Rachmaninoff foi compositor que mais inovou, para modelo de computador

No estudo, Bach, Brahms e Mendelssohn vieram a seguir, enquanto Beethoven não chamou muita atenção

Rachmaninoff: inovação inclusive sobre suas próprias obras anteriores. Crédito: 미상/Wikimedia

O russo Sergei Rachmaninoff (1873-1943), seguido por Bach, Brahms e Mendelssohn, foi o mais inovador dos compositores que trabalharam durante as eras barroca, clássica e romântica da música (1700 a 1900), de acordo com um estudo publicado na revista de acesso aberto “EPJ Data Science”.

Pesquisadores da Escola de Pós-Graduação em Tecnologia da Cultura do KAIST (Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia), da Coreia do Sul, calcularam notas de influência e novidade para 900 composições clássicas de piano escritas por 19 compositores entre aproximadamente 1700 e 1900. As notas foram baseadas sobre como as composições musicais diferiam de todas as peças anteriores da música para piano e como elas diferiam das obras anteriores para piano do mesmo compositor. Os autores descobriram que os compositores da era romântica (1820 a 1910) tendiam a ter altos índices de novidades.

Os autores da pesquisa criaram um modelo de computador que dividia cada composição em segmentos chamados “palavras-código”. Cada palavra-código consistia em todas as notas tocadas juntas em um determinado momento. As sequências de palavras- código foram então comparadas entre composições. As semelhanças entre as sequências foram usadas para criar partituras de novidades para cada compositor e determinar até que ponto os compositores se influenciaram.

LEIA TAMBÉM: Algoritmo identifica autoria real em músicas de Lennon e McCartney

Estilos influentes

Juyong Park, o autor correspondente do estudo, disse: “Nosso modelo nos permite calcular o grau de melodias e harmonias compartilhadas entre obras passadas e futuras e observar a evolução dos estilos musicais ocidentais, demonstrando como compositores proeminentes podem ter se influenciado. O período de música que estudamos é amplamente creditado por ter produzido muitos estilos musicais que ainda hoje são influentes”.

O modelo distinguia cada novo período musical do anterior, com o surgimento de compositores recém-dominantes e altamente influentes, que indicavam mudanças dramáticas nos estilos musicais. Os autores descobriram que as composições do período clássico (1750 a 1820) tendiam a ter os menores escores de novidades. Durante esse período, Haydn e Mozart foram altamente influentes, mas mais tarde foram superados por Beethoven durante o período de transição Clássico-Romântico.

O compositor mais inovador, indicado pela maior pontuação combinada de novidades, foi Rachmaninoff. Seu trabalho durante a era romântica era novo quando comparado às composições dos outros 18 compositores incluídos no estudo, e seus trabalhos posteriores eram novos em comparação com seus trabalhos anteriores.

Novidade e influência

Um grau mais baixo de novidade não se correlacionou necessariamente com baixa influência. Beethoven foi classificado na metade inferior das pontuações de novidades, mas foi o compositor mais influente durante o período romântico (1820 a 1910) e é amplamente considerado um dos maiores compositores de todos os tempos.

Park disse: “Embora a novidade seja necessária em um trabalho criativo, ela não pode explicar todas as qualidades criativas e artísticas que criam melodias e harmonias que se espalham para as gerações posteriores de compositores. Talvez seja por isso que ser mais inovador não tenha necessariamente resultado em compositores serem mais influentes”.

Os autores do estudo sugerem que seu método pode ser aplicado a obras de arte narrativas ou visuais, criando palavras-código a partir de grupos de palavras ou cores e formas. No entanto, eles alertam que, como apenas as composições para piano foram incluídas em suas análises, não se sabe se a inclusão de todas as obras dos 19 compositores resultaria na identificação de outro compositor como o mais original.