Poluição do ar pode afetar equilíbrio psíquico dos jovens

Os jovens que vivem com níveis mais altos de poluição do ar são significativamente mais propensos a ter experiências psicóticas, de acordo com o primeiro estudo da questão

Poluição atmosférica: sintoma do atual impasse da humanidade / Foto: MattGush

Novo estudo, publicado na revista Jama Psychiatry, analisou mais de 2.000 jovens de 17 anos em toda a Inglaterra e País de Gales e descobriu que aqueles expostos a níveis mais altos de óxidos de nitrogênio tinham uma chance 70% maior de sintomas como ouvir vozes ou paranoia intensa.

Do total pesquisado, um terço dos jovens vivia em áreas urbanas, um quinto morava na zona rural e o restante nos arredores das cidades. No geral, 30% dos jovens relataram pelo menos uma experiência psicótica, uma taxa considerada normal para a adolescência. Mas as experiências psicóticas foram significativamente mais comuns entre os adolescentes que vivem nos 25% mais poluídos do mundo.

Experiências psicóticas são muito mais comuns em adolescentes do que em adultos, mas aqueles que apresentam esses sintomas quando jovens são mais propensos a desenvolver doenças mentais mais tarde.

As pessoas que crescem nas cidades já eram conhecidas por terem mais experiências psicóticas do que aquelas que estão fora das áreas urbanas e o novo trabalho sugere que o ar tóxico é uma razão potencial. Os pesquisadores também descobriram uma ligação com a poluição por partículas pequenas: as experiências psicóticas foram 45% mais comuns entre os adolescentes expostos a níveis mais altos.

“Os óxidos de nitrogênio explicaram cerca de 60% da associação entre vida urbana e experiências psicóticas”, disse Joanne Newbury, do King’s College London, que liderou a pesquisa. Outros fatores podem incluir suscetibilidade genética e experiência de crime. Os óxidos de nitrogênio vêm em grande parte de veículos a diesel e estão em níveis ilegais na maioria das cidades britânicas.

A pesquisa levou em consideração outras causas potenciais de experiências psicóticas, como tabagismo, uso de álcool e maconha, renda familiar e histórico psiquiátrico e medidas de privação de vizinhança. Mas o tipo de estudo realizado não pode provar um nexo de causalidade, e outros fatores, como o ruído, podem ser importantes.

“Crianças e jovens são mais vulneráveis ​​aos impactos da poluição do ar sobre a saúde devido à juvenilidade do cérebro e do sistema respiratório”, disse Frank Kelly, do King’s College, em Londres, e também parte da equipe de pesquisa. No entanto, os pesquisadores disseram que, embora este primeiro estudo fornecesse boas evidências, é importante que outras pesquisas sejam realizadas para confirmar as descobertas.

blog comments powered by Disqus