• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured05/08/2022

Realizado 1º teletransporte holográfico internacional do mundo

Teletransporte: o de corpos, como em “Jornada nas Estrelas”, ainda está no reino da ficção, mas o de hologramas já é possível. Crédito: Paramount

05/08/22 - 09h21min

O teletransporte holográfico soa como algo saído de Jornada nas Estrelas, mas em vez de uma sala específica de uma nave interestelar da ficção científica, uma conquista tecnológica mundial ocorreu em uma sala de reuniões no campus da University of Western Ontario (Canadá) recentemente.

O termo teletransporte holográfico, ou holoporte, é uma combinação de holograma e teletransporte: quando um holograma de uma pessoa ou objeto é transmitido instantaneamente para outro local.

Na tarde de 27 de julho, um pequeno grupo de estudantes do Institute for Space Exploration (Western Space) da University of Western Ontario se reuniu para testemunhar e participar da primeira demonstração internacional de holoporte do mundo. “Tivemos a incrível oportunidade de demonstrar o primeiro teletransporte holográfico internacional de duas vias”, disse o dr. Adam Sirek, cofundador da empresa Leap Biosystem, líder do projeto e membro do corpo docente da Escola Schulich de Medicina e Odontologia da University of Western Ontario e do Western Space.

Em abril, a Nasa holoportou com sucesso um médico para a Estação Espacial Internacional (ISS), que se tornou o primeiro “holonauta”. Mas a demonstração do Western Space de 27 de julho foi a primeira vez em que alguém cruzou fronteiras internacionais por meio de teletransporte holográfico.

Crédito: University of Western Ontario

Uso no mundo real

“Transportamos uma pessoa do Alabama [EUA] para London, província de Ontário [Canadá], e então cada um dos alunos aqui no projeto foi capaz de se holotransportar instantaneamente em forma holográfica para Huntsville, Alabama”, disse Sirek.

Ele brincou sobre a equipe cruzar a fronteira sem ter que pagar uma passagem aérea, mas dentro da piada rápida vem uma pepita de verdade sobre o vasto potencial dessa tecnologia.

A equipe, composta em grande parte por graduandos de medicina, está explorando a maneira como essa tecnologia futurista pode ser usada no mundo real. Quer se trate de pessoas se comunicando ou prestando assistência e cuidados médicos a áreas remotas, mesmo na Estação Espacial internacional, as possibilidades estão apenas começando a ser compreendidas.

Possibilidades fascinantes

A tecnologia para teletransporte holográfico vem de um hardware desenvolvido pela Microsoft e de um software da Aexa Aerospace, sediada em Houston (EUA). A Aexa fez parceria com a empresa ocidental e canadense Leap Biosystems para explorar aplicações médicas para a tecnologia, o que levou à demonstração do primeiro teletransporte holográfico internacional.

A inovação envolve uma câmera especial que cria uma imagem holográfica de um indivíduo, a qual é então enviada ao destino de sua escolha. O usuário do outro lado está usando um dispositivo chamado hololente, não muito diferente dos fones de ouvido para jogos de realidade virtual. Através das hololentes o indivíduo pode ver a imagem holográfica dentro de seu ambiente. Se ambos estiverem usando uma hololente, eles podem interagir em seus ambientes como se estivessem realmente lá.

Embora a novidade de viajar uma grande distância instantaneamente seja fascinante, para o estudante de medicina e estagiário do projeto Adam Levschuk as possibilidades de assistência médica são mais emocionantes. “É como o melhor dos dois mundos entre medicina e engenharia”, disse ele. “As aplicações que estou analisando em particular são a facilitação de exames físicos que um médico normalmente faria em uma sala de exames.”

Embora ainda haja trabalho a ser feito para tornar realidade a realização de um exame médico virtual sobre as hololentes, Levschuk disse que está animado por ter a oportunidade de explorar as possibilidades.

Economias de custos

Ele também tem o direito de se gabar de dizer que tentou o primeiro aperto de mão virtual através das fronteiras internacionais. “Toda vez que você o coloca e vê o holograma aparecer na sua frente, ainda é um pouco chocante”, comentou. “Eu poderia estender a mão e praticamente apertar a mão da pessoa do outro lado da linha.”

O estudante de medicina e estagiário do projeto Alex Zhou disse que as implicações da tecnologia podem ser enormes para o acesso aos cuidados de saúde em locais remotos. “Este é o futuro dos cuidados de saúde em termos de acesso a comunidades remotas, ambientes remotos e fornecimento de acesso rural à saúde”, avaliou ele.

Sirek concordou com Zhou, enfatizando que o custo da tecnologia atualmente é de cerca de US$ 5 mil (cerca de R$ 26 mil), o que, quando comparado ao custo de evacuações médicas ou mesmo viagens para exames, leva a concluir que esse tipo de tecnologia pode ter potencial para grandes economias de custos para os serviços de saúde. “Isso pode afetar vários fatores, incluindo o acesso de médicos a essas áreas (remotas) e o licenciamento de médicos. Acho que será um divisor de águas muito grande para os cuidados de saúde rurais.”

Desafios para a engenharia

Mas com a promessa de novas tecnologias há inevitavelmente limitações e obstáculos a serem superados – e é aí que entra o lado da engenharia do projeto.

Jocelyn Whittal, estudante do terceiro ano de engenharia da University of Western Ontario, viu-se fazendo parte da equipe depois de ser incentivada a se candidatar por um de seus professores. “No que diz respeito às hololentes, estou analisando quais biossensores podem ser realmente fáceis e também muito úteis para integrar a eles”, disse Whittal. “Se seria como monitorar a frequência cardíaca, a saturação de oxigênio ou até mesmo observar a háptica”. (Háptica é a ciência e tecnologia de transmissão e compreensão de informações através do toque, que com um holograma é atualmente um obstáculo.)

Embora a tecnologia possa transportar a imagem de uma pessoa através das fronteiras, ela ainda não pode interagir com o toque, que é uma grande parte de um exame médico. No entanto, Whittal disse que espera obter a háptica como parte das hololentes no futuro. “Sinto-me como o Homem de Ferro”, ela comentou.

Próximos passos

Sirek está entusiasmado com as possibilidades da tecnologia, que não se limitam ao grande escopo do espaço ou à melhoria dos cuidados médicos.

Talvez uma das possibilidades mais acessíveis dessa tecnologia para o público em geral seja seu potencial de conectar pessoas. Reuniões virtuais são a norma agora, mas com hololentes e teletransporte holográfico, a experiência física e tridimensional pode se tornar um padrão.

“Olhamos para isso novamente de uma perspectiva espacial; não seria bom se você estivesse em uma missão de três meses na estação espacial e pudesse descer e sentar na sala (em casa) para um jantar em família?”

Sirek disse que uma das partes mais empolgantes é ver essa nova geração de alunos assumindo os desafios de hoje para um mundo melhor e mais conectado amanhã. “Temos três alunos de graduação que estão estudando tecnologia avançada e potencialmente demonstrando isso para líderes e tomadores de decisão para o futuro do Canadá. Nossos alunos estão ativamente envolvidos em ultrapassar os limites do que a nova tecnologia pode fazer.”

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Adam Levschuk