• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência05/02/2022

São Paulo coberto por geleiras, corredeiras no Tietê: viaje no tempo com a geologia

Geossítio Pedra do Sino, em Ilhabela, um dos locais apresentados no livro. Crédito: Divulgação/GeoHereditas IGc USP

05/02/22 - 07h37min

Você sabia que as montanhas, os rios e o solo contam a história da Terra antes do surgimento dos primeiros seres humanos? Mesmo que nem sempre isso seja visível ao tempo humano, as paisagens naturais estão sempre se modificando. Ao longo de bilhões de anos, elas são alteradas de acordo com o momento geológico e os seres vivos que nelas vivem. Uma longa história que fica registrada nas pedras e nas formas de relevo de cada região.

Para tentar recontar essa história, os geocientistas pesquisam, entre outras coisas, os chamados geossítios. Nesses locais, é possível observar vestígios do passado, que ajudam a organizar a linha cronológica da história geológica.

No estado de São Paulo, os pesquisadores do Núcleo de Apoio à Pesquisa em Patrimônio Geológico e Geoturismo (GeoHereditas), do Instituto de Geociências (IGc) da USP, produziram um inventário com o registro de 142 geossítios. O levantamento resultou em um mapa geológico interativo, que indica os períodos de formação dos patrimônios geológicos.

Diferentes perfis

Para divulgar esse trabalho inédito realizado pelos pesquisadores, a professora do IGc  e coordenadora do projeto do inventário, Maria da Glória Motta Garcia, lançou no final de 2021 o livro Patrimônio Geológico Paulista — uma viagem no tempo geológico em 50 geossítios. Na obra, foram selecionados 50 dos 142 geossítios identificados, que trazem um breve resumo da formação geológica do estado.

Na produção do livro, Maria da Glória escolheu diferentes perfis de geossítios, entre aqueles que ela considerava serem os mais importantes. “Procurei mesclar geossítios que eram atrativos turísticos já consagrados e locais que são, por exemplo, um barranco na beira da estrada, justamente para mostrar que essa ciência pode ser feita em qualquer lugar”, conta. A obra pode ser adquirida por R$ 60 no site da editora Funep.

Segundo a autora, conhecer os geossítios do estado de São Paulo é importante não só por causa da relevância deles para a geociência. Ela explica que “muitos desses locais registram eventos climáticos do passado, e podem fazer a gente tentar entender como esses eventos podem atuar no futuro e como podemos tentar minimizar seus efeitos”. Mais que isso, Maria da Glória lembra que os geossítios são “uma memória da ciência e da Terra”. Dessa forma, “eles podem ser utilizados para fins turísticos e didáticos – desde a educação formal, que é dada nas escolas, até para ensinar não só as geociências, mas a conservação do ambiente no geral”.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

geleira