• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência08/12/2021

Primatas x cobras: como nosso último ancestral comum construiu resistência ao veneno

Cobra venenosa: a maior interação com esses répteis forçou nosso ancestral primata comum a aumentar sua resistência ao veneno. Crédito: Holger Krisp/Wikimedia Commons

08/12/21 - 12h59min

O último ancestral comum de chimpanzés, gorilas e humanos desenvolveu uma resistência aumentada ao veneno de cobra, de acordo com uma pesquisa liderada pela Universidade de Queensland (Austrália). O trabalho foi objeto de um artigo publicado na revista BMC Biology.

Os cientistas usaram técnicas de teste sem animais para mostrar que os primatas africanos e asiáticos desenvolveram resistência aos venenos de grandes cobras ativas durante o dia. Eles descobriram também que nosso último ancestral comum com chimpanzés e gorilas desenvolveu uma resistência ainda mais forte.

Segundo Richard Harris, candidato a doutorado na Universidade de Queensland, os primatas africanos e asiáticos desenvolveram resistência ao veneno após uma longa “corrida armamentista” evolutiva.

Visão aprimorada

“À medida que os primatas da África ganharam a capacidade de andar eretos e se dispersaram pela Ásia, desenvolveram armas para se defender contra cobras venenosas, isso provavelmente gerou uma corrida armamentista evolutiva e a evolução dessa resistência ao veneno”, disse Harris.

“Esta foi apenas uma das muitas defesas evolutivas – muitos grupos de primatas parecem também ter desenvolvido uma visão excelente, que os ajudou a detectar e se defender contra cobras venenosas”, prosseguiu ele. “Mas os lêmures de Madagascar e os macacos das Américas Central e do Sul, que vivem em regiões que não foram colonizadas ou têm contato próximo com cobras venenosas neurotóxicas, não desenvolveram esse tipo de resistência a venenos de cobra e têm visão mais pobre.”

“Há muito se teoriza que as cobras influenciaram fortemente a evolução dos primatas, mas agora temos evidências biológicas adicionais para apoiar essa teoria”, concluiu Harris.

A equipe estudou várias interações de toxinas de cobras com receptores nervosos sintéticos, comparando as de primatas da África e da Ásia com as de Madagascar – que não tem cobras venenosas – e as das Américas – onde as cobras aparentadas são pequenas, têm hábitos noturnos e se escondem em tocas.

Desvantagem de aptidão

O professor associado Bryan Fry, líder da equipe, disse que o estudo também revelou que, no último ancestral comum dos chimpanzés, gorilas e humanos, essa resistência aumentou drasticamente.

“Nosso movimento para baixo das árvores e mais comumente na terra significou mais interações com cobras venenosas, conduzindo assim à seleção evolutiva dessa resistência aumentada”, disse o dr. Fry. “É importante observar que essa resistência não é absoluta – não somos imunes ao veneno da cobra, apenas temos muito menos probabilidade de morrer do que outros primatas.”

“Mostramos em outros estudos que a resistência a venenos de cobra vem com o que é conhecido como uma desvantagem de aptidão, em que os receptores não fazem sua função normal tão eficientemente. Assim, há um equilíbrio delicado a ser alcançado no qual o ganho deve superar a perda”, acrescentou ele. “Nesse caso, a resistência parcial foi suficiente para ganhar a vantagem evolutiva, mas sem que a desvantagem da condição física fosse muito desgastante.”

“Estamos reconhecendo cada vez mais a importância que as cobras têm desempenhado na evolução dos primatas, incluindo a forma como nosso cérebro é estruturado, aspectos da linguagem e até mesmo o uso de ferramentas”, observou Harris. “Este trabalho revela mais uma peça no quebra-cabeça dessa complexa corrida armamentista entre cobras e primatas.”

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


África