Quando os humanos começaram a experimentar álcool e drogas?

A história de consumo dessas substâncias entre nós é longa e ganhou um grande incremento no continente americano

Crédito: Pikrepo

Os humanos alteram constantemente o mundo. Incendiamos campos, transformamos florestas em fazendas e criamos plantas e animais. Mas os humanos não apenas remodelam nosso mundo externo – nós projetamos nossos mundos internos e remodelamos nossas mentes.

Uma maneira de fazer isso é atualizando nosso “software” mental, por assim dizer, com mitos, religião, filosofia e psicologia. A outra é mudar nosso hardware mental – nossos cérebros. E fazemos isso com química.

Hoje, os humanos usam milhares de compostos psicoativos para alterar nossa experiência do mundo. Muitos derivam de plantas e fungos, outros nós fabricamos. Alguns, como café e chá, aumentam o estado de alerta; outros, como álcool e opiáceos, diminuem. As drogas psiquiátricas afetam o humor, enquanto as psicodélicas alteram a realidade.

Alteramos a química do cérebro por todos os tipos de razões, usando substâncias de forma recreativa, social, medicinal e ritual. Animais selvagens às vezes comem frutas fermentadas, mas há poucas evidências de que comem plantas psicoativas. Somos animais incomuns em nosso entusiasmo por ficar bêbados e drogados. Mas quando, onde e por que tudo começou?

Alto no Pleistoceno

Dado o amor da humanidade pelas drogas e pelo álcool, você pode supor que ficar chapado é uma tradição antiga, até mesmo pré-histórica. Alguns pesquisadores sugeriram que pinturas em cavernas pré-históricas foram feitas por humanos em estados alterados de consciência. Outros, talvez inspirados mais por alucinógenos do que por evidências concretas, sugerem que as drogas desencadearam a evolução da consciência humana. No entanto, há surpreendentemente poucas evidências arqueológicas para o uso de drogas pré-históricas.

Os caçadores-coletores africanos – bosquímanos, pigmeus e o povo hadzabe – provavelmente vivem suas vidas de maneira semelhante às culturas humanas ancestrais. A evidência mais contundente do uso de drogas por esses humanos primitivos é uma planta potencialmente alucinógena, !Kaishe, usada por curandeiros bosquímanos, que supostamente faz as pessoas “enlouquecerem por um tempo”. No entanto, o quanto os bosquímanos usaram drogas historicamente é debatido e, caso contrário, há poucas evidências do uso de drogas entre caçadores-coletores.

A implicação é que, apesar da diversidade de plantas e fungos da África, os primeiros humanos raramente usavam drogas, talvez para induzir transes durante os rituais, se é que usavam. Talvez seu estilo de vida significasse que raramente sentiam necessidade de escapar. Exercício, luz do sol, natureza, tempo com amigos e família – são antidepressivos poderosos. As drogas também são perigosas; assim como você não deve dirigir bêbado, é arriscado ficar chapado quando leões se escondem no mato ou uma tribo hostil espera um vale adiante.

Fora da África

Migrando para fora da África há 100 mil anos, os humanos exploraram novas terras e encontraram novas substâncias. As pessoas descobriram papoulas do ópio no Mediterrâneo e cannabis e chá na Ásia.

Muitas drogas foram descobertas fora da África. Crédito: Nicholas Longrich/Wikimedia/Google Earth; fornecido pelo autor

Os arqueólogos encontraram evidências do uso de ópio na Europa por volta de 5700 a.C. Sementes de cannabis aparecem em escavações arqueológicas em 8100 a.C. na Ásia, e o antigo historiador grego Heródoto relatou que os citas ficavam chapados com maconha em 450 a.C. O chá era fabricado na China por volta de 100 a.C.

É possível que nossos ancestrais tenham feito experiências com substâncias antes do que as evidências arqueológicas sugerem. Pedras e cerâmica preservam bem, mas plantas e produtos químicos se deterioram rapidamente. Pelo que sabemos, os neandertais podem ter sido os primeiros a fumar maconha. Mas a arqueologia sugere que a descoberta e o uso intensivo de substâncias psicoativas ocorreram principalmente tarde, após a Revolução Neolítica em 10000 a.C., quando inventamos a agricultura e a civilização.

Evidências sugerem que o uso de drogas por humanos surgiu após a Revolução Neolítica. Crédito: Nicholas Longrich; fornecido pelo autor
Os psiconautas americanos

Quando os caçadores caminharam pela ponte da Beríngia 30 mil anos atrás, no Alasca, e se dirigiram para o sul, encontraram uma cornucópia química. Aqui, os caçadores descobriram o fumo, a coca e a erva-mate. Mas, por alguma razão, os indígenas americanos eram especialmente fascinados por psicodélicos.

Os psicodélicos americanos incluíam o cacto peiote, o cacto San Pedro, glória-da-manhã, Datura, Salvia, Anadenanthera, ayahuasca e mais de 20 espécies de cogumelos psicoativos. Os indígenas americanos também inventaram a administração nasal de tabaco e alucinógenos. Eles foram os primeiros a cheirar drogas – uma prática que os europeus mais tarde tomaram emprestada.

Essa cultura psicodélica americana é antiga. Os botões da parte superior do peiote foram datados por carbono em 4000 a.C., enquanto estátuas mexicanas indicam o uso de cogumelos Psilocybe em 500 a.C. Um suprimento de 1.000 anos encontrado na Bolívia continha cocaína, Anadenanthera e ayahuasca – deve ter sido uma viagem e tanto.

Códice mixteca mostrando o uso cerimonial de cogumelos. Crédito: Museu Britânico, CC BY-NC-SA
Inventando o álcool

Um grande passo na evolução da libertinagem foi a invenção da agricultura, porque a agricultura tornou possível a bebida. Ele criou um excedente de açúcares e amidos que, amassados ​​e deixados para fermentar, magicamente se transformaram em poções potentes.

Os humanos inventaram o álcool muitas vezes de forma independente. A bebida mais antiga data de 7000 a.C., na China. O vinho foi fermentado no Cáucaso em 6000 a.C. Os sumérios fabricavam cerveja em 3000 a.C. Nas Américas, os astecas faziam pulque com os mesmos agaves usados ​​hoje para a tequila. Os incas faziam chicha, uma cerveja de milho.

Enquanto na América os psicodélicos parecem ter sido particularmente importantes, as civilizações euroasiática e africana parecem ter preferido o álcool. O vinho era fundamental para as antigas culturas grega e romana, era servido no Simpósio de Platão e na Última Ceia, e permanece incorporado no Seder judaico e nos rituais de comunhão cristã.

Civilização e intoxicação

A arqueologia sugere que o álcool e as drogas datam de milênios, nas primeiras sociedades agrícolas. Mas há poucas evidências de que os primeiros caçadores-coletores os usaram. Isso implica algo sobre as sociedades agrícolas e as civilizações que deram origem ao uso promovido de tais substâncias. Mas por quê?

É possível que grandes civilizações simplesmente impulsionem a inovação de todos os tipos: em cerâmica, têxteis, metais – e substâncias psicoativas. Talvez o álcool e as drogas também tenham promovido a civilização – beber pode ajudar as pessoas a se socializar, as perspectivas alteradas encorajam a criatividade e a cafeína nos torna produtivos. E pode ser mais seguro ficar bêbado ou chapado em uma cidade do que na savana.

Uma possibilidade mais sombria é que o uso de substâncias psicoativas se desenvolveu em resposta aos males da civilização. As grandes sociedades criam grandes problemas – guerras, pragas, desigualdades de riqueza e poder – contra os quais os indivíduos são relativamente impotentes. Talvez quando as pessoas não puderam mudar suas circunstâncias, elas decidiram mudar de ideia.

É um problema complexo. Só de pensar nisso me dá vontade de tomar uma cerveja.

* Nicholas R. Longrich é professor sênior de Biologia Evolutiva e Paleontologia na Universidade de Bath (Reino Unido).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago