• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Curiosidades01/12/2021

Por que a cannabis cheira a gambá

Cannabis: origem do cheiro de gambá descoberta. Crédito: CC0 Public Domain

01/12/21 - 12h12min - Atualizado em 01/12/21 - 12h12min

Conforme é legalizada em mais áreas, a cannabis se torna cada vez mais popular como droga medicinal e recreativa. Essa planta produz um odor pungente de gambá que agrada a alguns, mas é repulsivo a outros. Agora, pesquisadores descobriram uma nova família de compostos de enxofre voláteis prenilados (VSCs) que dão à cannabis seu aroma característico de gambá. As descobertas abrem oportunidades para investigar as moléculas para benefícios medicinais, dizem os pesquisadores. Seu estudo foi publicado na revista ACS Omega.

A Cannabis sativa L. produz mais de 200 compostos aromáticos conhecidos. Estudos anteriores se concentraram principalmente em terpenoides – moléculas que variam em odor de combustível a lenhoso, cítrico ou floral. Diferentes cultivares de cannabis possuem diversas misturas desses compostos que contribuem para seus aromas únicos. No entanto, embora os terpenoides sejam os compostos aromáticos mais abundantes na cannabis, há poucas evidências de que eles forneçam o cheiro de gambá subjacente de muitos cultivares.

Os gambás usam vários VSCs ao borrifarem suas fedorentas misturas de defesa. Por isso, Iain Oswald, da Abstrax Tech (empresa americana que pesquisa a cannabis e desenvolve produtos a partir dela), e seus colegas suspeitaram que poderia haver moléculas semelhantes na cannabis. A equipe decidiu usar técnicas analíticas sensíveis para descobrir.

Possíveis propriedades medicinais

Os pesquisadores analisaram flores de 13 cultivares de cannabis usando um sistema de cromatografia gasosa 2D personalizado com três tipos diferentes de detectores. Então, um painel de quatro pessoas classificou a pungência dos cultivares em uma escala de 0 a 10. O mais pungente, chamado Bacio Gelato, tinha a maior concentração de VSCs.

A equipe identificou sete VSCs nesse cultivar, alguns dos quais também estavam presentes em outros cultivares. Cinco dos VSCs continham o grupo funcional prenil e tinham aromas semelhantes a gambá ou sulfúricos. Um composto em particular, 3-metil-2-buteno-1-tiol, denominado VSC3, foi o VSC mais abundante nos cultivares que o painel relatou como mais picantes. Esse composto foi anteriormente implicado no sabor e aroma de uma cerveja que estraga após ser exposta à luz ultravioleta.

Para confirmar que o VSC3 era a principal fonte do aroma parecido com o do gambá, a equipe o adicionou a uma mistura de dez outros compostos aromáticos principais da cannabis, produzindo um odor combinado muito semelhante ao cheiro característico da cannabis. Eles também detectaram VSC3 em concentrados de cannabis, como aqueles usados ​​para vaporização. Finalmente, em experimentos em estufa, os pesquisadores determinaram que os VSCs prenilados aumentaram significativamente no final do estágio de floração do crescimento da cannabis, atingiram um máximo durante a cura e caíram substancialmente após dez dias de armazenamento.

Como as estruturas moleculares dos VSCs se assemelham às de compostos do alho que têm efeitos anticâncer e cardioprotetores, a nova família de moléculas de odor preniladas deve ser investigada quanto às propriedades medicinais, dizem os pesquisadores.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Abstrax Tech