Segredos revelados

Na pirâmide de Quéops, a maior das três existentes em Gizé, já foram encontradas anomalias térmicas

Um mapeamento diferente das pirâmides da planície de Gizé, no Egito, está sendo conduzido pelo Ministério das Antiguidades daquele país. O projeto, que utiliza sensores térmicos, busca descobrir os métodos usados na construção das pirâmides e revelar câmaras e corredores ainda desconhecidos. O escaneamento por calor é feito durante o nascer do Sol, quando a luz solar aquece as estruturas a partir de fora, e o crepúsculo, quando as pirâmides estão esfriando. As diferentes velocidades das fases de aquecimento e de resfriamento sugerem a criação de hipóteses relativas a eventuais áreas vazias, correntes de ar e diferentes materiais usados na parte interna das construções. Os primeiros resultados já começaram a aparecer: o ministério divulgou em novembro que o projeto detectou anomalias térmicas na pirâmide de Quéops, a maior de todas.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança

COMPARTILHAR