Precisamos falar sobre a água

Uma das prioridades ambientais do século 21, a água é tema constante nos noticiários, em geral por motivos como escassez ou poluição. Mas há novidades positivas na área. Conheça a seguir cinco desafios e cinco boas notícias sobre esse recurso

Falar sobre a importância da água para o homem parece algo redundante, mas é extremamente pertinente. Mudanças climáticas e a projeção de crescimento exponencial da população do planeta nas próximas décadas impõem a urgência de se priorizar a pauta da gestão hídrica. Hoje em dia, cerca de 2,6 bilhões de pessoas não possuem acesso à água limpa e a saneamento básico. O fornecimento de água potável está sob ameaça para 60% da população global. Eventos climáticos extremos ameaçam centenas de milhares de cidades. Mas ainda existem saídas.

CINCO DESAFIOS

1- Mais da metade da população mundial vive uma situação de grave escassez de água um mês por ano

Meio bilhão de pessoas moram em regiões de grande vulnerabilidade hídrica
Meio bilhão de pessoas moram em regiões de grande vulnerabilidade hídrica

Ao revelar que a falta de água atinge mais de 4 bilhões de pessoas por no mínimo um mês no ano, um grande estudo internacional divulgado em fevereiro na revista Science Advances mostrou que o problema é bem pior do que se pensava antes. A pesquisa apontou ainda que 500 milhões de pessoas vivem em áreas onde o volume do consumo de água anual é o dobro das chuvas registradas no período, o que torna esses habitantes extremamente vulneráveis à medida que os aquíferos subterrâneos se esgotam. A maioria dessas regiões está na Índia e na China, mas também é preocupante a situação do sudoeste dos Estados Unidos e da Austrália. No Brasil, o cenário mais grave está no interior do Nordeste.

2- Em 2050, haverá mais plástico do que peixes nos oceanos

O plástico é uma ameaça à fauna e à flora marinhas
O plástico é uma ameaça à fauna e à flora marinhas

Um estudo realizado pela Fundação Ellen MacArthur, da Inglaterra, estimou que em 2050 a massa de plástico será maior que a de peixes nos oceanos. O material é extremamente nocivo para a fauna e a flora marinhas. Quando chega ao mar, o plástico se decompõe em partículas pequenas, tornando a limpeza da água uma tarefa muito complicada. A solução recomendada pelos pesquisadores é diminuir o consumo, buscar opções ao petróleo na fabricação de embalagens e reciclar.

3- A demanda por água vai superar a oferta em 40% até 2030

Embora 70% da água disponível seja usada para produzir alimentos, 870 milhões de pessoas passam fome
Embora 70% da água disponível seja usada para produzir alimentos, 870 milhões de pessoas passam fome

O aumento progressivo da população mundial levará a uma crise da oferta de água em 2030. Até esse ano, a classe média global vai saltar de 2 bilhões de pessoas para 5 bilhões. Esse cenário é bem preocupante, uma vez que, atualmente, 70% da água disponível é utilizada para a produção de alimentos e, mesmo assim, 870 milhões passam fome. Além disso, a água é fundamental para processos industriais e para a geração de energia – e, em ambos os casos, a quantidade disponível também está deficitária.

4- A maior parte da água residual é descartada na natureza sem nenhum tratamento

A má qualidade da água descartada está ligada à morte de 3,5 milhões de pessoas por ano
A má qualidade da água descartada está ligada à morte de 3,5 milhões de pessoas por ano

De acordo com dados reunidos pelo World Water Council, mais de 80% da água utilizada pelo homem acaba descartada no meio ambiente sem tratamento, causando prejuízos ao homem e à natureza. Todo ano, 3,5 milhões de pessoas morrem de doen­ças relacionadas à má qualidade da água.

5- Ainda desperdiçamos e consumimos demais

Até países desenvolvidos têm índices elevados de desperdício de água
Até países desenvolvidos têm índices elevados de desperdício de água

A demanda por água só tende a aumentar, os hábitos de consumo são altos e, ainda por cima, as perdas nos sistemas de distribuição mundo afora são elevadas. Em um estudo publicado em 2015 relativo a 43 países, a International Benchmarking Network for Water and Sanitation Utilities mostrou números preocupantes. Até mesmo países desenvolvidos como a Noruega tinham índices de 44% de desperdício de água. No Brasil, esse volume é – oficialmente – da ordem de 39%.

 

CINCO BOAS NOVAS

1- É possível salvar os rios salvando florestas

Recuperar matas ciliares é viável e vantajoso em termos ambientais e financeiros
Recuperar matas ciliares é viável e vantajoso em termos ambientais e financeiros

De acordo com a Fundação SOS Mata Atlântica, na Bacia do Cantareira, que abastece São Paulo, restam 21,5% da vegetação nativa. Mas recuperar apenas 3% dessa mata, segundo a organização The Nature Conservancy, pode reduzir o assoreamento nos cursos d’água em até 50%. Entre ambientalistas, recuperar as matas ciliares é viável e muito mais vantajoso, tanto ambientalmente, quanto financeiramente – obras de captação podem custar bilhões.

2- A água do esgoto pode ser potável

Bill Gates prova a água tratada pelo OmniProcessor: opção para reusar água de esgoto
Bill Gates prova a água tratada pelo OmniProcessor: opção para reusar água de esgoto

A Janicki Bioenergy, com o apoio da Fundação Bill & Melinda Gates, criou o OmniProcessor, uma planta com tecnologia de baixo custo capaz de converter esgoto em água potável, eliminar os resíduos sólidos e gerar energia. A falta de saneamento básico é um problema sério que afeta duas a cada cinco pessoas no mundo. O próximo módulo do processador produzirá 86 mil litros de água e 250 quilowatts de eletricidade por dia, com os efluentes de 100 mil pessoas.

3- A dessalinização será mais viável

Novos materiais tendem a baratear a dessalinização no futuro
Novos materiais tendem a baratear a dessalinização no futuro

Cerca de 71% da superfície da Terra está coberta de água, mas, desse total, 97% é salgada. Dessalinizar, porém, não é uma opção em conta na maioria dos casos por ter um custo energético elevado – até dez vezes mais do que a captação direta. O desenvolvimento de novos materiais, como o grafeno (forma ultrafina e extremamente resistente do carbono), pode tornar o processo mais barato no futuro. Já existem empresas e instituições de pesquisa de vanguarda, como o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), trabalhando com a tecnologia.

4- O ar é potável

Novas tecnologias multiplicam as possibilidades de captar água da atmosfera
Novas tecnologias multiplicam as possibilidades de captar água da atmosfera

Usar a umidade do ar para a obtenção de água potável não é novidade. Existem registros de que os incas captavam o orvalho para o consumo, uma espécie de reserva. Novas tecnologias têm tornado possível a captação de água da atmosfera em maiores escalas, com velocidade e custos energéticos cada vez mais baixos. Uma das tecnologias mais recentes promete gerar até 800 litros por dia, dependendo do clima, a custos acessíveis.

5- Existe água em Marte

Evidências de água em solo marciano: o recurso existe em outro astros espaço afora
Evidências de água em solo marciano: o recurso existe em outro astros espaço afora

É cedo para tirar conclusões sobre o significado da descoberta de água corrente em Marte, anunciada no ano passado. Mas a notícia é mais uma evidência importante da existência recorrente desse recurso natural pelo espaço afora. Na última década, foram encontrados registros hídricos em luas, em cometas e até em Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol. O que não quer dizer que nesses lugares haja vida como a que conhecemos, menos ainda que isso nos sirva. Se não é tanto um alento, serve como lembrete da singularidade do nosso planeta.

COMPARTILHAR