Raios caem mais de 100 milhões de vezes por ano nos trópicos

Segundo estudo, cada raio que atinge florestas da região intertropical danifica em média 23,6 árvores e mata 5,5 delas

Imagem de uma encosta em uma seção da floresta na ilha de Barro Colorado, no Panamá. A árvore morta no centro da foto foi atingida diretamente por um raio, que também matou ou danificou muitas de suas vizinhas menores. Crédito: Evan Gora

Pesquisadores do Instituto Smithsoniano de Pesquisa Tropical (STRI, na sigla em inglês), no Panamá, publicaram mapas dramáticos mostrando os locais de descargas elétricas nos trópicos na revista “Global Change Biology”. Com base em dados terrestres e de satélite, eles estimam que mais de 100 milhões de raios atingem a terra a cada ano e alteram radicalmente florestas e outros ecossistemas da região entre o Trópico de Câncer e o Trópico de Capricórnio.

“O raio influencia a capacidade das florestas de armazenar biomassa e, portanto, carbono, porque tende a atingir as maiores árvores”, disse Evan Gora, aluno de pós-doutorado na STRI que concluiu recentemente seu doutorado na Universidade de Louisville (EUA). “E os relâmpagos também podem ser muito importantes nos ecossistemas de savana.”

Como são difíceis de estudar, os raios foram negligenciados como um agente de mudança nas florestas tropicais. Ali, os pesquisadores concentram sua energia em distúrbios mais óbvios, como seca, fogo e ventos fortes.

LEIA TAMBÉM: Relâmpago ocorrido no Brasil com 700 km de comprimento bate recorde

Em um estudo anterior, o primeiro a examinar os efeitos dos raios em uma paisagem de floresta tropical, a mesma equipe descobriu que os raios provavelmente matam metade das maiores árvores de uma floresta panamenha.

Pesquisa ampliada

O ecologista tropical Steve Yanoviak, coautor do estudo e professor da Universidade de Louisville, que estuda formigas na copa da floresta tropical – e muitas vezes pensou no papel dos raios ao subir em árvores –, convidou os pesquisadores de raios Jeffrey Burchfield e Phillip Bitzer, da Universidade do Alabama em Huntsville (EUA), para instalar detectores de raios na Estação de Pesquisa da ilha de Barro Colorado da STRI.

“Descobrimos que um raio danifica um total de 23,6 árvores e mata 5,5 delas por ano, em média”, disse Yanoviak.

Relâmpago na estação de pesquisa da ilha de Barro Colorado, no Panamá: fenômeno atmosférico danifica mais de 830 milhões de árvores tropicais por ano. Crédito: Jeff Burchfield, Universidade do Alabama em Huntsville

Agora, a equipe está pesquisando como os raios afetam os ecossistemas tropicais em todos os lugares. Gora liderou o esforço para mapear as contagens de descargas atmosféricas com base em imagens da Rede Global de Raios da Earth Networks (ENGLN, na sigla em inglês) em um mapa de ecossistemas tropicais criado usando categorias de cobertura da terra do Programa Internacional de Geosfera-Biosfera e a Grade de Modelagem de Clima de Cobertura da Terra do Moderate-Resolution Imaging Spectroradiometer (Modis).

Com base em dados de satélite sobre locais de quedas de raios e efeitos no solo de cerca de 92 relâmpagos, incluindo muitos do estudo anterior, Gora e seus colegas estimaram que os raios danificam aproximadamente 832 milhões de árvores tropicais a cada ano. Cerca de um quarto das árvores provavelmente morre devido aos ferimentos.

Sobrevivência e morte

Gora e seus colegas perguntaram se havia uma conexão entre o número de descargas atmosféricas e o tipo de ecossistema, suas variáveis ​​de biomassa e clima, como chuvas e temperatura. Eles descobriram que os raios eram mais frequentes nas florestas, savanas e áreas urbanas do que nas pastagens, matagais e áreas de cultivo.

As florestas que sofrem mais descargas atmosféricas a cada ano têm menos árvores grandes por hectare. Isso talvez se explique porque as grandes árvores individuais nessas florestas se destacam mais, por haver taxas mais altas de renovação da biomassa lenhosa (mais biomassa morre a cada ano) e menos biomassa acima do solo.

Mas ainda existem questões importantes. Ninguém sabe por que algumas árvores sobrevivem a raios enquanto outras morrem, embora seja provável que as árvores tenham desenvolvido formas de lidar com uma ameaça tão comum.

E, à medida que a mudança climática acelera, o ar quente poluído sobre as cidades também pode aumentar o número de relâmpagos por lá. Quais serão os efeitos na vegetação em áreas urbanas?

“Esta é a melhor evidência até o momento de que o raio é um distúrbio importante que influencia a dinâmica e a estrutura das florestas tropicais”, disse Helene Muller-Landau, cientista da equipe do STRI e coautora do estudo. “Suspeitamos que nosso estudo subestime amplamente o efeito total dos raios. Os relâmpagos podem desempenhar um papel importante na biomassa florestal/ciclo do carbono, não apenas nas florestas tropicais, mas também em outros ecossistemas tropicais.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança