População de aves nos EUA e Canadá encolheu quase 30% desde 1970

Perda de quase 3 bilhões de pássaros é consequência principalmente de alterações no habitat desses animais, afirmam pesquisadores dos dois países

Papa-figo, uma das espécies que apresentaram declínio populacional. Crédito: Gary Mueller/Macaulay Library/Cornell

Uma pesquisa revelou que a população total de aves reprodutoras nos Estados Unidos continentais e no Canadá caiu 29% desde 1970. Um artigo sobre essa perda de quase 3 bilhões de pássaros foi publicado ontem (19 de setembro) na revista “Science”.

“Ficamos surpresos com esse resultado (…) a perda de bilhões de pássaros”, disse o principal autor do estudo, Ken Rosenberg, cientista da Universidade Cornell.

LEIA TAMBÉM: Ave ameaçada se reproduz mais após passagem de furacão

Rosenberg liderou pesquisadores de sete instituições dos EUA e do Canadá na análise de 529 espécies de aves. A equipe analisou a síntese mais robusta de pesquisas populacionais de monitoramento de longo prazo já reunidas para um grupo de espécies selvagens, além de examinar imagens de radar.

Na opinião de Rosenberg, os resultados do estudo apontam para algo maior que os pássaros. “É um forte sinal de que as paisagens alteradas pelo homem estão perdendo sua capacidade de dar suporte à vida das aves”, disse. “E isso é um indicador de um colapso geral no ambiente.”

No total, a avifauna continental dos EUA e do Canadá perdeu 2,9 bilhões de aves adultas, com quedas devastadoras entre as aves em todos os biomas. Só as florestas ficaram sem 1 bilhão de pássaros. As populações de pássaros de pradarias caíram coletivamente mais de 50%, ou outros 700 milhões de exemplares.

A perda de habitat, disseram os autores do estudo, provavelmente é o fator determinante desses declínios.

Colapso no ecossistema

As chamadas aves comuns (as espécies que muitas pessoas veem todos os dias) representam as maiores perdas no estudo. Mais de 90% dessas perdas provêm de 12 famílias de pássaros, incluindo pardais, melros, toutinegras e tentilhões. Só o número de juncos-de-olho-escuro encolheu 160 milhões. O declínio da população de aves do tipo da cotovia também foi notável: 70 milhões no lado leste dos EUA, 60 milhões no lado oeste.

“Queremos manter as aves comuns ainda comuns, e nem isso estamos fazendo”, disse Peter Marra, coautor do estudo, realizado quando ele dirigia o Smithsonian Migratory Bird Center. Marra agora é diretor da Georgetown Environment Initiative.

“Coloque isso no contexto dos outros declínios que estamos vendo, de insetos a anfíbios, e isso sugere que há um colapso do ecossistema que deve ser preocupante para todos”, acrescentou Marra. “Está nos dizendo que nosso ambiente não é saudável. Não para pássaros, e provavelmente também não para humanos.”

A análise de dados de radar envolveu os arquivos de imagens de mais de 140 estações meteorológicas NEXRAD (radar de próxima geração) operadas pelo National Weather Service nos EUA. Os pássaros aparecem nas varreduras de radar durante as noites de primavera, quando migram alto no ar. Adriaan Dokter, pesquisador de Cornell, mediu a biomassa total de aves que passavam pelo espaço aéreo dos EUA durante a migração noturna da primavera e viu que o declínio das aves era visível no radar.

“A quantidade de ‘biomassa de pássaros’ sobrevoando nossas cabeças diminuiu cerca de 14% desde 2007”, disse Dokter. Ele acrescentou que a taxa de declínio na última década é semelhante à do declínio representado nos modelos populacionais na última metade do ano. século. Segundo sua análise, os declínios foram mais acentuados na metade oriental dos EUA.

Pontos positivos

Existem alguns pontos positivos para os pássaros. Entre os modelos populacionais, as populações de aves de rapina, como falcões e águias, triplicaram desde 1970. Os autores do estudo disseram que o aumento é atribuível às regulamentações do governo que proíbem o agrotóxico DDT e tornam ilegal a caça às aves de rapina.

O crescente número de aves aquáticas mostra que os trabalhos de conservação e as aves respondem quando são feitos investimentos no habitat. Os esforços de conservação de zonas úmidas impulsionaram um aumento de 50% nas populações de aves aquáticas nos últimos 50 anos.

Rosenberg disse que o sucesso na conservação de áreas úmidas para aves aquáticas pode fornecer um plano para reverter os declínios acentuados entre os pássaros das pradarias. Mesmo que 30% das aves da América do Norte sejam perdidas, ainda restam 70% para estimular a recuperação, se medidas de conservação puderem ser implementadas.

Mas essas ações de conservação têm de vir em breve, disse Rosenberg. “Não acho que nenhum desses grandes declínios seja inútil neste momento”, disse ele. “Mas isso pode não ser verdade daqui a dez anos.”