• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured19/01/2022

Sete últimos anos foram os mais quentes já registrados

Deutsche Welle
Texto por:Deutsche Welle19/01/22 - 07h19min - Atualizado em 19/01/22 - 10h57min

Os últimos sete anos foram os mais quentes já registrados, confirmou nesta quarta-feira (19/01) a Organização Meteorológica Mundial (OMM), apesar de o fenômeno climático La Niña ter reduzido temporariamente as temperaturas no ano passado.

Segundo a agência da ONU, os sete anos mais quentes foram registrados desde 2015, com 2016, 2019 e 2020 no topo da tabela. Pelo sétimo ano consecutivo, a temperatura média global ultrapassou os níveis pré-industriais em mais de 1°C.

Os dados confirmam o que o o serviço de monitoramento do clima da União Europeia já havia divulgado em janeiro.

"Espera-se que o aquecimento global e outras tendências de mudanças climáticas a longo prazo continuem devido aos níveis recordes de gases de efeito estufa na atmosfera", acrescentou a OMM, que tem sede em Genebra.

Apesar de relativamente menos quente em relação aos anteriores, 2021 insere-se no ciclo de sete anos consecutivos de temperaturas recordes, "os mais quentes já registrados por uma margem clara", divulgou em 10 de janeiro o sistema de observação climática por satélite Copérnico.

A temperatura média global em 2021 situou-se entre 1,1 e 1,2 grau centígrado acima da média anual do período pré-industrial e 0,3 grau acima da média nos últimos 30 anos.

A primeira média é justamente a medida usada para calcular o aquecimento global e que o Acordo de Paris pretende manter abaixo de 1,5 grau até o fim deste século.

O mês de julho foi marcado por fortes chuvas e inundações no centro-oeste europeu, sobretudo na Alemanha, na Bélgica, em Luxemburgo e na Holanda.

No mesmo mês verificou-se uma onda de temperaturas altas na região do Mar Mediterrâneo, sobretudo na Grécia, na Espanha e na Itália. O clima seco e quente deu origem a incêndios florestais prolongados, que afetaram países como Turquia, Portugal, Grécia, Itália, Espanha, Albânia, Macedônia do Norte, Argélia e Tunísia, ao longo de julho e agosto.

as (Lusa, OTS)

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Acordo de Paris