Saga de elefantes no sudeste da Ásia é mostrada em documentário

“Elefantes: Em nome da liberdade” traz aos espectadores um triste e pouco conhecido cotidiano de elefantes da Tailândia

Elefante tailandês: sobrevivência dificultada por fatores como redução de habitat e uso como atração pela indústria do turismo selvagem. Crédito: Pikist

“Elefantes: Em nome da liberdade”, documentário do canal National Geographic que estreia neste sábado, 27 de junho, às 21h, leva os espectadores em uma viagem pela Tailândia para conhecer a cruel realidade dos elefantes dessa região. A produção mostra uma empolgante missão de resgate envolvendo a atriz e diretora Ashley Bell e uma equipe liderada pela conservacionista Lek Chailer.

Os elefantes são de grande importância dentro do ecossistema porque ajudam a manter as florestas através da dispersão de sementes. Depois de se alimentarem de frutas e plantas, eles dispersam sementes a vários quilômetros de distância, regenerando áreas desmatadas.

Na estreia do documentário, Antonio de la Torre – explorador da National Geographic, biólogo, pesquisador e conservacionista mexicano – compartilhou algumas dicas para aprender mais sobre os elefantes e contribuir para a conservação dessa fascinante espécie em extinção. De la Torre está colaborando em um grande projeto para estudar os movimentos de elefantes na Península da Malásia, a fim de melhorar as estratégias de conservação para a espécie na natureza.

LEIA TAMBÉM: No passo dos elefantes

Segundo De La Torre, as ameaças mais significativas enfrentadas hoje pelos elefantes são as seguintes: 1) a destruição e fragmentação de seu habitat, causada pelo aumento da população humana e pela transformação de florestas para cultivo e construção de estradas; 2) o conflito entre elefantes e pessoas – como consequência, muitos elefantes são envenenados quando entram em áreas de cultivo; 3) uma indústria perigosa de turismo selvagem que tem elefantes como protagonistas de espetáculos acrobáticos e atividades de montaria – para fazer parte dessas atrações, os animais são isolados de seus grupos sociais, mal alimentados e submetidos a treinamento violento, baseado em punição, para sua domesticação.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança