Povoado polonês vai premiar primeiro casal local que tiver filho menino

Em Miejsce Odrzańskie, no sudeste da Polônia, não nascem garotos desde 2009

Bebê menino: em falta em Miejsce Odrzańskie

O centenário povoado de Miejsce Odrzańskie, no sudeste da Polônia, exibe uma estatística curiosa: desde 2009, nenhum menino nasceu ali. Os 12 nascimentos ocorridos nessa comunidade fundada em 1679, que possui cerca de 300 habitantes, foram de meninas. A situação chegou ao ponto de as autoridades locais oferecerem um prêmio ao primeiro casal que conceber um menino.

A predominância feminina também aparece na formação da brigada de incêndio da aldeia, que possui 24 mulheres jovens e apenas oito homens. A equipe mais jovem de voluntários conta apenas com moças.

Foi a participação de equipes dominadas por mulheres em uma competição regional neste verão que atraiu a atenção da imprensa. Miejsce Odrzańskie virou assunto em publicações europeias e norte-americanas, como o jornal “The New York Times” e o site do programa “Today”, da rede NBC.

LEIA TAMBÉM: Em busca do bebê perfeito

Pelas reportagens feitas sobre o local, a maioria dos moradores adultos tem duas filhas. Os meninos são raros, e alguns deles vieram de outros municípios.

 

Tendência preocupante

Estatisticamente, a probabilidade de que um óvulo fecundado de modo normal venha a resultar num menino ou numa menina é de 50% para cada lado. Mas a tendência observada em Miejsce Odrzańskie preocupa tanto Rajmund Frischko, prefeito da comuna de Cisek (onde está o povoado), que ele prometeu uma recompensa “atraente” para a primeira família local que gerar um bebê menino. Frischko, porém, não especificou o que seria essa recompensa.

Enquanto isso, o corpo de bombeiros juvenil feminino da aldeia vai ganhando competições e promovendo internacionalmente o nome de Miejsce Odrzańskie. “Essas garotas vivem e respiram. Há muita paixão e determinação. Durante dois meses antes de cada competição, eles vêm treinar todos os dias ou em dias alternados depois da escola”, disse ao “The New York Times” o bombeiro Tomasz Golasz.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança