Por que o cérebro é programado para ver rostos em objetos do dia a dia

A pareidolia facial (o fenômeno de ver rostos em objetos cotidianos) é uma característica originária de primatas e constitui basicamente uma vantagem evolutiva, concluem cientistas

O "rosto humano" captado pela sonda Viking 1 em 1976 na região de Cydonia, em Marte: um caso de pareidolia facial extraterrestre (veja mais abaixo fotos da mesma figura com resolução maior). Crédito: Nasa

Se você tende a notar rostos em objetos inanimados ao seu redor, como a cara carrancuda de uma casa, uma espantada bola de boliche ou uma maçã fazendo careta, não está sozinho. A pareidolia facial – o fenômeno de ver rostos em objetos do cotidiano – é uma condição muito humana que se relaciona com a forma como nossos cérebros estão conectados. Uma pesquisa recente da Universidade de Nova Gales do Sul (UNSW) em Sydney, na Austrália, mostrou que processamos esses rostos “falsos” usando os mesmos mecanismos visuais do cérebro empregados para os rostos reais.

Em artigo publicado na revista “Psychological Science”, o pesquisador principal, dr. Colin Palmer, da Faculdade de Psicologia da UNSW, afirma que ver rostos em objetos do cotidiano é muito comum, o que é destacado pelos muitos memes e páginas dedicadas ao tema na internet.

“Páginas em sites como Flickr e Reddit acumularam milhares de fotografias de objetos do cotidiano que lembram rostos, enviadas por usuários de todo o mundo”, diz ele. “Uma característica marcante desses objetos é que eles não apenas se parecem com rostos, mas podem até transmitir um senso de personalidade ou significado social. Por exemplo, as janelas de uma casa podem parecer dois olhos olhando para você, e um pimentão pode ter uma expressão feliz em seu rosto.”

LEIA TAMBÉM: Mosca-de-banheiro: dez curiosidades sobre esse hóspede indesejado

Imagens mais precisas do “rosto humano” marciano feitas em 1998 pela sonda Mars Global Surveyor (MGS). Crédito: Nasa/JPL/Malin Space Science Systems
Características compartilhadas

Mas por que ocorre a pareidolia facial? Palmer diz que, para responder a essa pergunta, precisamos examinar o que a percepção facial envolve. Embora todos os rostos humanos pareçam um pouco diferentes, eles compartilham características comuns, como a disposição espacial dos olhos e da boca.

“Esse padrão básico de características que define o rosto humano é algo com o qual nosso cérebro está particularmente sintonizado e provavelmente é o que chama nossa atenção para objetos de pareidolia. Mas a percepção de rosto não consiste apenas em perceber a presença de um rosto. Também precisamos reconhecer quem é essa pessoa e ler as informações em seu rosto, como se ela está prestando atenção em nós e se está feliz ou chateada.”

“Cabeça do Velho”, em Portugal. Crédito: jfcfar/Wikimedia

Esse processo depende de partes do nosso cérebro especializadas em extrair esse tipo de informação do que vemos, diz Palmer. No estudo, ele e o professor Colin Clifford, seu colega na UNSW, testaram se os mesmos mecanismos cerebrais que extraem informações sociais importantes quando uma pessoa olha para outra também são ativados quando experimentamos a pareidolia facial.

Eles testaram isso usando o processo conhecido como “adaptação sensorial”, um tipo de ilusão visual em que a percepção de alguém é afetada pelo que foi visto recentemente.

Sensibilidade alterada

“Se você vê repetidamente imagens de rostos que estão olhando para a sua esquerda, por exemplo, sua percepção vai realmente mudar com o tempo, de modo que os rostos parecerão estar mais para a direita do que realmente são”, afirma Palmer. “Há evidências de que isso reflete um tipo de processo de habituação no cérebro, no qual as células envolvidas na detecção da direção do olhar mudam sua sensibilidade quando somos repetidamente expostos a rostos com uma direção específica do olhar.”

Por exemplo, pessoas que foram repetidamente expostas a rostos que estavam olhando para a esquerda diriam, quando confrontadas com um rosto olhando diretamente para elas, que os olhos do outro estavam olhando um pouco para a direita. Esse fenômeno foi observado em estudos anteriores, diz Palmer.

“Descobrimos que a exposição repetida a rostos de pareidolia que transmitiam uma direção específica de atenção (por exemplo, objetos que pareciam estar ‘olhando para a esquerda’) causou uma mudança na percepção de para onde os rostos humanos estão olhando”, afirma ele. “Essa é uma evidência de sobreposição nos mecanismos neurais que estão ativos quando experimentamos pareidolia facial e quando olhamos para rostos humanos.”

Segundo os pesquisadores, isso significa que se você sente que um objeto de pareidolia está olhando para você, ou transmite algum tipo de emoção, “pode ser porque as características do objeto são mecanismos ativadores em seu cérebro projetados para ler esse tipo de informação a partir de rostos humanos”.

Ilusão visual

“Então”, prosseguem eles, “pensamos que a pareidolia facial é uma espécie de ilusão visual. Sabemos que o objeto não tem realmente uma mente, mas não podemos deixar de vê-lo como tendo características mentais como uma ‘direção do olhar’ por causa dos mecanismos em nosso sistema visual que se tornam ativos quando detectam um objeto com características básicas semelhantes a um rosto”.

Um “despertador triste” fotografado numa loja de Nova York. Crédito: Brett Jackson/Wikimedia

Palmer acredita que a pareidolia facial é um produto de nossa evolução. Ele nota que estudos observaram o fenômeno entre macacos, sugerindo que a função cerebral foi herdada de primatas.

“Nosso cérebro evoluiu para facilitar a interação social e isso molda a maneira como vemos o mundo ao nosso redor. Há uma vantagem evolutiva em ser realmente bom ou realmente eficiente na detecção de rostos, é importante para nós socialmente. Também é importante na detecção de predadores. Então, se você evoluiu para ser muito bom na detecção de rostos, isso pode levar a falsos positivos, em que às vezes você vê rostos que não estão realmente lá. Outra forma de colocar isso é que é melhor ter um sistema excessivamente sensível à detecção de rostos do que aquele que não é sensível o suficiente.”

Compreensão importante

Além de confirmar como nosso cérebro processa as faces, o estudo pode levantar novas questões sobre a nossa compreensão dos distúrbios cognitivos relacionados ao reconhecimento facial.

“Compreender a percepção facial é importante quando você considera condições ou características como prosopagnosia facial, que é a incapacidade de reconhecer rostos, e o espectro do autismo, que pode incluir dificuldades em ler informações do rosto de outras pessoas, como seu estado emocional”, diz Palmer. “Então, o objetivo de longo prazo desse tipo de pesquisa é entender como as dificuldades na percepção de rostos e no funcionamento social diário podem surgir.”

A seguir, os pesquisadores planejam investigar com mais detalhes os mecanismos cerebrais específicos envolvidos na “leitura” de informações sociais do rosto de outro indivíduo e se esses mecanismos podem operar de modo diferente em pessoas diferentes.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança