Pterossauros podem ter soluções para problemas de aeronaves atuais

Características de voo desses grandes seres voadores só agora começam a ser estudadas em detalhes por cientistas

Pterossauro gigante Hatzegopteryx começa a voar: o peso atingido por esses animais despertou a curiosidade dos cientistas para entender detalhes de como eles voavam. Crédito: Mark Witton

Os pterossauros foram os maiores animais que já voaram. Eles cruzaram os céus por 160 milhões de anos – muito mais do que qualquer espécie de pássaro moderno. No entanto, até agora, esses seres alados do passado foram amplamente negligenciados na busca de tecnologias de voo com inspiração biológica.

Em uma revisão publicada na revista “Trends in Ecology & Evolution”, pesquisadores do Reino Unido e dos Estados Unidos descrevem por que e como a fisiologia de fósseis desses seres alados poderia fornecer soluções antigas para problemas modernos de voo, como a estabilidade aérea e a capacidade dos drones de autodecolar.

“Há muitas coisas bem legais no registro fóssil que não são exploradas porque os engenheiros geralmente não olham para a paleontologia quando pensam em inspiração para o voo”, disse Liz Martin-Silverstone, pesquisadora de pós-doutorado e paleontologista da Universidade de Bristol (Reino Unido), a primeira autora do estudo.

LEIA TAMBÉM: Descobertas novas espécies de pterossauros no Saara

“Se estamos apenas procurando animais modernos em busca de inspiração, estamos realmente perdendo um grande grau da morfologia por aí e ignorando muitas opções que acho que poderiam ser úteis”, disse Martin-Silverstone.

Anteriormente, os engenheiros se concentravam muito na fisiologia das aves e insetos modernos ao projetar tecnologia aeronáutica, como drones e aviões. Eles descartavam pensar em examinar fósseis, que – por sua natureza – geralmente são incompletos. No entanto, Martin-Silverstone lembra que existem alguns fósseis de pterossauros selecionados que proporcionam uma visão extraordinariamente profunda da anatomia de suas asas, essencial para entender suas capacidades de voo.

Eficácia modelada

“Existem dois ou três fósseis de pterossauros incrivelmente preservados que permitem ver as diferentes camadas dentro da membrana da asa, fornecendo informações sobre seus componentes fibrosos. Além disso, alguns fósseis são preservados o suficiente para mostrar os anexos das asas sob o quadril”, afirmou . “Embora você não saiba exatamente o formato da asa, se os acessórios da membrana são conhecidos, é possível modelar a eficácia de diferentes formatos de asa e determinar qual seria o melhor desempenho em condições naturais.”

A análise da morfologia e da mecânica de voo prevista dessas criaturas antigas revelou novas táticas que não existem nos seres voadores modernos. Ficar suspenso no ar é um exemplo. Lançar-se no ar através de um pulo ou salto, também conhecido como lançamento balístico, é padrão em todo o reino animal. No entanto, as aves maiores requerem um início de corrida para ganhar impulso suficiente para a decolagem. Os pterossauros, por outro lado, podem ter desenvolvido um método para se lançar a partir de uma posição estacionária, apesar de alguns deles pesarem quase 300 kg.

Uma hipótese proposta pelo coautor da revisão, Mike Habib, do Instituto de Dinossauros do Museu de História Natural do Condado de Los Angeles (EUA), sugere que a membrana da asa e as ligações musculares robustas nas asas permitiam aos pterossauros gerar um salto poderoso nos cotovelos e pulsos, dando-lhes altura suficiente para ser transportados pelo ar.

“Hoje, algo como um drone requer uma superfície plana para ser lançado e é bastante restrito quanto à maneira como ele realmente parte para oo ar. A fisiologia de lançamento exclusiva dos pterossauros pode ajudar a resolver alguns desses problemas”, disse Martin-Silverstone.

Resistência à vibração

Os pterossauros também podem fornecer informações sobre como evitar a instabilidade de voo no ar. Ao contrário de como as velas podem se tornar instáveis ​​sob um vento forte, esses seres alados desenvolveram estratégias para resistir à vibração de suas grandes asas.

“Até agora, lutamos para projetar coisas como roupas de voo que resistam às pressões do voo. Se conseguimos entender como os pterossauros o fizeram, por exemplo, como a membrana da asa foi realmente estruturada, é algo que podemos usar para responder a questões modernas de engenharia”, disse ela.

Esses elementos fisiológicos únicos não se limitam apenas aos pterossauros. Outros seres voadores antigos, como o Microraptor, tinham asas de penas nos braços e pernas, enquanto um dinossauro recém-descoberto, Yi qi, tinha asas que combinavam penas com uma membrana semelhante a um morcego – um plano corporal que nunca foi repetido desde a sua extinção. Como tal, os autores dizem que muitas estratégias de voo ainda precisam ser exploradas adequadamente.

Liz Martin-Silverstone sugere que, se combinarmos nosso conhecimento de seres alados vivos e extintos, teremos uma chance muito maior de superar os obstáculos que ainda atrapalham o voo artificial. “Queremos que tanto biólogos quanto engenheiros procurem os paleontólogos quando estiverem tentando solucionar problemas de voo, pois pode haver algo extinto que possa ajudar. Se nos limitamos a olhar para os animais modernos, estamos perdendo muita diversidade que poderia ser útil.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança