Qual foi realmente o segredo por trás do sucesso de Van Gogh?

Avanço artístico conquistado pelo pintor holandês entre 1888 e 1890 corresponde a uma fase de “maré de sorte” mapeada em outros artistas, cientistas e diretores de cinema

"A Noite Estrelada", um dos trabalhos mais conhecidos de Van Gogh: obra pintada em seu período de "maré de sorte". Crédito: Google Arts & Culture/Wikimedia Commons

Antes de desenvolver sua famosa “técnica de gotejamento”, o artista abstrato americano Jackson Pollock se dedicou ao desenho, impressão e pinturas surrealistas de humanos, animais e natureza.

De acordo com um novo estudo da Escola Kellogg de Administração da Northwestern University (EUA), esse período exploratório seguido pela implementação de sua nova técnica de gotejamento preparou Pollock para uma “maré de sorte”, ou uma explosão de trabalhos de alto impacto agrupados em sucessão próxima. No caso de Pollock, esse foi um período de três anos, de 1947 a 1950, durante o qual ele criou todas as suas obras-primas salpicadas pelas quais ele é famoso ainda hoje.

Fórmula mágica

Ao usarem inteligência artificial para extrair grandes dados relacionados a artistas, diretores de cinema e cientistas, os pesquisadores da Northwestern descobriram que esse padrão não é incomum, mas, em vez disso, uma fórmula mágica. As marés de sorte, eles descobriram, resultam diretamente de anos de exploração (estudando diversos estilos ou tópicos) imediatamente seguidos por anos de implementação (focando em uma área estreita para desenvolver conhecimentos profundos). A pesquisa foi publicada na revista Nature Communications.

Com esse novo entendimento sobre o que desencadeia uma maré de sorte, as instituições podem criar intencionalmente ambientes que apoiam e facilitam a maré de sorte para ajudar seus membros a prosperar.

“Nem a exploração, nem a implementação sozinhas estão associadas a uma maré de sorte. É a sequência delas juntas”, disse Dashun Wang, que liderou o estudo. “Embora a exploração seja considerada um risco porque pode não levar a lugar algum, ela aumenta a probabilidade de tropeçar em uma grande ideia. Em contraste, a implementação é normalmente vista como uma estratégia conservadora. Se você utiliza o mesmo tipo de trabalho repetidamente por um longo período de tempo, pode sufocar a criatividade. Mas, curiosamente, a exploração seguida pela implementação parece mostrar associações consistentes com o início de marés de sorte.”

Wang é professor de administração e organizações na Escola Kellogg e de engenharia industrial e ciências da administração na Escola McCormick de Engenharia da Northwestern. Ele também é diretor do Centro para a Ciência da Inovação Científica e membro principal do Instituto de Sistemas Complexos da Northwestern.

Inspirado por Van Gogh

Em 2018, Wang e seus colegas publicaram um artigo na Nature caracterizando as marés de sorte nas carreiras artísticas, culturais e científicas. Depois de estabelecer que essas maré de sorte acontecem, Wang ficou motivado para descobrir o que as desencadeia. Ele encontrou uma pista ao visitar o Museu Van Gogh em Amsterdã (Holanda).

Van Gogh experimentou um avanço artístico entre 1888 e 1890. Foi nesse período que ele pintou suas obras mais famosas, incluindo A Noite Estrelada, Girassóis e Quarto em Arles. Antes disso, porém, seu trabalho era menos impressionista e mais realista. Ele também tendia a usar tons de terra sombrios em vez de cores vivas e envolventes, pelas quais é mais conhecido hoje.

“Se você olhar sua produção antes de 1888, ela estava em todo lugar”, disse Wang. “Estava cheio de pinturas de naturezas-mortas, desenhos a lápis e retratos que são muito diferentes em caráter do trabalho que ele criou durante sua fase de sucesso.”

Dados coletados

No novo estudo, a equipe de Wang desenvolveu métodos computacionais usando algoritmos de aprendizado profundo e ciência de rede. Em seguida, aplicou esses métodos a conjuntos de dados em grande escala que rastreiam a carreira de artistas, diretores de cinema e cientistas.

Em relação aos artistas, a equipe de Wang usou algoritmos de reconhecimento de imagem para extrair dados de 800 mil imagens de artes visuais coletadas em museus e galerias, que cobrem a história da carreira de 2.128 artistas, incluindo Pollock e Van Gogh. Para diretores de cinema, a equipe coletou conjuntos de dados do Internet Movie Database (IMDb), que incluiu 79 mil filmes de 4.337 diretores. Para os cientistas, a equipe analisou o histórico de carreira de 20.040 cientistas combinando conjuntos de dados de publicação e citação da Web of Science e do Google Scholar.

Wang e seus colaboradores quantificaram uma maré de sorte em cada carreira com base no impacto dos trabalhos produzidos, medido pelo preço do leilão, avaliações do IMDB e citações de trabalhos acadêmicos. Em seguida, eles correlacionaram o momento das marés de sorte com as trajetórias criativas de cada indivíduo. Olhando para as carreiras quatro anos antes e depois da maré de sorte, os pesquisadores examinaram como o trabalho de cada indivíduo mudou em torno do início de uma maré de sorte.

Implementação ‘poderosa’

A equipe descobriu que, quando um episódio de exploração não era seguido por implementação, a chance de uma maré de sorte era significativamente reduzida. Da mesma forma, a implementação por si só – que não foi precedida pela exploração – também não garantia uma maré de sorte. Mas quando a exploração era seguida de perto pela implementação, os pesquisadores notaram que a probabilidade de uma maré de sorte aumentava de forma consistente e significativa.

“Conseguimos identificar entre as primeiras regularidades subjacentes ao início das marés de sorte, que parecem universais em diversos domínios criativos”, disse Wang. “Nossas descobertas sugerem que estratégias criativas que equilibram a exploração com a implementação podem ser especialmente poderosas.”

“Esse conhecimento pode ajudar indivíduos e organizações a compreender os diferentes tipos de atividades em que se envolver – como explorar novos domínios ou implementar conhecimentos e competências existentes – e a sequência ideal a ser usada para atingir o impacto mais significativo”, acrescentou a coautora do estudo Jillian Chown, professora assistente de administração e organizações na Escola Kellogg.

Em média, uma maré de sorte dura cerca de cinco anos. Depois disso, descobriram os pesquisadores, os indivíduos voltam ao “normal” e não seguem mais nenhum padrão de exploração ou implementação.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago