• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência26/01/2022

Quantidade de nanoplástico que cai da atmosfera é espantosa

Trabalho em equipe: cientistas sobem para a estação de pesquisa no Parque Nacional Hohe Tauern, na Áustria. Crédito:
ZAMG/Niedermoser

26/01/22 - 08h50min

Em um novo estudo, o pesquisador Dominik Brunner, dos Laboratórios Federais Suíços de Ciência e Tecnologia de Materiais (Empa), juntamente com colegas da Universidade de Utrecht (Holanda) e do Instituto Central Austríaco de Meteorologia e Geofísica, está investigando quanto plástico está caindo da atmosfera sobre nós. De acordo com o estudo, alguns nanoplásticos viajam mais de 2 mil quilômetros pelo ar. Os números das medições informam que cerca de 43 trilhões de partículas de plástico em miniatura chegam à Suíça todos os anos. Os pesquisadores ainda discordam sobre o número exato. Mas, de acordo com estimativas do estudo, podem ser até 3 mil toneladas de nanoplásticos que cobrem a Suíça todos os anos, dos Alpes remotos às planícies urbanas. Essas estimativas são muito altas em comparação com outros estudos, e mais pesquisas são necessárias para verificar esses números.

O trabalho foi publicado na revista Environmental Pollution.

O estudo é um território científico inexplorado porque a disseminação de nanoplásticos pelo ar ainda é amplamente inexplorada. O resultado da pesquisa de Brunner é o registro mais preciso da poluição do ar por nanoplásticos já feito. Para contar as partículas de plástico, Brunner e seus colegas desenvolveram um método químico que determina a contaminação das amostras com um espectrômetro de massa.

Condições extremas

Os cientistas estudaram uma pequena área a 3.106 metros de altitude no topo do monte Hoher Sonnenblick, no Parque Nacional Hohe Tauern, na Áustria. Um observatório do Instituto Central de Meteorologia e Geodinâmica está localizado ali desde 1886. Atualmente, ele é dirigido pela meteorologista e pesquisadora do Ártico Elke Ludewig. Desde que as pesquisas começaram ali, no final do século 19, o observatório ficou inoperante por apenas quatro dias. A estação de pesquisa também serviu de base para o estudo sobre a disseminação de nanoplásticos em áreas remotas.

Todos os dias, e em todas as condições climáticas, os cientistas removeram uma parte da camada superior de neve em torno de um marcador às 8h e a armazenaram cuidadosamente. A contaminação das amostras por nanoplásticos no ar ou nas roupas dos cientistas foi um desafio particular. No laboratório, os pesquisadores às vezes precisavam ficar imóveis quando um colega manuseava uma amostra aberta.

A origem das minúsculas partículas foi traçada com a ajuda de dados europeus de vento e clima. Os pesquisadores podem mostrar que a maior emissão de nanoplásticos na atmosfera ocorre em áreas urbanas densamente povoadas. Cerca de 30% das partículas nanoplásticas medidas no topo da montanha são originárias de um raio de 200 quilômetros, principalmente das cidades. No entanto, os plásticos dos oceanos do mundo aparentemente também entram no ar através do spray das ondas. Cerca de 10% das partículas medidas no estudo foram sopradas para a montanha pelo vento e pelo clima a mais de 2 mil quilômetros – algumas delas do Atlântico.

Nanopartículas na corrente sanguínea

Estima-se que mais de 8,3 bilhões de toneladas de plástico tenham sido produzidas em todo o mundo até o momento, cerca de 60% das quais agora são resíduos. Esse resíduo é erodido por efeitos de intemperismo e abrasão mecânica de macro para micro e nanopartículas. Mas o plástico descartado está longe de ser a única fonte. O uso diário de produtos plásticos, como embalagens e roupas, libera nanoplásticos. As partículas nessa faixa de tamanho são tão leves que seu movimento no ar pode ser melhor comparado aos gases.

Além dos plásticos, existem todos os tipos de outras partículas minúsculas, da areia do Saara às pastilhas de freio. Ainda não está claro se esse tipo de poluição do ar representa uma ameaça potencial à saúde dos seres humanos. As nanopartículas, ao contrário das micropartículas, não acabam apenas no estômago. Elas são sugadas profundamente nos pulmões através da respiração, onde seu tamanho pode permitir que elas atravessem a barreira celular-sangue e entrem na corrente sanguínea humana. Se isso é prejudicial ou mesmo perigoso, no entanto, continua a ser pesquisado.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

atlântico