Primeiro laboratório de pele humana do Brasil entra em funcionamento no Rio

Objetivo do laboratório é fornecer amostras de pele para testes de produtos, como alternativa ao uso de animais

Primeiro laboratório de pele humana do Brasil entra em funcionamento no Rio / Foto: Samuel Allard / Divulgação

O Rio de Janeiro ganhou, nesta segunda-feira (9), seu primeiro laboratório de produção de pele humana para testes.

O laboratório é uma filial da Episkin, empresa subsidiária da gigante de cosméticos L’Oréal, e fica no Centro de Pesquisa e Inovação, no campus do Fundão da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O objetivo do laboratório é fornecer amostras de pele para testes de produtos, como alternativa ao uso de animais. Segundo reportagem do G1, as amostras são produzidas a partir de fragmentos de pele descartados em cirurgias plásticas, doados com o consentimento dos pacientes.

Da pele doada, são extraídos queratinócitos, as principais células da epiderme, onde elas são multiplicadas sobre uma membrana de plástico, formando as camadas da pele.

A pele produzida no laboratório reage a diferentes estímulos, como a agentes químicos, luz e estresse, e pode, por exemplo, servir para que a segurança de químicos cosméticos sejam testados.

Segundo Rodrigo De Vecchi, diretor-presidente da Episkin Brasil, a cada semana são produzidos milhares de tecidos de pele e epitélios, como córnea, com um rigoroso controle de qualidade.

A UFRJ já colabora com a Episkin há sete anos. A filial do Rio é a terceira da rede, que já tem laboratórios em Lyon, na França, e em Xangai, na China.