Rios no norte da África revelam quando o Saara foi verde

Análise de núcleos de sedimentos do Mediterrâneo associada a modelos do sistema terrestre conta a história das principais mudanças ambientais no norte da África nos últimos 160 mil anos

Gravura de girafas perto de Gobero, no Níger, com cerca de 8 mil anos de idade, é testemunho dos tempos verdes no Saara. Crédito: Mike Hettwer, 2006, www.hettwer.com

Grandes partes do atual deserto do Saara eram verdes há milhares de anos. Gravações pré-históricas de girafas e crocodilos testemunham isso, assim como uma pintura em cavernas da Idade da Pedra no deserto que mostra até humanos nadando. No entanto, essas ilustrações fornecem apenas uma imagem aproximada das condições de vida.

Recentemente, percepções mais detalhadas foram obtidas a partir de núcleos de sedimentos extraídos do Mar Mediterrâneo na costa da Líbia. Uma equipe de pesquisa internacional examinou esses núcleos e descobriu que as camadas do fundo do mar contam a história das principais mudanças ambientais no norte da África nos últimos 160 mil anos. Cécile Blanchet do Centro Alemão de Pesquisa de Geociências GFZ, e colegas da Alemanha, Coreia do Sul, Holanda e dos EUA relatam isso na revista “Nature Geoscience”.

Junto com o Centro Helmholtz de Pesquisa Oceânica (Geomar Helmholtz Center for Ocean Research Kiel), uma equipe de cientistas organizou um cruzeiro de pesquisa no navio holandês Pelagia para o Golfo de Sirte em dezembro de 2011. “Suspeitamos que quando o deserto do Saara era verde, os rios que atualmente estão secos teriam estado ativos e trazido partículas para o Golfo de Sirte”, diz Blanchet, autora principal do estudo. Esses sedimentos ajudariam a entender melhor o momento e as circunstâncias da reativação desses rios.

Pistões com sedimentos aguardam análise. Seu conteúdo conta a história de rios fluindo através de um Saara verde. Ao fundo, a autora principal do estudo, Cécile Blanchet. Crédito: Anne Osborne
História de mudanças climáticas

Usando um método chamado “testemunhador a pistão”, os cientistas conseguiram recuperar colunas de lama marinha com 10 metros de comprimento. “Pode-se imaginar um cilindro oco gigante sendo empurrado para o fundo do mar”, diz a coautora Anne Osborne, do Geomar, que estava a bordo do navio de pesquisa. “As camadas de lama marinha contêm fragmentos de rocha e restos vegetais transportados do vizinho continente africano. Também estão cheias de conchas de microrganismos que cresceram na água do mar. Juntas, essas partículas de sedimento podem nos contar a história de mudanças climáticas passadas”, explica Blanchet.

“Combinando as análises de sedimentos com os resultados de nossa simulação de computador, podemos agora compreender precisamente os processos climáticos em funcionamento para explicar as mudanças drásticas nos ambientes do norte da África nos últimos 160 mil anos”, acrescenta o coautor Tobias Friedrich, da Universidade do Havaí (EUA).

De trabalhos anteriores, já se sabia que vários rios corriam episodicamente pela região, que hoje é uma das áreas mais secas da Terra. A reconstrução sem precedentes da equipe cobre continuamente os últimos 160 mil anos. Ele oferece uma imagem abrangente de quando e por que houve chuvas suficientes no Saara Central para reativar esses rios. “Descobrimos que são as pequenas mudanças na órbita terrestre e o aumento e diminuição dos mantos de gelo polares que ritmaram a alternância das fases úmidas com alta precipitação e longos períodos de aridez quase completa”, explica Blanchet.

Visão geral da área de estudo no norte da África e na costa da Líbia. Também podem ser vistos os antigos cursos de rios e o local de onde foi retirado o núcleo de sedimentos. Crédito: Axel Timmermann
Movimentos migratórios

Os períodos férteis geralmente duravam 5 mil anos e a umidade se espalhava pelo norte da África até a costa do Mediterrâneo. Para as pessoas daquela época, isso resultou em mudanças drásticas nas condições de vida. Essas mudanças provavelmente levaram a grandes movimentos migratórios no norte da África.

“Com o nosso trabalho, adicionamos algumas peças essenciais do quebra-cabeça ao quadro das mudanças anteriores da paisagem do Saara que ajudam a compreender melhor a evolução humana e a história da migração”, diz Blanchet. “A combinação de dados de sedimentos com resultados de simulação por computador foi crucial para entender o que controlava a sucessão passada de fases úmidas e áridas no norte da África. Isso é particularmente importante porque se espera que essa região experimente secas intensas como consequência da mudança climática induzida pelo homem.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança