Saara no Ártico: as grandes dunas de areia do Alasca

Estudar as dunas que existem no Alasca pode ajudar os cientistas a entender as dunas de Marte

Grandes Dunas de Areia de Kobuk: as acumulações chegam a atingir 30 metros de altura acima das florestas circundantes. Crédito: NPS

Em uma área de floresta boreal no noroeste do Alasca, dois trechos de areia sem árvores se destacam – as Grandes Dunas de Areia de Kobuk. Com cristas que chegam a 30 metros acima das florestas circundantes, as dunas combinariam mais com o deserto do Saara do que com o Ártico, observa o site Earth Observatory, da Nasa.

A origem das dunas está no gelo glacial. Durante ciclos recentes da idade do gelo, enormes camadas de gelo destruíram montanhas e outras superfícies rochosas na região. Com isso, elas criaram uma abundância de areia, silte e loess que se acumulou ao longo das margens dos rios glaciais. Com o tempo, riachos carregados de sedimentos e ventos cheios de poeira depositaram muito desse material no Vale de Kobuk. Esse vale livre de gelo é protegido pelos montes Baird ao norte e pelos montes Waring ao sul.

Imagens de satélite das Grandes Dunas de Areia de Kobuk com maior aproximação (no alto) e em plano mais geral (acima). Crédito: Nasa Earth Observatory/Lauren Dauphin, com dados Landsat do US Geological Survey

O Operational Land Imager (OLI) no satélite Landsat 8 adquiriu esta imagem do Vale de Kobuk e suas dunas em 16 de agosto de 2020. Embora as gramas de tundra e as florestas tenham invadido e agora cubram cerca de 90% da areia que cobre o vale, ventos inconstantes ainda esculpem livremente cerca de 65 km2 de campos de dunas ativos. Dunas transversais em forma de cume são comuns na parte norte do Campo de Dunas de Grande Kobuk. Já barchans em forma de crescente e dunas parabólicas aparecem em números significativos na parte sul.

Dunas congeladas

As dunas são um dos destaques do Parque Nacional do Vale de Kobuk, um dos locais mais remotos do sistema de parques nacionais dos EUA. Enquanto centenas de milhares de caribus migram pelo parque a cada ano, a ausência de estradas e outras instalações significa que o número de visitantes humanos ao parque é normalmente inferior a 20 mil, e diversas vezes muito menor.

Um grupo notável fez a jornada para Kobuk: geólogos que estudam as dunas de Marte. Como as Grandes Dunas de Kobuk ficam congeladas e com crostas de neve e geada na maior parte do ano, elas se movem bem devagar em comparação com as dunas em áreas mais quentes. Eles são semelhantes às dunas de areia de Marte, algumas das quais têm camadas de dióxido de carbono congeladas como gelo durante o inverno. Na verdade, cientistas do Southwest Research Institute descobriram pela primeira vez que as dunas de areia em Marte podem se mover usando uma técnica baseada em satélite que eles desenvolveram e testaram inicialmente nas Grandes Dunas de Kobuk.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança