e restauração contínuas do local da mina, o que é uma tarefa muito difícil, as reivindicações de Ambatovy de No Net Loss podem ser ameaçadas”.

Fazer a sua parte

Julia Jones acrescentou: “Apesar dos compromissos globais, as florestas tropicais continuam a desaparecer rapidamente. A compensação da biodiversidade do tipo estudado nesta pesquisa não pode resolver isso. Na verdade, a abordagem só faz sentido se houver desmatamento em andamento na paisagem mais ampla, o que infelizmente é o caso. No entanto, dada a destruição em curso, este resultado dá um forte apoio às exigências de que as minas e outros grandes empreendimentos devem fazer sua parte investindo em esforços de conservação. Este estudo de caso mostra que pode valer a pena”.

Simon Willcock concluiu: “O desenvolvimento de infraestrutura global não deve desacelerar tão cedo. Encontrar políticas para conciliar efetivamente esse desenvolvimento com a necessidade de conservar habitats e espécies é vital para evitar agravar ainda mais a emergência ecológica e climática. Está tudo muito bem em introduzir políticas com o objetivo de evitar os impactos do desenvolvimento sobre a biodiversidade, mas precisamos analisar criticamente se elas estão ou não funcionando”.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Ambatovy