• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência03/06/2022

Ressonância magnética do cérebro é ótima para prever preferência política

Crédito: kalhh/Pixabay

03/06/22 - 13h02min - Atualizado em 03/06/22 - 13h03min

Ressonâncias magnéticas cerebrais de pessoas feitas enquanto realizavam várias tarefas – e até não faziam nada – previram com precisão se elas eram politicamente conservadoras ou liberais, de acordo com o maior estudo do gênero.


+ Os 5 signos mais assumidamente loucos do zodíaco
+ Os 4 signos mais safados na cama
+ Seca extrema leva cidade de 3.400 anos a emergir do rio Tigre no Iraque

Os pesquisadores descobriram que as “assinaturas” no cérebro reveladas pelos exames eram tão precisas para prever a ideologia política quanto o preditor mais forte geralmente usado na pesquisa de ciência política, que é a ideologia dos pais de uma pessoa.

“Podemos entender o comportamento político olhando apenas para o cérebro? A resposta é um ‘sim’ bastante retumbante”, disse o coautor do estudo Skyler Cranmer, professor de ciência política na Universidade Estadual de Ohio (EUA). “Os resultados sugerem que as raízes biológicas e neurológicas do comportamento político são muito mais profundas do que pensávamos anteriormente.”

Regiões específicas

O estudo, publicado recentemente na revista PNAS Nexus, é o maior até hoje a usar imagens de ressonância magnética funcional (fMRI) do cérebro para estudar ideologia política. É também um dos poucos a examinar a conectividade funcional em conexão com a ideologia – uma abordagem de todo o cérebro que examinou quais partes do cérebro mostraram padrões semelhantes de atividade ao mesmo tempo ao realizar tarefas específicas, indicando que estão se comunicando entre si.

Os pesquisadores usaram técnicas de inteligência artificial de última geração e os recursos do Ohio Supercomputer Center para analisar as ressonâncias. Eles encontraram correlações entre os resultados dos exames e os relatos dos participantes sobre sua ideologia em uma escala de seis pontos, de “muito liberal” a “muito conservador”.

O estudo mostrou que as ativações de regiões específicas do cérebro – a amígdala, o giro frontal inferior e o hipocampo – foram mais fortemente associadas à filiação política.

Os dados vieram do projeto Bem-Estar da Universidade Estadual de Ohio, que envolveu 174 adultos saudáveis ​​que realizaram tarefas padrão frequentemente usadas em experimentos científicos enquanto estavam em um scanner de ressonância magnética.

Neuroimagem revela como ideologia afeta a percepção racial
Em plena Matrix: como redes sociais nos deixam isolados, tribais e com medo
O poder da burrice

Relação visível

“Nenhuma das oito tarefas foi projetada para provocar respostas partidárias”, disse a coautora do estudo Seo Eun Yang, agora professora assistente de ciência política na Northeastern University (EUA), que fez o trabalho como doutoranda na Universidade Estadual de Ohio. “Mas descobrimos que as ressonâncias de todas as oito tarefas estavam relacionadas ao fato de os indivíduos serem identificados como liberais ou conservadores.”

De fato, mesmo quando se solicitou aos participantes que se sentassem quietos e não pensassem em nada em particular, os exames resultantes mostraram uma relação com a ideologia política, disse o coautor James Wilson, professor assistente de psiquiatria e bioestatística da Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh (EUA). “Mesmo sem nenhum estímulo, a conectividade funcional no cérebro pode nos ajudar a prever a orientação política de uma pessoa”, disse Wilson.

Embora as ressonâncias de todas as oito tarefas fossem preditivas da ideologia dos participantes, três dessas tarefas tinham ligações particularmente fortes.

Resposta emocional

Uma foi uma tarefa de empatia, na qual os participantes veem fotos de pessoas com rostos neutros, felizes, tristes e com medo. A segunda tarefa examinou a memória episódica, e a terceira foi uma tarefa de recompensa em que os participantes podiam ganhar ou perder dinheiro com base na rapidez com que apertavam um botão.

Somente as ressonâncias da tarefa de recompensa puderam prever o extremismo político – aqueles que se diziam muito conservadores ou muito liberais. E apenas a tarefa de empatia (rostos emocionais) foi significativamente associada à ideologia moderada.

“Mais trabalho precisa ser feito para entender a relação da tomada de decisões de recompensa com visões políticas extremas”, disse Wilson. “Os resultados com a tarefa de empatia sugerem que o pensamento político pode estar intimamente ligado à emoção e à resposta emocional.”

Para Cranmer, embora esse estudo tenha encontrado uma ligação entre as assinaturas cerebrais e a ideologia política, não pode explicar o que causa o quê. Ele comentou: “O que não sabemos é se essa assinatura cerebral existe por causa da ideologia que as pessoas escolhem ou se a ideologia das pessoas é causada pelas assinaturas que encontramos. Também pode ser uma combinação de ambos, mas nosso estudo não tem dados para responder a essa questão”.

Modelo ainda melhor

O fato de as ressonâncias magnéticas cerebrais terem se saído tão bem em prever a preferência política quanto o padrão da ideologia dos pais foi impressionante por si só, disseram os pesquisadores. Mas quando os resultados cerebrais foram combinados com indicadores demográficos e socioeconômicos, como idade, sexo, renda e educação, o modelo resultante foi ainda melhor em prever ideologia do que a orientação política dos pais.

“A conectividade funcional e todas as respostas baseadas em pesquisas forneceram os recursos preditivos mais fortes de qualquer modelo que consideramos”, disse Yang.

Cranmer observou como esse estudo foi diferente de outros que também usaram ressonâncias magnéticas cerebrais para examinar a ideologia. “Olhamos para o cérebro como um sistema complexo de regiões interagindo umas com as outras para produzir esses comportamentos”, disse ele. “A maioria dos outros estudos analisou uma região do cérebro isoladamente para ver como ela foi ativada ou não quando foram submetidas a estímulos políticos.”

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


amígdala