Quão fria foi a última era do gelo? Os cientistas agora sabem

Temperatura global média há 20 mil anos era 6 graus Celsius mais baixa do que a de hoje, concluíram pesquisadores americanos

Descoberta da temperatura global média do Último Máximo Glacial permite entender melhor a relação entre os níveis crescentes de dióxido de carbono atmosférico e a temperatura global média. Crédito: Crédito: Unsplash/CC0 Public Domain

Uma equipe liderada pela Universidade do Arizona (EUA) reduziu a temperatura da última era do gelo – o Último Máximo Glacial, de 20 mil anos atrás – para cerca de 7,8 graus Celsius. Suas descobertas permitem aos cientistas do clima entender melhor a relação entre os níveis crescentes de dióxido de carbono atmosférico (um dos principais gases do efeito estufa) e a temperatura global média.

O Último Máximo Glacial (LGM, na abreviatura em inglês) foi um período em que enormes geleiras cobriram cerca de metade da América do Norte, Europa e América do Sul e muitas partes da Ásia. Enquanto isso, a flora e a fauna adaptadas ao frio prosperaram.

“Temos muitos dados sobre esse período porque ele foi estudado por muito tempo”, disse Jessica Tierney, professora associada do Departamento de Geociências da Universidade do Arizona. “Mas uma questão para a qual a ciência há muito quer respostas é simples: quão fria era a era do gelo?”

LEIA TAMBÉM: Pesquisadores encontram local de degelo acentuado na Antártida

Temperatura de rastreamento

Tierney é a autora principal de um artigo publicado na revista “Nature” que descobriu que a temperatura global média da era do gelo era 6 graus Celsius mais fria do que hoje. Para fins de contexto, a temperatura global média do século 20 foi de 14 °C.

“Em sua experiência pessoal, isso pode não parecer uma grande diferença. Mas, na verdade, é uma enorme mudança”, disse Tierney.

Ela e sua equipe também criaram mapas para ilustrar como as diferenças de temperatura variavam em regiões específicas do globo.

“Na América do Norte e na Europa, as partes mais ao norte estavam cobertas de gelo e eram extremamente frias. Mesmo no Arizona, houve um grande resfriamento”, disse Tierney. “Mas o maior resfriamento ocorreu em latitudes elevadas, como o Ártico. Ali, ele foi cerca de 14 °C mais frio do que atualmente.”

Suas descobertas se encaixam na compreensão científica de como os polos da Terra reagem às mudanças de temperatura.

“Os modelos climáticos preveem que as latitudes altas ficarão mais quentes mais rapidamente do que as latitudes baixas”, disse Tierney. “Quando você olha para as projeções futuras, fica muito quente no Ártico. Isso é conhecido como amplificação polar. Da mesma forma, durante o LGM, encontramos o padrão reverso. Latitudes mais altas são simplesmente mais sensíveis às mudanças climáticas e permanecerão assim no futuro.”

Presença do carbono

Saber a temperatura da era do gelo é importante porque ela é usada para calcular a sensibilidade climática, ou seja, o quanto a temperatura global muda em resposta ao carbono na atmosfera.

Tierney e sua equipe determinaram que para cada duplicação do carbono atmosférico, a temperatura global deve subir 3,4 °C, o que está no meio da faixa prevista pela última geração de modelos climáticos (1,8 °C a 5,6 °C).

Os níveis de dióxido de carbono na atmosfera durante a era do gelo eram cerca de 180 partes por milhão, o que é muito baixo. Antes da Revolução Industrial, os níveis subiram para cerca de 280 partes por milhão e hoje atingem 415 partes por milhão.

“O Acordo de Paris queria manter o aquecimento global em não mais que 1,5 °C em relação aos níveis pré-industriais, mas com os níveis de dióxido de carbono aumentando do jeito que estão, seria extremamente difícil evitar mais de 2 °C de aquecimento”, disse Tierney. “Já temos cerca de 1,1 °C incorporado, mas quanto menos aquecermos, melhor, porque o sistema terrestre realmente responde às mudanças no dióxido de carbono.”

Novos modelos

Como não havia termômetros na era do gelo, Tierney e sua equipe desenvolveram modelos para traduzir dados coletados de fósseis de plâncton oceânico em temperaturas da superfície do mar. Eles então combinaram os dados fósseis com simulações de modelos climáticos do LGM usando uma técnica chamada assimilação de dados, que é usada na previsão do tempo.

“O que acontece em um escritório meteorológico é que medem temperatura, pressão, umidade e usam essas medições para atualizar um modelo de previsão e prever o tempo”, disse Tierney. “Aqui, usamos o modelo climático do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica de Boulder, Colorado, para produzir um cálculo estatístico do LGM. Em seguida, atualizamos esse cálculo com os dados reais para prever como era o clima.”

No futuro, Tierney e sua equipe planejam usar a mesma técnica para recriar períodos quentes no passado da Terra.

“Se pudermos reconstruir climas quentes do passado”, disse ela, “então poderemos começar a responder a perguntas importantes sobre como a Terra reage a níveis realmente altos de dióxido de carbono. Com isso, poderemos melhorar nossa compreensão do que as mudanças climáticas futuras podem trazer.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança