Quais galáxias são as melhores apostas para abrigar vida inteligente?

Estudo americano contradiz trabalho de 2015, que apontava as galáxias elípticas gigantes como os locais cósmicos mais indicados para o desenvolvimento de civilizações tecnológicas

Galáxia elíptica: a presença mais provável de civilizações tecnologicamente avançadas nesse tipo de galáxia contradiz a regra estatística do princípio da mediocridade. Crédito: ESA/Hubble & Nasa/ Judy Schmidt

As galáxias elípticas gigantes não são lugares tão prováveis ​​quanto antes como berços de civilizações tecnológicas como a nossa, de acordo com um artigo recente de um astrofísico da Universidade do Arkansas (EUA). Seu artigo, publicado este mês na revista “Monthly Notices of the Royal Astronomical Society”, contradiz um estudo de 2015 que teorizou que galáxias elípticas gigantes teriam 10 mil vezes mais chances do que galáxias espirais (como a Via Láctea) de abrigar planetas capazes de abrigar civilizações com tecnologias avançadas.

A probabilidade aumentada, argumentavam os autores do estudo de 2015, seria porque galáxias elípticas gigantes detêm muito mais estrelas e têm baixas taxas de supernovas potencialmente letais.

Mas Daniel Whitmire, professor aposentado de astrofísica e instrutor do Departamento de Ciências Matemáticas da Universidade do Arkansas, acredita que o estudo de 2015 contradiz uma regra estatística chamada princípio da mediocridade. Também conhecido como princípio copernicano, ele afirma que, na ausência de evidência em contrário, um objeto ou alguma propriedade de um objeto deve ser considerado típico de sua classe, e não atípico.

LEIA TAMBÉM: Poeira de asteroide destruído no espaço mudou vida na Terra

Historicamente, o princípio foi empregado várias vezes para prever novos fenômenos físicos, como quando Isaac Newton calculou a distância aproximada à estrela Sírius assumindo que o Sol é uma estrela típica e comparando o brilho relativo das duas.

Problema sério

“O artigo de 2015 teve um sério problema com o princípio da mediocridade”, disse Whitmire. “Em outras palavras, por que não nos encontramos vivendo em uma grande galáxia elíptica? Para mim, isso levantou uma bandeira vermelha. Toda vez que você se vê como um fora da lei, ou seja, atípico, isso é um problema para o princípio da mediocridade.”

Ele também teve de mostrar que a maioria das estrelas – e, portanto, os planetas – reside em grandes galáxias elípticas, a fim de defender seu argumento de que o artigo anterior violava o princípio da mediocridade.

De acordo com o princípio da mediocridade, a Terra e sua sociedade tecnológica residente devem ser típicas, não atípicas, de planetas com civilizações tecnológicas em outras partes do universo. Isso significa que sua localização em uma galáxia de disco em forma de espiral também deve ser típica. Mas o artigo de 2015 sugere o contrário: a maioria dos planetas habitáveis ​​não estaria localizada em galáxias semelhantes às nossas, mas sim em grandes galáxias elípticas de formato esférico.

Radiação letal

Em seu artigo, Whitmire sugere uma razão pela qual grandes galáxias elípticas podem não ser o berço da vida: elas estavam inundadas por radiação letal quando eram mais jovens e menores, e passaram por uma série de eventos de quasares e explosões estelares de supernovas na época.

“A evolução das galáxias elípticas é totalmente diferente da Via Láctea”, disse Whitmire. “Essas galáxias passaram por uma fase inicial em que há tanta radiação que teria completamente destruído todos os planetas habitáveis ​​da galáxia – e, subsequentemente, a taxa de formação de estrelas e, portanto, de quaisquer novos planetas, foi praticamente zero. Não há novas estrelas se formando e todas as estrelas antigas foram irradiadas e esterilizadas.”

Se planetas habitáveis ​​que hospedam vida inteligente são improváveis ​​em grandes galáxias elípticas, onde reside a maioria das estrelas e planetas, então, por ausência, galáxias como a Via Láctea serão os locais principais dessas civilizações, conforme esperado pelo princípio da mediocridade, disse Whitmire.