Primeiro transplante de rim de porco para ser humano é bem-sucedido

Primeiro transplante de rim de porco para ser humano é bem-sucedido
Primeiro transplante de rim de porco para ser humano é bem-sucedido (Foto: Forest Simon/Unsplash)

O primeiro transplante de um rim de porco em um humano foi bem-sucedido. Isso é um passo importante na busca de décadas para um dia usar órgãos de animais para transplantes que salvam vidas.

Os porcos têm sido o foco destas pesquisas, mas um açúcar em suas células, chamado alfa-gal, que é estranho ao corpo humano, causa a rejeição imediata do órgão. Por isso, para que o rim possa ser aceito pelo organismo humano, o animal teve que passar por uma edição genética. O porco foi projetado para eliminar esse açúcar e evitar um ataque ao sistema imunológico.

Os cirurgiões anexaram o rim do porco a um par de grandes vasos sanguíneos fora do corpo de um receptor falecido e observaram por dois dias. O resultado foi impressionante: o rim fez o que deveria fazer, que é filtrar resíduos e produzir urina, e não desencadeou a rejeição.

“Ele tinha uma função absolutamente normal”, disse o Dr. Robert Montgomery, que liderou a equipe cirúrgica em setembro na NYU Langone Health na cidade de Nova York. “Não houve essa rejeição imediata com a qual nos preocupamos.”

Segundo o Dr. Andrew Adams, da faculdade de medicina da Universidade de Minnesota, esta pesquisa foi “um passo significativo”. Isso vai tranquilizar os pacientes, pesquisadores e reguladores “que estamos indo na direção certa”.

Os porcos têm vantagens sobre os macacos e símios. Eles são produzidos para alimentação, portanto, usá-los para órgãos levanta menos preocupações éticas. Os porcos têm ninhadas grandes, curtos períodos de gestação e órgãos comparáveis ​​aos humanos.

As válvulas cardíacas de porco também têm sido usadas com sucesso por décadas em humanos. A heparina, que dilui o sangue, é derivada do intestino do porco. Enxertos de pele de porco são usados ​​em queimaduras e cirurgiões chineses usaram córneas de porco para restaurar a visão.

No caso da NYU, os pesquisadores mantiveram o corpo de uma mulher falecida em um ventilador depois que sua família concordou com o experimento. A mulher desejava doar seus órgãos, mas eles não eram adequados para a doação tradicional.

Em dezembro, a Food and Drug Administration dos EUA aprovou a alteração do gene nos porcos Revivicor como segura para consumo humano de alimentos e medicamentos. Mas o FDA disse que os desenvolvedores precisariam enviar mais papelada antes que os órgãos de suínos pudessem ser transplantados em humanos vivos.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago