Segredos do lado oculto da Lua são revelados por missão da China

Chang’e-4, a primeira missão a pousar no outro lado da Lua, mostra mais detalhes do que encontrou lá

Lado oculto da Lua, em foto da missão Apollo 16 (1972): missão chinesa revela detalhes do que encontrou lá. Crédito: Nasa

Considerada a primeira a conseguir pousar no outro lado da Lua e a descobrir ali a presença do grupo de minerais olivina, a missão Chang’e-4, da China, está desvendando segredos lunares à medida que a investigação avança.

Em 3 de janeiro de 2019, a sonda Chang’e-4 pousou na cratera Von Karman, onde implantou um rover chamado Yutu-2, com o objetivo de explorar a Bacia do Polo Sul-Aitken, a mais velha e a maior cratera, situada no lado oculto da Lua.

Uma das descobertas feitas pelo Yutu-2 foi que a cratera se encontra repleta de depósitos soltos como rochas e poeiras pulverizadas, com uma espessura de quase 12 metros. É uma situação semelhante à constatada pelos astronautas da missão Apollo. Os sinais de rádio são emitidos a uma profundidade de 40 metros da superfície lunar, três vezes mais do que a missão chinesa anterior conseguiu explorar.

LEIA TAMBÉM: Foto rara mostra lado oculto da Lua com Terra ao fundo

O veículo espacial encontra-se equipado com o Radar Penetrante Lunar, o que lhe dá as ferramentas necessárias para conseguir investigar.

“A superfície no local de pouso CE-4 é muito mais transparente para as ondas de rádio, e essa observação qualitativa sugere um contexto geológico totalmente diferente para os dois locais de desembarque”, explicou Li Chunlai, professor de investigação e vice-diretor do Observatório Nacional da China, da Academia de Ciências.

Processo de formação

A abundância de depósitos na cratera relaciona-se com o fato de a Lua ser frequentemente atingida por meteoritos e outros detritos. Com o passar do tempo, a superfície onde está a cratera torna-se a camada superior, deixando por baixo outras camadas de pedra.

“Esses dados mostram que o uso do radar de penetração lunar pode melhorar muito a compreensão da história do impacto lunar e do vulcanismo. Assim como dar uma nova luz à compreensão da evolução geológica do lado oposto da Lua”, disse Li.

As crateras que sofrem esses impactos são importantes para os investigadores, pois é por meio delas que podem aprender mais sobre a Lua e todo o seu processo de formação.

A origem da formação lunar tem sido tema de debate da comunidade científica e, nesse sentido, a investigação chinesa pretende chegar a um maior conhecimento sobre a evolução da Lua e comprovar se existe ou não um oceano de magma, teoria que ainda não foi confirmada.

Ainda este ano, a China pretende enviar mais uma sonda, a Chang’e-5, com o objetivo de regressar à Terra com amostras recolhidas na Lua.

 

* A RTP (Rádio e Televisão de Portugal) é a emissora pública de televisão de Portugal