Racismo: enfrentando o impensável

O racismo, seja sistêmico ou “comum”, permanece profundamente enraizado nas mentes e no funcionamento das sociedades contemporâneas, argumenta a escritora e acadêmica Véronique Tadjo

A estátua do explorador italiano Cristóvão Colombo derrubada por manifestantes em Minnesota (EUA) em junho de 2020 foi uma das várias obras associadas à escravidão e à colonização que foram postas abaixo durante manifestações nacionais americanas. Crédito: Tony Webster/Flickr

Imagens de George Floyd, um homem algemado que foi sufocado e morto por um policial em Minneapolis (EUA) em 25 de maio de 2020 – postadas na internet e depois coletadas pela mídia internacional – geraram protestos em todo o mundo e trouxeram a questão do racismo de volta aos holofotes.

Por um tempo, podemos ter alimentado a ilusão de que estamos vivendo em uma era pós-racial. As eleições de Nelson Mandela como o primeiro presidente negro da África do Sul em 1994 (a 1999) e de Barack Obama, o primeiro chefe de estado negro dos Estados Unidos em 2008 (que serviu como presidente de 2009 a 2017) foram momentos importantes que contribuíram para esse sentimento. Um otimismo semelhante prevaleceu na França, onde os valores republicanos pareciam ter superado a noção de raça, que estava condenada à obsolescência.

No entanto, o racismo “comum” nunca deixou de permear nossas vidas diárias, alimentando-se de discriminações e preconceitos. Às vezes sutil, muitas vezes frontalmente, ele se apoia em três pilares, de acordo com a antropóloga genética e etnobióloga francesa Évelyne Heyer e a historiadora Carole Reynaud-Paligot, que trabalharam em uma exposição (2017-2018) no Musée de l’homme (Museu da Humanidade) em Paris. São eles: “categorizar os indivíduos em grupos (o que é um reflexo do cérebro humano, mas os critérios de classificação variam de acordo com os contextos sócio-históricos); hierarquizá-los (alguns são valorizados ou desvalorizados por razões arbitrárias); e essencializá-los – ou apresentar essas diferenças como intransponíveis ou inevitáveis, porque são hereditárias”.

LEIA TAMBÉM:

Rejeição do Outro

Essa rejeição do Outro assume muitas formas. Não poupa celebridades – manifestando-se, por exemplo, na zombaria de um jogador de futebol negro ou no desencadeamento das redes sociais contra políticos negros. Na maioria das vezes, porém, são os cidadãos comuns que são as vítimas – pois eles lutam para encontrar moradia ou emprego por causa de sua origem racial. Essa atitude discriminatória geralmente é rejeitada pelo público em geral. Reconhecida como prejudicial à coesão social, é correta ou incorretamente atribuída ao pensamento reacionário.

De acordo com o psiquiatra e filósofo Frantz Fanon, um dos principais defensores da descolonização, “o racismo não é o todo, mas o mais visível, o mais cotidiano e, para não me importar, o elemento mais cru de uma determinada estrutura”.

É essa estrutura que chamamos de “racismo sistêmico”. Mais pernicioso e, portanto, mais difícil de expor, está oculto até mesmo no funcionamento do Estado. Para quem nunca foi confrontado com essas formas de racismo, é fácil negar que elas existem. Não existem leis que censuram as diferentes formas de discriminação? Na França, a primeira lei nacional contra o racismo, que data de 1º de julho de 1972, foi emendada e aprimorada várias vezes. Além disso, existem várias convenções europeias e internacionais que podem ser utilizadas para condenar abusos. Mas as leis por si só não são suficientes para conter a discriminação cotidiana. É preciso fazer mais.

Racismo sistêmico

A extensão do racismo sistêmico não pode ser compreendida reduzindo-o a atos isolados. Trata-se da inferiorização de certos grupos minoritários, historicamente considerados subordinados – pelo legado da escravidão e/ou colonização. Em uma sociedade dita democrática, ele se infiltra no sistema de aplicação da lei (discriminação racial e violência policial), no sistema prisional (maior número de presos e penas mais pesadas), no sistema de educação (fracasso escolar), no sistema de saúde (acesso limitado à saúde), no mundo do trabalho (maiores taxas de desemprego) e na mobilidade social (conjuntos habitacionais e bairros populares) – a lista não é exaustiva.

De acordo com a historiadora Laure Murat, diretora do Centro de Estudos Europeus e Russos da Universidade da Califórnia em Los Angeles, o racismo sistêmico é “um monopólio institucional que na maioria das vezes perpetua uma cultura – [que é] sexista, racista, violenta”.

As manifestações que ocorreram em todo o mundo em apoio ao movimento Black Lives Matter (BLM) dos EUA são a expressão de uma consciência da natureza multifacetada do racismo – que abre caminho para diferentes formas de abuso (como antissemitismo, islamofobia, homofobia, sexismo, transfobia, etc.). O contexto da pandemia de covid-19 – marcada por sua experiência coletiva de confinamento, sofrimento e morte – sem dúvida acentuou a sensibilidade pública para essa tragédia.

Manifestação de apoio ao Black Lives Matter em Estocolmo (Suécia), em junho de 2020: percepção internacionalizada da injustiça social. Crédito: Frankie Fouganthin/Wikimedia
Mobilização das massas

O Black Lives Matter é parte da história da luta dos negros americanos pela igualdade racial – desde o início da escravidão nas plantações dos estados do sul dos EUA no século 18, até a luta pelos direitos civis na década de 1960 – que acabou com a segregação em público locais, transporte e sistema de ensino.

Esse movimento tira sua força de lutas e vitórias passadas, mesmo que não tenham levado à erradicação do racismo da sociedade americana. Mas é impressionante notar que conseguiu mobilizar as massas em torno da ideia de uma internacionalização da injustiça social.

Seja na França, no Reino Unido, na Alemanha, na Austrália ou na África do Sul, as denúncias de brutalidade policial e outras formas de exclusão se multiplicaram – e levaram à rejeição coletiva da opressão, humilhação e dominação.

Resistência à mudança

No entanto, alguma resistência à mudança é esperada. Depois de sinais e slogans antirracistas, de grandes marcas comerciais usano publicidade mais inclusiva e livrarias correndo para promover obras de autores negros e livros sobre racismo, uma reviravolta é possível.

Confrontado com os danos materiais durante muitas dessas manifestações e o medo da desordem pública, o apoio ao antirracismo pode diminuir – e dar lugar a confrontos entre grupos hostis, qualquer desafio ao status quo ou a confrontos violentos com as forças de segurança.

Nesse contexto, a derrubada de monumentos ao racismo já se mostrou polêmica. O fato de o BLM não ter um centro real também é um obstáculo. O movimento parece ter se dividido e está lutando para controlar o extremismo de uma minoria de militantes muito ativos.

Para mudar a sociedade, o ímpeto da solidariedade deve ir além de protestos e símbolos. “Mas se não houvesse“ divisões ”e se todos estivessem sempre de acordo em tudo, não precisaríamos de democracia”, nos lembra Jan-Werner Müller, professor de política da Universidade de Princeton (EUA) em um artigo de opinião no diário francês “Libération”, em 30 de junho de 2020. “A democracia é uma questão de regular os conflitos (pelas constituições e, em particular, pelos direitos fundamentais). Em uma democracia, a unanimidade não é um valor em si.”

Combater o racismo não é ajudar os negros, mas construir uma sociedade em que as diferenças sejam respeitadas e em que haja igualdade de oportunidades para todos.

 

* Escritora, acadêmica e artista que nasceu em Paris e cresceu em sua terra natal, a Costa do Marfim, Véronique Tadjo(o link é externo)é autora de vários livros, incluindo Far from My Father, seu romance mais recente. Ela agora divide seu tempo entre Londres e Abidjan. 

 

Outras informações

* The Unesco Courier against Racism: seleção de questões e artigos da revista sobre o assunto.

* Coalizão Internacional de Cidades Inclusivas e Sustentáveis ​​(ICCAR)

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança